Diferencial salarial segundo a condição de migração e gênero nos estados da região sul do Brasil

Karla Cristina Tyskowski Teodoro Rodrigues, Solange Cassia Inforzato de Souza, Flavio Kaue Fiuza Moura, Katy Maia

Resumo


Este trabalho analisa a diferença salarial segundo a condição de migração e sexo da população dos estados do Sul do Brasil (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), a partir dos microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – 2013. Para isso, calculam-se as equações de rendimentos, o procedimento de Heckman e a decomposição de Oaxaca-Blinder. Os resultados revelam que o estado do Paraná tem maior participação relativa de migrantes da Região Sul, seguido por Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A Região apresenta um salário superior para migrantes, tanto para os homens como para as mulheres, compatível com a literatura sobre o tema. Os homens possuem um salário superior, tanto nos grupos de não migrantes como nos de migrantes, e a maior diferença salarial por sexo ocorre na população migrante. Há discriminação salarial por sexo entre migrantes e não migrantes, sendo maior entre os migrantes. O efeito migratório sobre os salários das mulheres é de aproximadamente 15%, favorável às migrantes, e dos homens é de aproximadamente 38% favorável aos migrantes.


Palavras-chave


Diferencial de salário por sexo. Migração. Decomposição Oaxaca-Blinder.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-627X.2016v4n1p7

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Economia e Região
E-ISSN: 2317-627X
DOI: 10.5433/2317-627X

Contato: 55-43-3371-4255
E-mail: rer@uel.br