Cadeia de suprimentos de perecíveis: como restaurantes selecionam e se relacionam com fornecedores de hortaliças

Gessuir Pigatto

Resumo


O aumento da alimentação fora do domicilio possibilitou um aumento das receitas dos estabelecimentos que oferecem serviço de alimentação, porém elevou as exigências pela aquisição de insumos de qualidade. Este artigo tem como objetivo analisar a cadeia de suprimentos de perecíveis utilizada pelas empresas no setor de serviço de alimentação, especificamente as ações utilizadas por pequenos restaurantes comerciais para a tomada de decisão no processo de aquisição de hortaliças. Foram objeto de análise, restaurantes localizados em municípios da região noroeste do Estado de São Paulo localizados a mais de 600 km do principal centro de fornecimento de hortaliças do país (CEAGESP). Optou-se, por uma pesquisa de campo, com coleta de dados por questionários semiestruturados, aplicados na forma de entrevista pessoal, com análise qualitativa dos dados. Apesar da proximidade, a relação comercial entre os restaurantes e seus fornecedores apresentou características que se posicionaram mais próximas do mercado concorrencial do que colaborativo.

 

Abstract

The increased meals outside has allowed the companies that offer the food service a increase in financial revenues, but increased the requirements for purchase of quality inputs. Thus, this article aims to analyze the perishables supply chain used by firms that operate in the food service, specifically the process of vegetables purchasing by small restaurants and their relationships with farming suppliers. Was utilized as analysis object, restaurants located in the northwestern regions of the State of São Paulo situated more than 600 km from the main supply vegetables center (CEAGESP). We chose a field research through data collection by semistructured questionnaires, applied in a personal interview with qualitative and quantitative data analysis. Although narrow, the relationship between the two chain links (restaurants and agricultural suppliers) revealed to were positioned nearer to the market competitive than to the collaborative market. 

 

Keywords: Supply Chain, Relationship. Food service, Restaurant

 

 

Palavras-chave


Serviço de alimentação; Restaurantes Comerciais; Cadeia de Suprimentos; Relacionamento Colaborativo

Texto completo:

PDF

Referências


AHUMADA; O. VILLALOBOS, J.R. Application of planning models in the agri-food supply chain: a review. European Journal of Operational Research, v. 195, p.1-20, 2009. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0377221708001987. Acesso em: março 2012.

BAI, C.; SARKIS, J. Integrating sustainability into supplier selection with grey system and rough set methodologies.International Journal Production Economics, v. 124, p. 252–264, 2010.Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0925527309004265. Acesso em: março 2012.

BAILY, P.; FARMER, D.; SESSOP, D.; JONES, D. Compras: princípios e administração. Atlas, São Paulo, SP, 2000.

BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: logística empresarial. 5ª Ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

CASTRO, M.R.; BRONZO, M.; RESENDE, P.T.V.; OLIVEIRA, M.P.V.. Relacionamentos colaborativos e desempenho competitivo de empresas brasileiras. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 55, n. 3, p. 314-328, 2015. Disponível em http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rae/article/view/49253. Acesso: setembro 2016.

CHANG, B; CHANG, C; WU, C. Fuzzy DEMATEL method for developing supplier selection criteria.Expert Systems with Applications, v. 38, p. 1850–1858, 2011.Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0957417410007426. Acesso: março 2012.

CHARLEBOIS, Sylvain. Supply-Based Food Waste in the Food Service Industry: The case of Delish Restaurants. World Journal of Agricultural Sciences, 2014.https://www.ifama.org/resources/files/2014-Conference/959.pdf. Acesso maio 2015.

CHEN, I.J.; PAULRAJ, A. Towards a theory of supply chain management: the constructs and measurements. Journal of Operations Management, v.22, n.2, p.119-150, abr. 2004. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0272696304000063. Acesso: setembro 2004.

CHRISTOPHER, L.; WRIGHT, L. Serviços: marketing e gestão. Saraiva, São Paulo, SP, 2006.

