Editar livros com os índios: caminhos do pensamento vivo

Maria Inês de Almeida

Resumo


Os livros produzidos e editados com os professores indígenas na Universidade Federal de Minas Gerais, com o objetivo de fortalecer o ensino das línguas originárias no Brasil, bem como a educação intercultural, têm especificidades que levam a pensar sobre a natureza tradutória do processo editorial. A materialidade da literatura indígena contemporânea, o objeto livro, tem ressignificado, para os pesquisadores do núcleo transdisciplinar de pesquisas Literaterras: escrita, leitura, traduções, o termo projeto gráfico. Para refletir sobre os processos editoriais dos livros indígenas, este ensaio relata brevemente três experiências significativas para o referido núcleo.


Palavras-chave


Literatura indígena; Edição de textos orais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Maria Inês. Ensaios sobre a literatura indígena contemporânea no Brasil. São Paulo: Programa de Comunicação e Semiótica – PUC, 1999. Tese de doutorado inédita.

BARRENTO, João. A chave de ler: Caminhos do Texto de Maria Gabriela Llansol. Jade – Cadernos Llansolianos 4. Sintra: Edições do GELL –Grupo de Estudos Llansolianos, 2005.

CECIM, Vicente Franz. Ó Serdespanto (Viagem a Andara – O Livro invisível). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

DELEUZE, Gilles. Critique et clinique. Paris: Minuit, 1993.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e esquizofrenia. v. 1. São Paulo: Editora 34, 1995.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é filosofia? Tradução de Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Munoz. São Paulo: Editora 34, 2007. LE

CLÉSIO, J.-M. G. Haï. Paris: Éditions Flammarion, 1987. Apud DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é filosofia? Tradução de Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Munoz. São Paulo: Editora 34, 2007.

KAXINAWÁ, Agostinho Manduca Mateus (org.). Una Hiwea/ O Livro Vivo. Belo Horizonte, Faculdade de Letras/Literaterras/MEC/IPHAN, 2012.

LACAN, Jacques. Outros escritos. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

LÉVI-STRAUSS, Claude. La pensée sauvage. Paris: Plon, 1962.

LLANSOL, Maria Gabriela. Amar um cão. Colares: Colares Editora, 1990.

LLANSOL, Maria Gabriela. Finita. 2. ed. Lisboa: Assírio & Alvim, 2005.

LLANSOL, Maria Gabriela. Na Casa de Julho e Agosto. Porto: Afrontamento, 1984.

LLANSOL, Maria Gabriela. O começo de um livro é precioso. Lisboa: Assírio & Alvim, 2003.

LLANSOL, Maria Gabriela. O Livro das Comunidades. Porto: Afrontamento, 1977.

LLANSOL, Maria Gabriela. Onde vais, Drama-Poesia? Lisboa: Relógio D`Água, 2000.

MACHADO, Ana Maria Neto. Presença e implicações da noção de escrita na obra de Jacques Lacan. Ijuí: Editora UNIJUI, 2000.

MALLARMÉ, Stephane. Un coup de dés jamais n`abolira le hasard. Edição facsimilar. São Paulo: Perspectiva, 2006. (Signos)

MAXAKALI, Rafael et al. Hitupmã'ax-Curar. Belo Horizonte: FALE/UFMG; Cipó Voador, 2008.

MAXAKALI, Gilmar [et al.]. Tikmu’um Maxakani’yõg mimãti’’ãgtux yog tappet/ Livro Maxakali conta sobre a floresta. Belo Horizonte: Literaterras/FALE/UFMG, 2012.

Disponível em: http://livrosdafloresta.letras.ufmg.br/professores_03_02.php.

NIETZSCHE, Friedrich W. O nascimento da tragédia. Tradução de Heloisa da Graça Burati. São Paulo: Rideel, 2005.

RANCIÈRE, Jaques. Políticas do escrito. Tradução de Raquel Ramalhete, Laís Eleonora Vilanova, Ligia Vassalo e Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Editora 34, 1995.

SILVA, Sérgio Antonio; ALMEIDA, Maria Inês; SILVA, Paula Cristina P. A letra ubíqua da floresta. In: SILVA, Catarina; MADUREIRA, Marta (Eds.) 5 Encontro de Tipografia: Livro de actas. Barcelos (PT): Depto. de Design IPCA, 2015. p. 121-135. Disponível em: http://web.ipca.pt/5et/assets/5et_proceedings- Acesso em: 10 jan. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428