Oralidade, ensino e imagens na visão de Túndalo

Adriana Maria de Souza Zierer

Resumo


A Visão de Túndalo é um exemplum, narrativa de caráter moralizante com a função de convencer uma platéia através de uma lição moral. Os exempla eram apresentados por pregadores religiosos com o objetivo de conversão. A narrativa foi produzida no século XII por um monge cisterciense e traduzida para o português no século XV, o que mostra a sua importância no final da Idade Média. O aspecto pedagógico está bastante ressaltado através da oralidade. É através do diálogo entre o anjo e Túndalo que são explicados detalhadamente os tormentos do Além, relacionados às faltas dos pecadores. O ente celeste também explica ao nobre os motivos que levaram os eleitos a ficar nos
três espaços do Paraíso, os Muros de Prata, de Ouro e de Pedras Preciosas, segundo o seu merecimento. Além de conversar com o cavaleiro Túndalo, no intuito de convencê-lo a se tornar um bom cristão, o manuscrito também dialoga com a platéia a quem o texto era dirigido, através de vários índices de oralidade (Zumthor), com verbos como ouvir, falar, contar. Para reforçar o aspecto pedagógico do exemplum são enfatizadas imagens relacionadas aos órgãos dos sentidos (visão, audição, olfato, paladar e tato) no Paraíso e Inferno. A iconografia do final da Idade Média também confirma algumas descrições da Geografia do Além apresentadas na visio.


Palavras-chave


Visão de Túndalo; Educação; Oralidade; Imagens.

Texto completo:

PDF

Referências


BASCHET, Jérôme. A Civilização Feudal. Rio de Janeiro: Globo, 2006.

BÍBLIA de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 1995.

CAROZZI, Claude. Le Voyage de l’Âme dans l’AuDelà d’Après la Littérature Latine (V-XIIIéme Siècle). Paris: École Française de Rome, 1994.

DANTE ALIGHIERI. Divina Comédia. In: Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

DELUMEAU, Jean. O que Sobrou do Paraíso? São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

DELUMEAU, Jean. História do Medo no Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ESTEVES, F. M. (Ed.). Visão de Túndalo. Revista Lusitana, Lisboa, v. 3, p. 97-120, 1895.

JEANROY, A. ; VIGNAUX, A. (Publiés). Vision de Tindal. In: Voyage de Raimon Perellos au Purgatoire de Saint Patrice: visions de Tindal et de Saint Paul. Textes languedocienes du XV siècle. Tolouse: E. Privat, 1903, p. 57-119.

LE GOFF, Jacques. Além. In: Dicionário Temático do Ocidente Medieval. São Paulo: EDUSC/Imprensa Oficial do Estado, 2002, v. I, p. 21-33.

LE GOFF, Jacques. O Imaginário Medieval. Lisboa: Editorial Estampa, 1994.

SCHMITT, Jean-Claude. O Corpo das Imagens. São Paulo: EDUSC, 2007.

VILLAVERDE, P. (Ed.). Visão de Túndalo. Revista Lusitana, v. 4, n. s., p. 38-52, 1982-1983.

ZIERER, Adriana. Paraíso versus Inferno: A Visão de Túndalo e a Viagem Medieval em Busca da Salvação da Alma (Século XII). In: FIDORA, Alexander e PASTOR, Jordi Pardo (Coord). Expresar lo Divino: Lenguage, Arte y Mística. Mirabilia. Revista de História Antiga e Medieval. São Paulo: Instituto Brasileiro de Filosofia e Ciência Raimundo Lúlio/J.W. Goethe-Universität Frankfurt/Universitat Autònoma de Barcelona, v. 2, p. 137-162, 2003.

ZIERER, Adriana. Aspectos Educacionais da Salvação Cristã na Visão de Túndalo. In: OLIVEIRA, Terezinha e VISALLI, Angelita M. (Org.). Pesquisas em Antigüidade e Idade Média: olhares interdisciplinares. São Luís: Ed. UEMA, 2007, p. 293-308.

ZUMTHOR, Paul. A Letra e a Voz. A Literatura Medieval. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2237-9126.2010v4n6p7

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Domínios da Imagem
Telefone: 55 (43)3328-4589 
E-mail: dominiosdaimagem2@gmail.com
E-ISSN: 2237-9126