Literatura e alteridade: a sequência didática como ferramenta para uma educação sensível

Arlen Maia de Melo, Sylvia Maria Trusen

Resumo


Este estudo objetiva refletir sobre o processo de leitura literária a partir de conto maravilhoso de proveniência indígena, visando à formação de leitores sensíveis a formas discursivas que promovam a alteridade no âmbito educacional. Dessa forma, pretende-se trabalhar com a narrativa indígena Iapinari, recolhida por Antonio Brandão de Amorim e publicada postumamente em (1928) no livro Lendas em Nheengatu e em português, sugerindo, como ferramenta, sequência didática calcada no texto selecionado. A metodologia utilizada neste trabalho consiste em pesquisa bibliográfica de abordagem qualitativa a partir da seleção da narrativa, articulação dos conceitos sobre produção escrita, letramento e leitura literária. Outrossim, este estudo pretende romper com a invisibilidade que afeta os textos produzidos pelos povos indígenas, ainda considerados pela crítica literária como não literatura. Dessa forma, espera-se que esta atividade elaborada possibilite a reflexão dos educandos em relação a sua experiência com os textos de natureza indígena, para que se possa atingir uma educação mais voltada à apreciação do sensível, favorecendo, assim, o processo de ensino-aprendizagem dos educandos em sala de aula.


Palavras-chave


Literatura; Alteridade; Narrativas indígenas; Sequência didática; Educação sensível

Texto completo:

PDF HTML

Referências


AMORIM, Antonio Brandão de. Lendas em nheengatu e em português. Manaus, Fundo Editorial-ACA, 1987.

BARROS, Manoel de. As lições de R.Q. In: Livro sobre nada. Rio de Janeiro/São Paulo, Editora Record: 2004.

BRAVO, Victor. Los poderes de la ficción. Caracas: Monte Ávila, 1985.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: Vários Escritos. 4 ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul/ São Paulo: Duas Cidades, 2004.

GERALDI, J.W. Portos de Passagem. 4a ed. São Paulo, Martins Fontes, 1997.

ISER, Wolfgang. O fictício e o imaginário: Perspectivas de uma antropologia literária. Trad de Johannes Kretschmer. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1996.

LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. Série Educação em Ação. São Paulo: Ática, 1993.

LARROSA, Jorge. La experiencia de la lectura Estudios sobre literatura y formación. México: FCE, 2003.

PETIT, Michèle. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. 2ª ed. Tradução Celina Olga de Souza. São Paulo: Editora 34, 2009.

PIMENTEL, Álamo. Sensibilidade e criação. In: FEITOSA, Débora [et al.]. O sensível e sensibilidade na pesquisa em educação. Cruz das Almas/BA: UFRB, 2016. P. 07-17

SÁ, Lúcia. Literatura da floresta: textos amazônicos e cultura latino-americana. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012.

TRUSEN, Sylvia Maria. Maravilhoso e alteridade no Cobra Norato, de Raul Bopp e na recolha de Antonio Brandão de Amorim, Lendas em nheengatu e em português In: GARCÍA, Flavio; GAMA-KHALIL, Marisa Martins; ROSSI, Aparecido (Orgs.). Vertentes do Insólito Ficcional – Ensaios II. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428