v. 9, n. 17 (2015)


Capa da revista

A imagem da capa apresenta uma pintura de Miguel Cabrera (1695-1768), criollo nascido em Antequera, na Nova Espanha, e um dos mais influentes artistas de seu tempo. Dentre suas obras mais conhecidas está o retrato da religiosa e poetisa Sor Juana Inés de la Cruz. A obra aqui reproduzida é intitulada De español y mulata, morisca (1763) e pertence a um colecionador particular. Ela deveria compor, com mais 15 pinturas, uma série que funcionava como uma espécie de catálogo das razas e tipos sociais da sociedade colonial nova-hispana. Cada uma delas apresentava – através da representação de casais com seus filhos - uma das chamadas “castas” coloniais, como a do coyote (mestiço com índia) ou do castizo (espanhol com mestiça). Este tipo de trabalho ficou conhecido como “pintura de castas” e foi bastante comum no século XVIII, tanto na Nova Espanha quanto no Peru. As séries de “castas” também podem ser interpretadas como uma reação ao processo desencadeado pelo chamado reformismo bourbônico, que tentava alijar, gradualmente, as elites criollas dos principais postos de comando da administração colonial. Nesse sentido, elas visavam reforçar a identidade criolla, ressaltando a chamada “limpeza de sangue” das elites coloniais e tentando demarcar claramente as diferenças de “castas” e classes sociais. Elas revelavam, por outro lado, toda a ambiguidade do contexto já que, ao mesmo tempo que ordenavam simbolicamente a sociedade, explicitavam o alto grau de diversidade e mestiçagem do mundo colonial. Para o pesquisador, além das hierarquias sociais, a “pintura de castas” permite perscrutar os espaços sociais, as vestimentas, os hábitos e os costumes retratados.

 

José Carlos Vilardaga