Experimentalismo, performance, ressignificação e resistência: comentários e breve análise de "errata (em forma de soneto)", de Fernando Aguiar

Priscila Vasques Castro Dantas

Resumo


Neste artigo, trato sobre Experimentalismo, ressignificação, performance e resistência. Apresento, inicialmente, uma pequena contextualização do Experimentalismo em Portugal, comentando tanto sobre o grupo Poesia 61 quanto sobre o grupo Po-Ex, iniciadores do Experimentalismo naquele país. Em seguida, falo brevemente da associação da poesia aos meios digitais e também sobre a poesia performática e a Polipoesia. Trato ainda das questões da ressignificação e da resistência e, por fim, no intuito de demonstrar, ainda que de modo breve, de que maneira dialogam todas essas questões em um poema-performance, faço uma rápida análise de “Errata (em forma de soneto)”, performance realizada em 09 de maio de 2009 pelo experimentalista português Fernando Aguiar. Para as discussões aqui suscitadas, conto com a ajuda de textos de E. M. de Melo e Castro, Ana Hatherly, Rui Torres, Fernando J.B. Martinho, António Carlos Cortez, Denise Guimarães, Paul Zumthor, Enzo Minarelli, Michel Foucault, Ernesto Sousa e do próprio Fernando Aguiar.


Palavras-chave


Experimentalismo. Ressignificação. Resistência. Poesia portuguesa. Fernando Aguiar.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Fernando. Poesia: ou a interação dos sentidos – texto publicado em 25 de janeiro de 2010. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2017.

______. A essência dos sentidos. Lisboa: Associação Poesia Viva, 2001.

______. Estratégias do gosto. São Paulo: Escrituras, 2011 (Coleção Ponte Velha).

______. Vídeo do ciclo de performances “ArtesérieS – realizado em Faro, Portugal, no dia 09 de maio de 2009. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

CORTEZ, António Carlos. Poesia 61 hoje: uma necessária hetorodoxia. Revista Colóquio – Letras. Revista Quadrimestral da Fundação Calouste Gulbenikian. Lisboa, n. 177, maio/agosto de 2011.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2000. (Coleção Tópicos).

GUIMARÃES, Denise Azevedo Duarte. Comunicação tecnoestética nas mídias audiovisuais. Porto Alegre: Sulina, 2007.

HATHERLY, Ana. A casa das musas. Lisboa: Editorial Estampa, 1995 (Coleção Teoria da Arte).

MARTINHO, Fernando J. B. Texto e contexto de Poesia 61 num quadro tardo-modernista. Revista Colóquio – Letras. Revista Quadrimestral da Fundação Calouste Gulbenikian. Lisboa, n. 177, maio/agosto de 2011.

MELO e CASTRO, E. M. de. Poética do ciborgue – antologia de textos sobre tecnopoiesis. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014.

MELO e CASTRO, E. M. de; HATHERLY, Ana. Po-Ex: textos teóricos e documentos da Poesia Experimental Portuguesa. Lisboa: Moraes Editores, 1981 (Coleção Margens do Texto).

MINARELLI, Enzo. Polipoesia – entre as poéticas da voz no século XX. Tradução, comentários e posfácio de Frederico Fernandes. Londrina: Eduel, 2010.

______. As razões da voz. Organização de Frederico Fernandes. Londrina: Eduel, 2014.

SOUSA, Ernesto de. Oralidade, futuro da arte? – e outros textos, 1953-87. São Paulo: Escrituras, 2011 (Coleção Ponte Velha).

TORRES, Rui. Breve apresentação da Poesia Experimental Portuguesa – texto publicado em 17 de maio de 2006 no catálogo eletrônico da Po-Ex. Disponível em: . Acesso em 17 jul. 2017.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. 2. ed. Tradução de Jerusa Pires e Suely Fenerich. São Paulo: Cosac Naify, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428