Vestir-para-ser e o consumo dos símbolos da imagem de marca pela comunicação visual na moda

Giovanna Chaves Parisotto

Resumo


O objetivo deste trabalho é refletir sobre como as preferências
estéticas podem ser consideradas os principais meios de afirmação da personalidade quando associados ao fato de que a moda atua como elemento visual e simbólico e como produtora do desejo de “vestir-para-ser”. A analogia toma emprestados os termos da expressão ter-para-ser, comumente
vinculada a valores de interação e vida social. No caso aqui tratado, está embutida a capacidade de pagar um diferencial de preço cobrado pelas marcas de prestígio, e a visualidade é responsável pela criação desse valor agregado, que é de natureza afetiva e emocional e originado pela publicidade.
A publicidade é também objeto do estudo, pelas características e objetivo de sua linguagem, presente nas campanhas de uma marca com o intuito de fazer com que o consumidor deseje um produto e se satisfaça a partir de um conjunto de elementos visuais que caracterizam essa marca, vinculando-os a uma representação simbólica (logomarca) – com isso também despertando o desejo de consumo não somente para o produto, mas por seu poder de significação. A semiologia é adotada como fundamentação teóricometodológica por sua capacidade de fazer compreender o consumo do simbólico que vive a sociedade contemporânea: São analisadas cinco
campanhas publicitárias da marca Chanel e, a partir da leitura propiciada pelas imagens, toma-se contato com os significados nelas inseridos pela marca para atuar como o diferencial para seus clientes.

Palavras-chave


Teses e Dissertações. Design de Moda. Consumo. Chanel. Logomarca.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-7939.2012v8n13p273



Discursos Fotogr.

Londrina - PR

DOI: 10.5433/1984-7939

EISSN: 1984-7939

Email: revistadiscursos@uel.br




 
Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.