A chama da estrela que pulsa e arde: educação sensível na prosa poética de Abguar Bastos

Evellin Natasha Figueiredo da Conceição, Josebel Akel Fares

Resumo


O presente artigo estuda a construção do romance “Somanlu, o Viajante da Estrela”, do escritor Abguar Bastos, publicada em 1953, ancorada na voz poética, na educação sensível. A obra explica a gênese dos seres tecidas a partir de mitopoéticas, de matriz oral, fio condutor da narrativa que, aliado à memória, é matéria propulsora das relações estabelecidas entre Somanlu e os demais habitantes da floresta, capaz de abarcar uma rede de sociabilidade com vivências e ensinamentos essencialmente educativos, marcados por um existir tocado pelo bem viver e conviver com o outro. A partir dessas premissas, nosso principal intento nesse espaço é problematizar o modo como a educação é vivenciada na narrativa, a partir do estudo das mitopoéticas e os saberes que as compõem, ao revelar outra perspectiva de aprendizagem, expressa consideravelmente no plano do sensível e na totalidade do ser. O texto em estudo faz parte da vasta produção da chamada Literatura Brasileira de Expressão Amazônica, que ultrapassa os limites do local, apresentando temáticas universais, suscitando questionamentos acerca de dramas e problemáticas sempre presentes no existir humano.


Palavras-chave


Amazônia; Memória; Mitopoética; Oralidade; Educação Sensível

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BACHELARD, Gaston. Fragmentos de Uma Poética do Fogo. São Paulo: Brasiliense, 1990.

BASTOS, Abguar. Somanlu, o Viajante da Estrela. Rio de Janeiro: Conquista, 1953.

BERGSON, Henri. Matéria e memória. Trad. Paulo Neves da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a Experiência e o Saber da Experiência. In: Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, nº 19, Jan/Fev//Mar/Abr, 2002.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é Educação. São Paulo: Editora Brasiliense, 1981.

CASTORIADIS, Cornelius. Figuras do Pensável: As Encruzilhadas do Labirinto. Volume VI. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

ELIADE, Mircea. Mito e Realidade. 6ª edição. São Paulo: Perspectivas, 2016.

FERREIRA, Jerusa Pires. Armadilhas da Memória e Outros Ensaios. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

FLEURI, Reinaldo. Aprender com os Povos Indígenas. Revista de Educação Pública. Mato Grosso, v. 26. n. 62/1. p. 277-294, 2017.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Trad. de Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006.

LE GOFF. Jaques. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão et al.5.ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1992.

LOPES, Ionete Morais. Literatura e Identidade Cultural da/na Amazônia Brasileira: Uma Leitura do Romance Safra, de Abguar Bastos. In: ENCONTRO BRASILEIRO DE LITERATURA COMPARADA, 15., 2015, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Abralic, 2015. p. 4850-4861.

LOUREIRO, João de Jesus Paes. Cultura amazônica: uma poética do imaginário. In: LOUREIRO, João de Jesus Paes. Obras Reunidas, v. 4. São Paulo: Escrituras p. 17-107, 2000.

MAFFESOLI, Michel. Elogio da Razão Sensível. 4ª ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

MUNDURUKU, Daniel. Antologia de Contos Indígenas de Ensinamento: Tempo de Histórias. São Paulo: Moderna, 2005

PAIVA, Marco Aurélio Coelho de. Um Outro Herói Modernista. Tempo Social, São Paulo, v. 20. n. 2, p. 175-196, 2008.

PESSANHA, José Américo Motta. Bachelard: As Asas da Imaginação. In: BACHELARD, Gaston. O Direito de Sonhar. São Paulo: Difel, 1985. Introdução. p. 5-30.

PITTA, Danielle Perin Rocha. Iniciação à Teoria do Imaginário de Gilbert Durand. Rio de Janeiro: Atlântica Editora, 2005.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Introdução a uma Ciência Pós-Moderna. 6ª ed. Porto: Edições Afrontamentos, 2002.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Gramática do Tempo: para uma nova cultura política. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2010.

VERNANT, Jean Pierre. Mito e Pensamento entre os gregos: estudos de psicologia histórica. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1973.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à Poesia Oral. Editora Belo Horizonte: UFMG, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428