Reescritura, oratura e simbolismo em Ondjaki

Demétrio Alves Paz, Sabrina Ferraz Fraccari

Resumo


O objetivo deste trabalho é analisar de que forma a oralidade ou oratura, a tradição popular, o simbolismo e sua respectiva reescritura para um novo público estão presentes na obra de Ondjaki, contribuindo para a divulgação da cultura, história e literaturas africanas no Brasil para um público leitor em formação. Ondjaki, pseudônimo literário de Ndalu de Almeida, é o autor dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) que possui mais obras destinadas ao público infanto-juvenil publicadas no país. Seus escritos retomam contos tradicionais de Angola, seu país de origem, preservando características da tradição oral que passam, dessa forma, para as novas gerações. As obras aqui analisadas são: Ynari, a menina das cinco tranças (2004), O leão e o coelho saltitão (2008), O voo do golfinho (2009) e Ombela, a origem das chuvas (2014). A formação de um público leitor infanto-juvenil foi muito incentivada, em Angola, pela União dos Escritores Angolanos (UEA) e o Instituto Nacional do Livro e do Disco (INALDI), por meio da publicação de obras destinadas aos jovens. Valorizando a tradição oral, Ondjaki enaltece aqueles que contaram histórias antes dele, bem como contribui para que estas sobrevivam e cheguem a um número cada vez maior de leitores.


Palavras-chave


Ondjaki. Oralidade. Reescritura. Literatura Angolana. Literatura infanto-juvenil.

Texto completo:

PDF

Referências


CASCUDO, Luís da Câmara. Contos tradicionais do Brasil (Folclore). Rio de Janeiro: Ediouro, 1989.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain (Org.). Dicionário de símbolos. Rio de Janeiro: José Olympio, 2000.

CIRLOT, Juan Eduardo. Dicionário de símbolos. São Paulo: Moraes, 1984. HAMILTON, Russell. Introdução. IN: SEPÚLVEDA, Maria do Carmo; SALGADO, Maria Teresa. África e Brasil: Letras em laços. São Caetano do Sul: Yendis editora, 2006.

HAMPATÉ-BÂ, Amadou. A tradição viva. IN: KI-ZERBO, Joseph (ed.). História geral da África 1: metodologia e pré-história da África. 2. ed. Ver. Brasília: UNESCO, 2010.

LEITE, Ana Mafalda et al. (Org.). Nação e narrativa pós-colonial II – Angola e Moçambique: Entrevistas. Lisboa: Colibri, 2012.

MACÊDO, Tania; CHAVES, Rita. Literaturas de Língua Portuguesa: marcos e marcas – Angola. São Paulo: Arte & Ciência, 2007.

ONDJAKI. O leão e o coelho saltitão. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2009 (Coleção mama África).

______. O voo do golfinho. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2012.

______. Ombela, a origem das chuvas. Rio de Janeiro: Palas Míni, 2015.

______. Ynari, a menina das cinco tranças. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2010.

PORTUGAL, Francisco Salinas. Entre Próspero e Caliban: literaturas africanas de língua portuguesa. Laiovento: Santiago de Compostela, 1999.

ROSÁRIO, Lourenço Joaquim da Costa. A narrativa africana de expressão oral: transcrita em português. Lisboa: ICALP, 1989.

RUIVO, Mariana. Pelos olhos do menino, a camaradagem e os sinais das mudanças na Angola do pós-independência. IN: CHAVES, Rita; MACÊDO, Tania; VECCHIA, Rejane. (Org). A Kinda e a missanga: encontros brasileiros com a literatura angolana. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2007.

SECCO, Carmen Lucia Tindó (Org). Entre fábulas e alegorias: ensaios sobre literatura infantil de Angola e Moçambique. Rio de Janeiro: Quartet, 2007.

VANSINA, J. A tradição oral e sua metodologia. IN: Ki-Zerbo, Joseph (Ed). História geral da África 1: Metodologia e pré-história da África. 2ed. Ver. Brasília: UNESCO, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428