As tramas do mito da b(ô)ta nos (des)caminhos do romance Marajó, de Dalcídio Jurandir

Haelton Antônio Serrão de Carvalho, Josebel Akel Fares, Robervânia de Lima Sá Silva, Zaline do Carmo dos Santos Wanzeler

Resumo


O presente estudo tem como foco a B(ô)ta no romance Marajó de Dalcídio Jurandir, enquanto representação da figura feminina do imaginário amazônida. Nesse caminho, propõe-se a analisar esta figura mítica dotada de poderes zoomórficos no contexto das narrativas orais coletadas por Wanzeler (2014) na comunidade de Tentém, área rural do município de Cametá, região Nordeste do Estado do Pará, Brasil. E estabelecer um contraponto ao narrado por Dalcídio Jurandir no romance Marajó. O procedimento metodológico segue o da História Oral, com pressupostos da abordagem fenomenológica, a partir das memórias individuais colhidas por meio da entrevista oral semiestruturada e método de análise de conteúdo. No plano teórico, o estudo mobiliza uma bibliografia que incorpora as contribuições de Cascudo (1972 e 2002), Loureiro (2000) e Wanzeler (2014) para contextualizar a narrativa da b(ô)ta em seus diferentes significados e auxiliar na compreensão do que representa a personagem Orminda, em Jurandir (2008). Em sua concepção empírica, nas narrativas orais coletadas, a b(ô)ta transfigura-se em mulher e, como na forma animal, carrega a expressão do desejo, da volúpia, do gozo inexplicável que só pode ser arrancado a força. Orminda, em Marajó, é uma personagem bastante peculiar para representar a b(ô)ta como será analisado neste artigo.

Palavras-chave


B(ô)ta; Romance Marajó; Narrativa oral; Amazônia.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BARTHES, Roland. Introdução à Análise Estrutural da Narrativa. In: BARTHES, Roland et al. Análise estrutural da narrativa. Petrópolis: Vozes, 1971, p. 19-20.

BOPP, R. Cobra Norato. 28. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

CASCUDO, Luis da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. Rio de janeiro: Tecnoprint S. A. , 1972.

CASCUDO, Luis da Câmara. Geografia dos Mitos Brasileiros. 2. ed. São Paulo: Global, 2002.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

FURTADO, Marlí Tereza. Universo derruído e corrosão do herói em Dalcídio Jurandir. Campinas: Mercado de Letras, 2010.

JURANDIR, D. Marajó. 4. ed. Belém: EDUFPA; Rio de Janeiro: Casa de Rui Barbosa, 2008.

MONTEIRO, W. Visagens, assombrações e encantamentos da Amazônia. Belém: Ed. do autor, 2005.

MOREIRA, A. S. A crítica literária aos romances Chove nos Campos de Cachoeira, Marajó e Três Casas e Um Rio na imprensa do Rio de Janeiro. 2015. 194f. Dissertação (Mestrado em Letras-Estudos Literários) – Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, 2015.

HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. Trad. Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 2012.

LARÊDO, Salomão. Chapéu Virado: a lenda do boto. 2. ed. Belém: Salomão Larêdo editora, 2001.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Trad. Bernardo Leitão [et al.]. 5. ed. Campinas: Unicamp, 2003.

LOUREIRO, João de Jesus Paes. Obras reunidas: cultura amazônica – uma poética do imaginário. São Paulo: Escrituras, 2000. v. 4.

PADINHA, Maria do Socorro Ribeiro. Narrativas orais na Comunidade Remanescente de Quilombo Menino Jesus: processos de educação e memória. 2009. 137f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado do Pará, Belém, Pará, 2009.

SANTOS, A. O. A. A personagem feminina em Linha do Parque, de Dalcídio Jurandir. 2013. 114f. Dissertação (Mestrado em Letras-Estudos Literários) – Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, 2013.

SIQUEIRA, A. J. O chapéu do boto e o bicho folharal. Belém: Paka-Tatu, 2012.

SOUSA, I. Contos amazônicos: o baile do judeu. Rio de Janeiro: Laemmert, 1892. Disponível em: www.dominiopublico.gov.br. Acesso em: 10 jul. 2013.

VERNANT, Jean Pierre. Mito e pensamento entre os gregos: estudos de psicologia histórica. Trad. Haiganuch Sarian. São Paulo: Difusão Européia do Livro/Universidade de São Paulo, 1973.

VERÍSSIMO, J. Cenas da vida Amazônica. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

WANZELER, Z.C.S. Boto em gente, gente em boto saberes, memória e educação na Amazônia. 2014. 158 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado do Pará, Belém, Pará, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428