COSTA, A. I. de A., SCHOOLMEESTER, D., DEKKER, M., JONGEN, W. M. . To cook or not to cook: a means-end study of motives for choice of meal solutions. Food Quality and Preference, n.18, p.77-88, 2007.Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0950329305001321. Acessoem: junho 2008.

COX, A. The art of the possible: relationship management in power regimes and supply chains. Supply Chain Management: an international journal, Bingley, v. 9, n. 5, p. 346-356, 2004. Disponível em: http://www.emeraldinsight.com/doi/full/10.1108/13598540410560739. Acesso em maio 2017.

CRESWELL, J. W.; CLARK, V. L. Designing and Conducting Mixed Methods Research.Thousand Oaks, CA., 2006.

DE HAAN, J. AC; SACRISTÁN-DÍAZ, M..Measuring performance at the supply chain level: the role of the chain director. Working Papers on Operations Management, v. 7, n. 1, p. 1, 2016.Disponível em: https://polipapers.upv.es/index.php/WPOM/article/view/5380. Acesso em: maio 2017

EISENHARDT, K. M. Building theories from case study research.Academy of Management Review, v. 14, n. 4, p. 532-550, 1989.

FITZSIMMONS, J. A.; FITZSIMMONS, M. J. Administração de serviços: operações, estratégias e tecnologia da informação. Bookman, Porto Alegre2011.

GADDE, L.; HAKANSSON, H. Supply network strategies. West Sussex: John Willey & Sons Ltd; 2001.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas, São Paulo, SP.2007

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, mar./abr. 1995. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rae/v35n2/a08v35n2.pdf. Acesso em: junho 2004.

GONÇALVES, P. S. Administração de materiais. Elsevier, Rio de Janeiro, 2007.

GRACA,S.S.; BARRY, J.M.; DONEY, P.M. Performance outcomes of behavioral attributes in buyer-supplier relationships. Journalof Business & Industrial Marketing, v. 30, n. 7, p. 805-816, 2015. Disponível em http://www.emeraldinsight.com/doi/full/10.1108/JBIM-04-2014-0072. Acesso em: maio 2017.

GRÖNROOS, C. Marketing gerenciamento e serviços: a competição por serviços na hora da verdade. Campus, Rio de Janeiro, 1993.

HELMS, M. M; ETTKIN, L. P.; CHAPMAN, S.. Supply chain forecasting: collaborative forecasting supports supply chain management. Business Process Management Journal, v.6, n.5, p.392-407, 2000. Disponível em: http://www.emeraldinsight.com/doi/full/10.1108/14637150010352408. Acesso em: abril 2005.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). (2004) Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002-2003: primeiros resultados: Brasil e Grandes Regiões. Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2002/pof2002.pdf. Acesso em: março de 2012.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Pesquisa Anual de Serviços - 2014. Rio de Janeiro, v. 16, 82 p. 2015. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/150/pas_2014_v16.pdf . Acesso em: fevereiro de 2016.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).(2010) Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: despesas, rendimentos e condições de vida. Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2008_2009/POFpublicacao.pdf. Acesso em: março de 2012.

KON, A. Economia de serviços: teoria e evolução no Brasil. Elsevier, RJ, 2004

LLACH, J., PERRAMON, J., ALONSO-ALMEIDA, M., e BAGUR-FEMENÍAS, L. Joint impact of quality and environmental practices on firm performance in small service businesses: An empirical study of restaurants. Journal of Cleaner Production, n. 44, p. 96-104, 2013.Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0959652612005781. Acesso em: agosto 2014.

MAHR, D.; KALOGERAS, N.; ODEKERKEN-SCHRÖDER, G.A service science approach for improving healthy food experiences. Journal of Service Management, v.24, n.4, p.435-471.2013. Disponível em: http://www.emeraldinsight.com/doi/full/10.1108/JOSM-04-2013-0089. Acesso em: abril 2015.

MARUCHECK, A., GREIS, N., MENA, C., CAI, L Product safety and security in the global supply chain: Issues, challenges and research opportunities. Journal of Operations Management, v. 29, p.707–720, 2011. Disponívelem: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0272696311000945. Acesso agosto 2012.

