Nos (des)caminhos da literatura indígena no Rio Grande do Sul: narrativas e narradores guaranis contemporâneos

Daniela Gebelucha, Walmir Pereira

Resumo


Esse artigo aborda, introdutoriamente, a literatura indígena Guarani no Rio Grande do Sul, enfocando suas narrativas e seus narradores. Nosso objetivo consiste em refletir sobre processos de oralidade e escritura das narrativas nas coletividades em tela. O estudo encontra abrangência em análises de natureza literária e interdisciplinar (Cf. MELIÀ, 1984; CLASTRES; 1990; PEREIRA, 2012; GRAÚNA, 2013). Nossos resultados parciais indicam a permanência das práticas narrativas orais entre os Guarani contemporâneos, textualidade que expressa etnosaberes e cosmovisão milenares dessas coletividades originárias. Na investigação em curso, consideramos que a literatura indígena demanda ser compreendida como continuidade espaço temporal ameríndia e de valorização da tradição ancestral, das histórias de contato e dos mitos do povo Guarani.

Palavras-chave


Oralidade. Literatura indígena. Guarani.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, T. Sulear (verbete). In: STRECK, D.; REDIN, E.; ZITKOSKI, J. J. (Org.). Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 396-398.

CLASTRES, Pierre. A fala sagrada: Mitos e cantos sagrados dos índios guarani. Campinas: Papirus, 1990.

COLETIVIDADE. In: FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Mini Aurélio: o dicionário da língua portuguesa. 8. ed. Curitiba: Positivo, 2011. p.175.

CONSELHO DE MISSÃO ENTRE OS POVOS INDÍGENAS. Publicações. São Leopoldo: 2009. Disponível em: < http://comin.org.br/publicacoes/interna/id/26 >. Acesso em: 05 mar. 2017.

FERNANDES, Frederico. Entre histórias e tererés: o ouvir da literatura pantaneira. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO. O Brasil indígena. Brasília, [S.n]. Disponível em:< http://www.funai.gov.br/index.php/indios-no-brasil/o-brasil-indigena-ibge>. Acesso em: 05 mar. 2017.

GRAÚNA, Graça. Literatura Indígena no Brasil contemporâneo e outras questões em aberto. Revista Educação e Linguagem, [S.l], v. 15, n. 25, p. 266-276, 2012.

GRAÚNA, Graça. Contrapontos da literatura indígena contemporânea no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2013.

MARKUS, Cledes (Org.) Semana dos povos indígenas 2009: modo de ser guarani. São Leopoldo: Oikos, 2009. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2017.

MELIÀ, Bartolomeu. A história de um guarani é a história de suas palavras [2010]. Entrevistador: Patricia Fachin. Revista IHU On-Line Revista Instituto Humanitas Unisinos, São Leopoldo, Ano 10, N. 331, 31 maio. 2010. Disponível em: Acesso em: 05 mar. 2017.

MELIÀ, Bartolomeu. O índio no Rio Grande do Sul: Quem foi, quem é, o que espera. [s.n.], 1984.

PEREIRA, Walmir. O guarani mbya caminha entre patrimônio cultural e nova história indígena no limiar do século XXI. IN: PEREIRA, Walmir; TAMAGNO, Liliana (Orgs.). Patrimônio cultural e povos indígenas: Experiências contemporâneas latino-americanas. São Leopoldo: Unisinos, 2012.p. 120-126.

RODRIGUÊS, Aryon Dall’Igna. Línguas brasileiras. São Paulo: Loyola, 1986.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428