A dona do mato e outras histórias quilombosertanejas

Carlene Vieira Dourado, Mauren Pavão Przybylski

Resumo


A comunidade de Volta Grande, pertencente ao município de Barro Alto (sertão baiano) é um espaço rico em narrativas orais que denotam os modos de vida e legitimam a identidade de uma comunidade, originalmente quilombola. Assim, e considerando as manifestações culturais e os costumes relacionados às práticas religiosas e artísticas e aos modos de vida expressos e transmitidos pela oralidade, este artigo pretende – a partir de uma breve seleção de histórias narradas por um morador – Seu Dequinha – analisar as crenças, costumes, hábitos e as relações que permeiam tais histórias. Além de dialogar com autores como Costa (2015) e Alcoforado (2005, 2008) entre outros, na tentativa de dar conta de aspectos importantes das poéticas orais, pretende-se ampliar a pesquisa, pensando na comunidade com base em uma sociologia das ausências (SANTOS, 2002) e do que se compreende como uma perspectiva decolonial (MIGNOLO, 2008). Intentamos, portanto, apresentar causos, mitos e lendas que compõem o imaginário quilombola e constituem o patrimônio imaterial da comunidade, na medida em que são elementos legitimadores do que entendemos como uma identidade quilombosertaneja, originária de um sertão que é negro rural.


Palavras-chave


Poéticas Orais. Pensamento decolonial. Identidade Quilombosertaneja.

Texto completo:

PDF

Referências


ALCOFORADO, Doralice. O conto mítico de Apuleio no imaginário baiano. Revista Elo Estudos de Literatura Oral. Faro: Universidade do Algarve, 2005.

____________. O olhar vigilante da floresta. Boitatá – Revista do GT de Literatura Oral e Popular da ANPOLL, Londrina, Número especial – ago-dez de 2008. Disponível em:. Acesso em: 17 de mar. 2016.

CASCUDO, Luís da Câmara. Literatura oral no Brasil. 1. ed. digital. Editora Global: São Paulo. 2012.

___________. Geografia dos mitos brasileiros. Editora Global: São Paulo. 2012.

___________. Dicionário do folclore brasileiro. Editora Global: Rio de Janeiro, 1954.

___________. Vaqueiros e cantadores. São Paulo: Global, 2005.

___________. Supertição no Brasil. 5. ed. São Paulo: Global, 2002. COSTA, Edil Silva. Ensaios de malandragem e preguiça. 1. ed. Curitiba: Appris, 2015. DION, Sylvie. A lenda urbana: um gênero narrativo de grande mobilidade cultural. Boitatá, n.6, ago-dez 2008.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, 2008.

MUNANGA, Kabengele. Origem e histórico do quilombo em África. In: MOURA, Clóvis. Os quilombos na dinâmica social do Brasil. Maceió: EDUFAL, 2001

PRZYBYLSKI, Mauren Pavão. A representação feminina nos lendários gaúcho e quebequense: os casos de Teiniaguá e Corriveau. Florianópolis, 2008. 289 f. Dissertação (Mestrado) –, Centro de Comunicação e Expressão. Programa de Pós-graduação em Literatura. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 63, 2002.

SILVA, Simone Rezende; NASCIMENTO, Lisangela Kati do. Negros e territórios quilombolas no Brasil. CEDEM, v. 3, n.1, 2012.

________. Introdução à poesia oral. Tradução de Jerusa Pires Ferreira, Maria Lúcia Diniz Pochat e Maria Inês Almeida. São Paulo: Hucitec/Educ, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428