A construção do mosaico antropofágico em Oré Awé Roiru'a ma: Todas as vezes que dissemos adeus

Caroline Scheuer Neves

Resumo


O presente trabalho pretende discutir sobre a obra de Kaká Werá Jecupé intitulada Oré Awé Roiru’a Ma: todas as vezes que dissemos adeus, mais especificamente tratando acerca de alguns dos “pedaços” utilizados para a criação de um mosaico como reação antropofágica ao longo da narrativa. A partir do embasamento teórico em Almeida e Queiroz (2005), Souza (2001) e Souza (2006), foi possível observar a incorporação pelo autor de elementos da sociedade envolvente, familiares ao leitor não indígena e da tradição oral indígena; bem como a ressignificação deles baseada em processos de inversão e na sua inserção na escrita e na língua portuguesa. Além disso, discuto sobre a apropriação do modelo utilitário e grafocêntrico da sociedade envolvente por Jecupé, relacionando-a ao movimento antropofágico realizado com a construção do mosaico. Como contraponto a esse modelo, trago considerações sobre o “modelo ideológico de letramento”, levando em conta que ele busca desconstruir a visão determinística do modelo de letramento anterior, o que possibilita entender a obra de Jecupé como uma prática social situada e relacionada ao poder.


Palavras-chave


Literatura Indígena. Antropofagia. Tradição Oral. Letramento

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Boitatá
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428