Competitividade da produção de frango brasileira e barreiras comerciais na perspectiva dos gestores: uma avaliação qualitativa usando a matriz de impactos cruzados – MIC MAC

Arceste Leite Filho, Mirian Beatriz Schneider

Resumo


Este trabalho teve por objetivo principal analisar as barreiras tarifárias e não tarifárias sobre o comércio internacional de carne de frango, e seu possível impacto sobre a comercialização mundial. Como objetivos secundários, foram elencados os principais problemas que afetam a capacidade competitiva do setor de frango do Brasil e posteriormente realizada análise das principais barreiras que dificultam o comércio avícola. O levantamento dos objetivos secundários foi realizado por meio de pesquisas bibliográficas nos principais órgãos governamentais e institutos de pesquisa sobre o tema. Para a análise da pesquisa, foi utilizado o Método MICMAC, que partiu de entrevistas realizadas com os gestores das principais indústrias produtoras de carne de frango da região oeste do Paraná. Os resultados obtidos mostraram os pontos frágeis do sistema de exportação brasileira e indicaram onde devem ser tomadas ações, por parte do estado, afim de sanar ou minimizar os efeitos danosos destas barreiras. Neste contexto, o trabalho justificou-se pela importância e relevância que o tema possui, apresentando regulamentações importantes para as exportações brasileiras.

ABSTRACT

 

The objective of this study was to analyze tariff and non-tariff barriers on international trade in chicken meat and its impact on world trade between the years 2015 and 2016, based on interviews with managers of the main chicken meat producing western region of Paraná. In order to analyze the factors influencing exports, the MICMAC Method was used which pointed to internal variables such as complex legislation, internal bureaucracy and tax burden, which are considered barriers to Brazilian exports. The method also showed the external variables that can affect the competitiveness of chicken production as sanitary, technical and tariff barriers, as well as specific legislation. The MICMAC system, despite being a data analysis tool, is not able to discard irrelevant data, or to realize that this or that one does not fit well in the context to be analyzed.

 

Keywords: Chicken, Exports, Barriers


Palavras-chave


Barreiras tarifárias; Comércio internacional; Agricultura

Texto completo:

PDF

Referências


ABPA – Associação Brasileira de Proteína Animal. Publicações. Disponível em: http://abpa-br.com.br/. Acesso em 15/12/2015.

_____. Relatório Anual 2017. Disponível em http://abpa-br.com.br/setores/avicultura/publicacoes/relatorios-anuais/2017. Acesso em 18/01/2017.

AGÊNCIA BRASIL. Líder mundial, Brasil vende carne de frango para 150 países. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2015-09/lider-mundial-brasil-vende-carne-de-frango-para-150-paises.

Acesso em 20/01/2016.

AVISITE – O Portal da Avicultura. Cai a competitividade do frango brasileiro. Disponível em http://www.avisite.com.br/clipping/imprimir.php?codclipping=21622. Acesso em dez/2015.

_____. Os 25 principais importadores da carne de frango brasileira em 2016. Disponível em http://www.avisite.com.br/noticias/imprimir.php?codnoticia=17624. Acesso em 18/01/2018.

BRASIL. Rastreabilidade e segurança alimentar. Boletim técnico, n. 91, p. 1-25. Universidade Federal de Lavras, Lavras: UFL, 2012.

_____. Novos mercados e a alta do dólar puxam ganhos dos exportadores de carne de frango. Seção Economia e Emprego. 11/09/2015. Disponível em http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2015/09/novos-mercados-e-alta-do-dolar-puxam-ganhos-dos-exportadores-de-carne-e-frango.

Acesso em 12/01/2016.

CEPEA – Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada – Esalq/USP. Frango/CEPEA. Setor avícola em 2015 e perspectivas para 2016. Disponível em: http://cepea.esalq.usp.br/frango/custos/2015/03Set_Dez.pdf.

Acesso em 19/01/2016.

CODEX ALIMENTARIUS. 2012. Disponível em: < http://www.codexalimentarius.org/>. Acessado em 13/01/2016.

DIAS, A. R. Barreiras não tarifárias as exportações de carne bovina no Rio Grande do Sul sob a ótica do sistema integrado agroindustrial (SIAN). 215 f. Dissertação (Mestrado em Agronegócios) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

EBC – Empresa Brasil de Comunicação. Líder mundial, Brasil vende carne de frango para 150 países. 2015. Disponível em: http://www.ebc.com.br/noticias/economia/2015/09/lider-mundial-brasil-vende-carne-de-frango-para-150-paises.