MEIRELLES, D. S. Características das firmas e dos setores de serviço, segundo o processo de trabalho. In: NEGRI, J. A. de; KUBOTA, L. C. (Org.) (2006). Estrutura e dinâmica do setor de serviços no Brasil. Cap. 10. Brasília, DF: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2006.

MENTZER, J. T., DEWITT, W., KEEBLER, J. S., MIN, S., NIX, N. W., SMITH, C. D., ZACHARIA, Z. G Defining supply chain management. Journal of Business Logistics, v.22, n. 2, p. 1-25, 2001. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/j.2158-1592.2001.tb00001.x/full. Acesso: março 2006.

OLIVA, E. de C.; SANTOLIA, F. Valorização das competências dos gestores de negócios em serviços de alimentação. Revista Hospitalidade, São Paulo, ano 4, n. 2, p.11-34, 2007. Disponível em: https://revhosp.org/hospitalidade/article/view/230. Acesso em: abril 2014.

PIGATTO, G; ALCANTARA, R.L.C. Relacionamento colaborativo no canal de distribuição: uma matriz para análise. Gestão & Produção, v.14, p.155-167, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-530X2007000100013&script=sci_arttext. Acesso em: março 2008.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social. Atlas, São Paulo, 2011.

RODRIGUES, A., PROENÇA, R. Relação entre tamanho da porção de comida e ingestão alimentar: uma revisão. CERES, v.6, n.1, p.23-33, 2011. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/ceres/article/view/1968. Acessoemmarço 2014.

RYU, K; HAN, H. Influence of the quality of food, service, and physical environment on customer satisfaction and behavioral intention in quick-casual restaurants: moderating role of perceived price. Journal of Hospitality & Tourism Research, v. 34, n. 3, p. 310-329, 2010.Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/1096348009350624. Acesso em: fevereiro 2015.

SARKIS, J.; TALLURI, S.A model for strategic supplier selection. Journal of Supply Chain Management, v. 38, n. 1, p. 18- 23, 2002.Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1745-493X.2002.tb00117.x/full. Acesso em: maio 2015.

SILVA FILHO, A.R.A. Manual básico para planejamento e projeto de restaurantes e cozinhas industriais. Ed. Varela, São Paulo, 1996.

SILVENNOINEN, K, HEIKKLA, L., KATAJAJUURI, J.M., REINIKAINEN, A.. Food waste volume and origin: case studies in the Finnish food service sector. Waste Management, v. 46, p. 140-145, 2015. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0956053X15301197. Acessoem: maio 2017.

SPORLEDER, Thomas; BOLAND, Michael. Exclusivity of Agrifood Supply Chains: Seven Fundamental Economic Characteristics. International Food and Agribusiness Management Review, v. 14, n. 5, 2011.Disponível em: http://www.ifama.org/resources/Documents/v14i5/v14i5.pdf#page=33. Acesso em: abril 2014.

VIANA, J.C.; ALENCAR, L.H. Metodologias para seleção de fornecedores: uma revisão da literatura. Prod. [online].vol.22, n.4, p. 625-636, 2012.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prod/2012nahead/aop_0001_0294.pdf. Acesso: setembro 2013.

WU, L; CHUANG, C-H; HSU, C-H. Information sharing and collaborative behaviors in enabling supply chain performance: A social exchange perspective. International Journal of Production Economics, v. 148, p. 122-132, 2014. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0925527313004210. Acesso em: outubro 2015.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

YU, Z.; YAN, H.; CHENG, T.C. E. Benefits of information sharing with supply chain partnerships. Industrial Management & Data Systems, v.101, n.3, p.114-119, 2001. Disponível em: http://www.emeraldinsight.com/doi/full/10.1108/02635570110386625.

Acesso em: março 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-627X.2017v5n1p7

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Economia e Região
E-ISSN: 2317-627X
DOI: 10.5433/2317-627X

Contato: 55-43-3371-4255
E-mail: rer@uel.br