Um estudo acerca do perfil de consumo cultural dos alunos da Universidade Federal do Ceará

Thiago Andrade Sales, Pablo Urano de Carvalho Castelar, Alesandra de Araújo Benevides

Resumo


Este trabalho busca estudar o comportamento de consumo de bens culturais pelos alunos da Universidade Federal do Ceará - UFC. Utilizou-se como forma de captura e instrumentalização dos dados o uso de um questionário para que fossem observados aspectos econômicos e sociais dos agentes, assim como perguntas mais direcionadas à sua forma de consumo cultural, frequência de uso e grau de importância desses bens. A partir disso, foi elaborado um modelo probit em que se analisa o comportamento do consumo de bens culturais mediante algumas variáveis exógenas como: a utilização de bens culturais dentro da universidade; anos de estudo nos cursos de graduação na universidade; idade dos estudantes; renda e sexo. Verificou-se que a utilização de bens culturais disponibilizados pela universidade tende a aumentar o consumo de bens culturais, assim como em relação aos anos de estudo dos agentes nos cursos de graduação. No entanto, à medida que os alunos aumentam de idade, seu consumo de cultura tende a diminuir, e parece haver um desconexo entre disponibilidade de equipamentos culturais e percepção dos discentes a respeito desta oferta.

 

Abstract

This work seeks to analyze the behavior of the consumption of cultural goods by the students of the Federal University of Ceará - UFC. A questionnaire was used as a way of capturing and manipulating the data so that economic and social aspects of the agents could be observed, as well as more questions related to their cultural consumption, frequency of use and degree of importance. From this, a probit model was elaborated in which the behavior of the consumption of cultural goods is analyzed through some exogenous variables such as: the use of cultural goods within the university; Years of study in undergraduate courses at the university; Age of students; Income and sex. It was verified that the use of cultural goods made available by the university tends to increase the consumption of cultural goods in general, as well as in relation to the years of study of the students in undergraduate courses. However, cultural consumption seems to decrease as age increases, and there seems to be a disconnect between the availability of cultural goods and the perception of the students about the supply of such goods.

Keywords: Cultural Consumption; Federal University of Ceará; Probit Model


Palavras-chave


Consumo cultural; Univesidade Federal do Ceará; Modelo Probit.

Texto completo:

PDF

Referências


BEM, J.S., WASIMANN, M., FINATTO, J. A transformação do consumo de bens culturais nos domicílios particulares durante o tempo: estudo do município de Canoas entre 2000 e 2010. Economia & Região, Londrina(Pr), v.2, n.1, p.99-114, ago./dez. 2014 9

BERMÚDEZ, Emilia. Consumo cultural y construcción de representaciones de identidades juveniles. Universidad del Zulia, Facultad de Ciencias Económicas y Sociales, Centro de Estudios Sociológicos y Antropológicos . Maracaibo, Venezuela. 2010.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRITO, P; BARROS, C. Learning-by-Consuming and the Dynamics of the Demand and Prices of Cultural Goods. Journal of Cultural Economics, v. 29, n. 2, 2005, p. 83-106.

BRYANT, W. D. A.; THROSBY, D. Creativity and the Behavior of Artists. In: GINSBURG, V. A.; THROSBY, D. (eds). Handbook of the Economics of Art and Culture. Amsterdam: Elsevier, v. 1, 2006, cap. 16.

CASTELAR, Ivan; CASTELAR, Pablo Urano de Carvalho; BENEVIDES, Alesandra de Araújo. Determinantes do índice individual de consumo cultural no Brasil. Série Worrking Paper BNDS/ANPEC No. 49. Novembro. 2012.

CASTIGLIONE, C.; INFANTE, D. Rational Addiction and Cultural Goods: The Case of the Italian Theatregoer. Journal of Cultural Economics, v. 40, n. 2, 2016, p. 163-190.

CHENG, S.W. Cultural Goods Creation, Cultural Capital Formation, Provision of Cultural Services and Cultural Atmosphere Accumulation. Journal of Cultural Economics, v. 30, n. 4, 2006, p. 263-286.

CHUNG, C.; SONG, M. Preference for Cultural Goods: Demand and Welfare in the Korea Films Market. Simon School Working Paper n. FR 08-23, jun. 2008. Disponível em: https://ssrn.com/abstract=1349988

COELHO NETTO, José Teixeira. Dicionário crítico de política cultural. São Paulo, SP: Iluminuras/Fapesp, 1997.

DA SILVA, F.B., ARAÚJO, H.E., SOUZA, A.L. O Consumo Cultural das Famílias Brasileiras. In: Gasto e consumo das famílias brasileiras contemporâneas(volume 2). Fernando Gaiger Silveira, Luciana Mendes Servo, Tatiane Menezes e Sérgio Francisco Piola (Organizadores). IPEA. Brasília, 2007

DINIZ, Sibelle Cornélio; MACHADO, Ana Flávia. Análise do consumo de bens e serviços artístico-culturais no Brasil metropolitano. 2009.

EARP, Fábio de Sá; PAULANI, Leda Maria. Mudanças no consumo de bens culturais no Brasil após a estabilização da moeda. 2014. Nova Economia. Vol. 24. Nº 3. Belo Horizonte. 2014.

