Diferenciais de rendimentos do trabalho feminino no Sul do Brasil: uma abordagem dual

Rita de Cassia Garcia Margonato, Solange de Cassia Inforzato de Souza, Sidnei Pereira do Nascimento

Resumo


Este estudo analisa a formação e os diferenciais de rendimentos das mulheres nos setores de atividade econômica da Região Sul do Brasil, no período de 2002 e2009, a partir dos microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Para tanto, o procedimento metodológico consiste em estimar as equações de seleção e de rendimento, corrigidas pelo Modelo de Seleção de Heckman (1979), a partir das quais realiza-se a mensuração do diferencial de rendimento das mulheres nos setores de comércio, indústria e serviços domésticos, comparativamente ao rendimento das mulheres no setor de serviços por meio de uma adaptação da Decomposição de Oaxaca-Blinder (1973) feita por Jann (2008). Evidenciou-se a hipótese de que a segmentação setorial ocorre no mercado de trabalho feminino da Região Sul do Brasil, pois os diferenciais de rendimento são explicados não apenas pelos atributos pessoais (produtivos ou não) e pela categoria de emprego, mas também pelas especificidades dos setores (efeito setor)  observados no mercado de trabalho  feminino da Região Sul. Em média, o efeito setor explicou 30% do diferencial salarial observado na indústria, 24% no comércio, e 34% no setor de serviços domésticos, quando comparado ao rendimento obtido no setor de serviços, em vantagem salarial.

 


Palavras-chave


Mercado de trabalho. Rendimento da mulher. Diferença salarial

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, V. F.; RIBEIRO, E. P. Diferenciais de rendimento por gênero no Brasil: uma análise regional. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 33, n. 2, p. 196-217, abr-jun. 2002.

ARBACHE, J. S.; NEGRI, J. A. Diferenciais de salários interindustriais no Brasil: evidências e implicações. IPEA: Brasília. 2002.

BARROS, R. P. ; VARANDAS, S. ; PONTES, J. Diferenciais de salário: ilustrações e aplicações. Revista de Econometria, Rio de janeiro, v.8, n. 2, p.31-53, 1988.

BLINDER, A. S. Wage discrimination: reduced form and structural estimates. The Journal of Human Resources, v. 8, n. 4, p. 436–455. 1973.

CACCIAMALI, M. C.; BATISTA, N. N. F. Diferencial de salários entre homens e mulheres segundo a condição de migração. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, Rio de Janeiro, v. 26, n. 1, p. 97-115, jan./jun. 2009.

CACCIAMALLI, M. C.; TATEI, F.; ROSALINO, J. W. Estreitamento dos diferenciais de salários e aumento do grau de discriminação: limitações da mensuração padrão? Planejamento e Políticas Públicas, Brasília, n. 33, p.195-222, jul./dez. 2009.

CAMPANTE, F. R.; CRESPO, A. R.; LEITE, P. G. P. G. Desigualdade salarial entre raças no mercado de trabalho urbano brasileiro: aspectos regionais. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 58, n. 2, p.185-210, abr./jun. 2004

CARVALHO, A. P.; NERI, M. C.; SILVA, D. B. N. Diferenciais de salários por raça e gênero no Brasil: aplicação dos procedimentos de Oaxaca e Heckman em pesquisas amostrais complexas. Ensaios Econômicos, Rio de Janeiro, n. 638. 2006.

CAVALIERI, C. H.; FERNANDES, R. Diferenciais de salários por gênero e cor: uma comparação entre as regiões metropolitanas brasileiras. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 158-175, jan-mar.1998.

CHAVES, A. L. L. Determinação dos rendimentos na Região Metropolitana de Porto Alegre: uma verificação empírica da Teoria do Capital Humano. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 23, p. 399-420, 2002. Número especial.

COELHO, D.; VESZTEG, R.; SOARES, V. F. Regressão quantílica com correção para a seletividade amostral: estimativa dos retornos educacionais e diferenciais raciais na distribuição de salários das mulheres no Brasil. Brasília: IPEA. 2010.

FERNANDES, R. Mercado de trabalho não-regulamentado: participação relativa e diferenciais de salários. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 26, n. 3, 1996.

HECKMAN, J. Sample selection bias as a specification error. Econometrica, Princeton, v. 47, n.1, mar. 1979.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional de Amostras a Domicílios. Vários Anos. Rio de Janeiro: IBGE.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Estudos & Pesquisas, Rio de Janeiro, 2009.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA. Sobre a recente queda da desigualdade de renda no Brasil. Brasília: IPEA, ago, 2006.

JANN. B. A Stata implementation of the Blinder-Oaxaca decomposition. ETH Zurich Sociology. Working Paper n. 5, May 2008.

KASSOUF, A. L. The wage rate estimation using the Heckman procedure. Revista de Econometria, Rio de Janeiro, v. 14, n.1, p. 89-107. 1994.

KON, A. Qualificação e Trabalho: atributos de gênero e segmentação no Brasil. XIII Encontro Nacional de Estudos Populacionais. 2002. Anais... Ouro preto: ABEP. 2002.

KON, A. Brazilian labor market regional patterns: an approach to gender divergences. Brasília, Planejamento e Políticas Públicas, n. 33. jul./dez. 2009.

LIMA, R. Mercado de trabalho: o capital humano e a teoria da segmentação. Pesquisa e planejamento econômico, Rio de Janeiro, v.10, n.1, abr.1980.

MACHADO, A. F.; OLIVEIRA, A. M. H.; ANTIGO, M. Evolução do diferencial de rendimentos entre o setor formal e informal no Brasil: o papel das características não observadas. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, maio/jun. 2009.

MENEZES FILHO, N. A.; MENDES, M.; ALMEIDA, E. S. O diferencial de salários formal-informal no Brasil: segmentação ou viés de especificação? Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 35, n. 2, p. 235-248, abr./jun. 2004.

MULS, L. M. A teoria do capital humano, as teorias da segmentação e a literatura institucionalista: proposições de políticas públicas e implicações sobre a distribuição de renda. Rio de Janeiro: UFF, 1994.

OAXACA, R. Male-female wage differentials in urban labor markets. International Economic Review, Princeton, v.14, n.3, p. 693-709, oct. 1973.

OLIVEIRA, A. M. H., RIOS-NETO, E. L. G. Tendências da desigualdade salarial para coortes de mulheres brancas e negras no Brasil. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 205-236, abr./jun. 2006

PINHEIRO, A. C., RAMOS, L. A. Interindustry wage differentials and earning inequality. Estudios de Economia, v. 21, n. 1, p. 79-111, 1994.

SCHULTZ, T. W. O Capital Humano: Investimentos em Educação e Pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1973.

SOARES, R. R.; GONZAGA, G. Determinação de salários no Brasil: Dualidade ou não-linearidade no retorno à educação. Revista de Econometria, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p.377- 404, 1999.

SOARES, S.; IZAKI, R. S. A participação feminina no mercado de trabalho. Rio de Janeiro: IPEA, 2002.

SOARES, C.; OLIVEIRA, S. Gênero, estrutura ocupacional e diferenciais de rendimento, XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 2004, Anais... Caxambu: ABEP. 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-627X.2014v2n1p104

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Economia & Região

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

          

Economia e Região
E-ISSN: 2317-627X
DOI: 10.5433/2317-627X

Contato: 55-43-3371-4255
E-mail: rer@uel.br