O encantodo malino: a face obscura do boto em narrativas ribeirinhas marajoaras

Cristiane do Socorro Gonçalves Farias

Resumo


Este artigo traz para a discussão, no que diz respeito às narrativas de tradição oral, uma vertente outra em relação às narrativas do Boto. Nas histórias mais conhecidas e difundidas sempre o revelam um ser encantado, sedutor e amante das mulheres em noite de festas. Entretanto, nas narrativas coletadas na cidade de Curralinho, localizada às margens do grande Rio Pará, na Ilha do Marajó, encontramos histórias que apontam outras faces. Com o objetivo de comparar, trazemos duas narrativas do livro Belém conta... “Troço impressionante” e “Boto bonito”, que mostram exatamente aquelas características marcantes do Boto. Para o contraste, colocamos três narrativas, gravadas com três narradores ribeirinhos, a partir de relatos de vida, onde foi perceptível uma face obscura desse encantado dos rios, que provoca a loucura e morte de quem se aproxima dele. Para tanto, buscamos amparo nas leituras de Loureiro (1995), que discute sobre o imaginário amazônico, em especial aqui sobre o Boto, e Benjamin (1993) que mostra a relevância dos narradores de tradição oral em qualquer comunidade.


Palavras-chave


Narrativa de tradição oral. Ribeirinhos marajoaras. Boto.

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. Trad Antonio e Pádua Danesi. 2. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

BARTHES, Roland. [et al.] Análise estrutural da narrativa. Tradução de Maria Zélia Barbosa. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

BENJAMIN, Walter. O narrador. Considerações sobre a obra de Nicolai Lescov. In Obras escolhidas. 6. ed., v. I. São Paulo: Brasiliense,1993.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: Lembranças dos velhos. 3.ed. São Paulo: Companhia das Letras,1994.

BRANDÃO, Carlos de Rodrigues. Reflexões de como fazer trabalho de campo. Revista Sociedade e Cultura, V. 10, N. 1, jan./jun. p. 11-27.

FERNANDES, Frederico Augusto Garcia. A voz e o sentido: poesia oral em sincronia. São Paulo: Editora UNESP, 2007

GOLDER, Christophe; SIMÕES, M. P. S. G. (Orgs) Belém conta... Belém: Cejup; Universidade Federal do Pará, 1995. ( Série Pará Conta).

JURANDIR. Dalcídio. Marajó. 4. ed. Belém: EDUFPA; Rio de Janeiro – Casa Rui Barbosa, 2008. (Coleção Ciclo do Extremo Norte).

LOUREIRO, João de Jesus Paes. Cultura Amazônica: uma poética do imaginário. 4. ed. Belém, PA: Cultural Brasil, 2015.

MAFFESOLI, Michel. O imaginário é uma realidade. Revista FAMECOS. Porto Alegre. n. 15. Agosto de 2001.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa, intervenção e subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2012. SIMÕES, M. P. S. G.. Metamorfose: a relevância do tema em narrativas orais da Amazonia paraense. Organon (UFRGS), v. n. 42, p. 233-243, 2007.

WAGLEY, Charles. Uma comunidade amazônica: um estudo do homem nos trópicos. Tradução de Clotilde da Silva Costa. 3. ed. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo,1988.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. Tradução de Jerusa Pires Ferreira, Maria Lúcia Diniz Pochat, Maria Inês de Almeida. Belo Horizonte: UGMG, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428