Jean Rouch: signo, verdade e pensamento

Ana Paula Oliveira

Resumo


O objetivo deste artigo é refletir a respeito do cinema-verdade proposto por Jean Rouch a partir da problemática deleuzeana da potência do falso. Pretende-se, dessa maneira, evidenciar a singularidade das imagens e dos signos que compõem a obra rouchiana, pois as imagens cinematográficas criadas pelo antropólogo-cineasta permitem que o pensamento seja levado ao máximo de intensidade, e o processo de criação artística torne dizível o indizível, audível o inaudível e visível o invisível.


Palavras-chave


Documentário. Jean Rouch – Cineasta. Potência do Falso. Cinema-Verdade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-7939.2014v10n17p163



Discursos Fotogr.

Londrina - PR

DOI: 10.5433/1984-7939

EISSN: 1984-7939

Email: revistadiscursos@uel.br




 
Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.