Acesso em 18/12/2015.

FARIA, R. N. de. Avaliação dos efeitos das exigências técnicas nas exportações brasileira de alimentos. 170 f. Tese (Doutorado em Ciências) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2009.

FRANÇA, J. M. Barreiras técnicas e desempenho da cadeia produtiva de frangos no estado do Paraná. 130f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção e Sistemas) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, 2006.

G1.Apesar da carne Fraca, exportação de carnes brasileiras sobe 9% em março. Seção Economia. Disponível em https://g1.globo.com/economia/noticia/balanca-comercial-registra-superavit-recorde-em-marco.ghtml. Acesso em 18/01/2018

GODET, M. From Antecipation to Action. A handbook of Strategic Prospective. United Nations, UNESCO, Paris, França. 277p. 1993.

_____. A prospectiva estratégica: para as empresas e os territórios, UNESCO, 2011.

GONÇALVES, J. S.; PEREZ, L. H. Exportações brasileiras da cadeia de produção de aves no período 2000-2005: origem, destino e agregação de valor. Informações Econômicas, v. 36, n. 7, p. 32-47, 2006.

IEA – Instituto de Economia Agrícola. Brasil, OMC e o Comércio Desleal. Análises e Indicadores do Agronegócio. v.4, n.9, setembro/2009. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/ftpiea/AIA/AIA-36-2009.pdf.

Acesso em 09/01/2016.

LIPSOR. MICMAC - Software Version 6.1.2 2003/2004, Matrice d’Impacts Croisés Multiplication Appliqués à un Classement. Disponível em http://www.3ie.org/lipsor/ download/formulaire_uk.php França. 2004.

MAPA - MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Brasil e Rússia vão intensificar comércio com prelisting de produtos de origem animal. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/comunicacao/noticias/2015/07/brasil-e-russia-vao-intensificar-comercio-com-prelisting-de-produtos-de-origem-animal. Acesso em: 18/01/2016.

MARCIAL. C., GRUMBACH, R. J. S. Cenários Prospectivos. Como Construir um Futuro Melhor. Editora FGV. Rio de Janeiro, Brasil. 148p. 2004.

MDIC/SECEX - MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR/SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR. Barreiras externas às exportações brasileiras. Disponível em: .

Acesso em: 12/01/2016.

________Barreiras Técnicas ao Comércio. Disponível em: http://www.desenvolvimento.gov.br//sitio/interna/interna.php?area=5&menu=733. Acesso em: 08/01/20016.

PAULA, S. R. L.; FAVERET FILHO, P. S. C. Exportações de carne de frango. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 17, p. 93-108, 2007.

SECEX – Secretaria de Comércio Exterior. Publicações. Disponível em: www.desenvolvimento.gov.br.

Acessado em 03/01/2016.

SILVEIRA, L. M. Entendendo a OMC e seu sistema de solução de controvérsias. Disponível em: http://internacionaleconomico.blogspot.com.br/2011

/07/entendendo-omc-e-solucao-dos-conflitos.html.

Acessado em: 04/01/2016.

TURRA, F. Avicultura: competitividade em jogo. Jornal Gazeta do Povo. Disponível em http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/artigos/avicultura-competitividade-em-jogo-3t3e697wh57naj1ysxryqrxam. Acesso em 18/01/2018.

VERGARA, F. H.; NETTO, O. M. C. Análise estrutural por meio da metodologia MicMac aplicada à gestão dos recursos hídricos – o caso da região Hidrográfica da UHE Lajeado na bacia do rio Tocantins, Brasil. REGA – Vol. 4, no. 2, p. 5-20, jul./dez. 2007.

VILANCULOS, A.J.; NHASSENGO, O.; CAFÉ, M. B. A cadeia de valor da carne de frango no estado de goiás: uma visão atual e algumas reflexões comparativas sobre a produção de carne de frango em chibuto–Moçambique. Sociedade e Território, v. 27, n. 3, p. 79-94, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-627X.2018v6n1p23

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Economia e Região
E-ISSN: 2317-627X
DOI: 10.5433/2317-627X

Contato: 55-43-3371-4255
E-mail: rer@uel.br