FAVARO, D.; FRATESCHI, C. A Discrete Choice Model of Consumption of Cultural goods: The Case of Music. Journal of Cultural Economics, v. 31, n. 3, 2007, p.205-234.

FELIX, Fabiola Angarten. Juventude e estilo de vida: cultura de consumo, lazer e mídia. 2003.

FERREIRA, Marcelo Costa. Consumo cultural e espaços sociais: os vestibulandos das universidades públicas na cidade do Rio de Janeiro, 1990. 2003. Opinião Pública. Vol 9. nº 1. Campinas. 2003.

FORJAZ, Maria cecília Spina. Lazer e Consumo Cultural das Elites. 1988.

FREUDENBERG, B. Change for change’s sake: are tax reforms required to assist the Australian arts sector? Cultural Trends, v. 20, n. 1, 2011, p.85-106.

FREIRE FILHO, João. Mídia, consumo cultural e estilo de vida na pós-modernidade. 2003. Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Revista Ecopós. 2003.

GALLOWAY, S.; DUNLOP, S. A Critique of Definitions of the Cultural and Creative Industries in Public Policy. International Journal of Cultural Policy, v. 13, n. 1, 2007, p. 17-31.

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GOODWIN, C. Art and Culture in the History of Economic Thought. In: GINSBURG, V. A.; THROSBY, D. (eds). Handbook of the Economics of Art and Culture. Amsterdam: Elsevier, v. 1, 2006, cap. 2.

GOLDENSTEIN, Gisela Taschner. Lazer operário e consumo cultural na São Paulo dos anos oitenta. 1991. Revista de Administração de Empresas. Vol 31. nº 3. São Paulo. 1991.

GUJARATI, Damodar N. Econometria Básica. 4ª Edição. 2006. Rio de Janeiro.

GÜNTHER, Hartmut. Como elaborar um questionário. Brasília, DF. 2003.

HESMONDHALGH, D. Media and Cultural Policy as Public Policy: the Case of the British Labor Government. International Journal of Cultural Policy, v. 11, n.1, 2006, p. 95-109.

KISH, L. Statistical Design for Research. J. Wiley & Sons. New York, 1987.

MANCEBO, Deise; OLIVEIRA, Dayse Marie; Fonseca, Jorge Guilherme Teixeira da; SILVA, Luciana Vanzan. Consumo e subjetividade: trajetórias teóricas. Rio de Janeiro. 2002.

MASON, R. Modelling the Demand for Status Goods. In: RUDMIN, Floyd W.; RICHINS, Marsha (eds.). Meaning, Measure, and Morality of Materialism. Association for Consumer Research, 1992, p. 88-95.

MENGER, P. M. Artistic Labor Markets: Contingent Work, Excess Supply and Occupational Risk Management. In: GINSBURG, V. A.; THROSBY, D. (eds). Handbook of the Economics of Art and Culture. Amsterdam: Elsevier, v. 1, 2006, cap. 22.

NUNES, Brasilmar Ferreira. Consumo e Identidade no meio juvenil: considerações a partir de uma área popular do Distrito Federal. 2007.

PAGLIOTO, Bárbara Freitas; MACHADO, Ana Flávia. Perfil dos frequentadores de atividades culturais: o caso nas metrópoles brasileiras. Estudos Econômicos. Vol. 42. Nº 4. São Paulo. 2012.

PASQUALI, L. Psicometria: Teoria e Aplicações. Brasilia, DF. Editora UNB. 1997.

PRIETO-RODRIGUEZ, J.; ROMERO-JORDÁN, D.; SANZ-SANZ, J.F. Is a Tax Cut on Cultural Goods Consumption Actually Desirable? A Microsimulation Analysis Applied to Spain. The Journal of Applied Public Economics, v. 26, n.4, 2005, p. 549-575.

ROBBINS, L. Art and the State. In: Politics and Economics. Lord Robins (aut.). London: Palgrave Macmillan, 1963, cap. 3, p. 53-72.

RONDELLI, Elizabeth. Televisão aberta e por assinatura: consumo cultural e política de programação. 1998.

SIEGEL, S. Estatística Não-Paramétrica Para as Ciências do Comportamento. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil. 1975.

SILVA, Frederico A. Barbosa da; ARAÚJO, Herton Ellery. Indicador de Desenvolvimento da Economia da Cultura. 2010.

THROSBY, D. Cultural Capital. Journal of Cultural Economics, v. 23, n. 1-2,

, p. 3-12.

VARELLA, A.Q. O Consumo de Bens Culturais: Uma Abordagem Institucional. Monografia. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2015.

WASSALL, G. H.; ALPER, N. O. Toward a Unified Theory of the Determinants of the Earnings of Artists. In: TOWSE, R.; KHAKEE, A. (eds) Cultural Economics. Berlin: Springer, 1992, cap. 18.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-627X.2019v7n1p85

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Economia e Região
E-ISSN: 2317-627X
DOI: 10.5433/2317-627X

Contato: 55-43-3371-4255
E-mail: rer@uel.br