Risco sistêmico e a histeria gerada no mercado financeiro global

Thalles Alexandre Takada, Tânia Lobo Muniz

Resumo


Os arranjos negociais ordenados por uma ordem econômica voltada a abastecer o mercado financeiro criam uma fragilidade inerente ao próprio sistema. Essa fragilidade é reflexo da tomada de decisão dos indivíduos mediante às vicissitudes socioeconômicas surgidas nesse mercado. Simples notícias divulgadas podem desencadear uma crise sistêmica. Essa é a proposição que o presente artigo investiga, ou seja, quais fatores econômico-jurídicos que podem causar e controlar os efeitos drásticos na economia, sendo a chamada corrida aos bancos o mais visível desses fenômenos. Utilizando-se de teorias econômicas aliadas à doutrina jurídica, demonstra-se de maneira interdisciplinar que a sociedade não é uma matriz quadrada de fatores lineares, mas um complexo sistema de intercâmbios negociais regidos pela (ir)racionalidade humana.


Palavras-chave


Risco Sistêmico, Histeria Financeira, Crise de 1929, Mercado Financeiro, Direito e Economia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1980-511X.2015v10n3p75

Direitos autorais 2015 Revista do Direito Público



Rev. Dir. Publico

Londrina - PR

ISSN: 1980-511X

Email: rdpubuel@uel.br



 

 


Indexado: