Um contador de histórias na cidade: desafios para o pesquisador

Alessandra Bittencourt Flach

Resumo


Qual o lugar do contador de histórias na pós-modernidade? A partir do relato de pesquisa realizada no bairro Restinga, em Porto Alegre (RS), pretende-se analisar o papel do contador de histórias na atualidade. De forma mais específica, pela análise de um registro em vídeo, busca-se discutir de que forma as narrativas orais em nosso cotidiano podem conter elementos estéticos que a tornem interessantes e passíveis de serem abordadas no âmbito dos estudos orais. O que se pode perceber é que, sob novas linguagens e recursos, contar histórias é uma prática essencial em qualquer sociedade, capaz de estabelecer vínculos, construir identidades coletivas e reafirmar a própria identidade.


Palavras-chave


Narrativas orais urbanas; Registro audiovisual; Restinga

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. 7 ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras escolhidas, v. 1)

BOURDIEU, Pierre. Esboço de uma teoria na prática. In: ORTIZ, Renato. (Org.) Sociologia. Tradução de Paula Monteiro e Alícia Auzméndi. São Paulo: Ática, 1983, p.46-81.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Tradução de Mariza Corrêa. 9 ed. Campinas, SP: Papirus, 1996.

BOURRIAUD, Nicolas. Formas de vida: a invenção moderna de si. Tradução de Dorothée de Bruchard. São Paulo: Martins Fontes, 2011. (col. Todas as artes)

DEVOS, Rafael Victorino; ROCHA, Ana Luiza Carvalho. Constelações de imagens e símbolos convergentes no tratamento documental de acervos audiovisuais de narrativas orais. Sessões do imaginário, PUCRS, ano 14, n.22, dez. 2009, p.106-120.

FINNEGAN, Ruth. Tales of the city: a study of narrative and urban life. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

GEERTZ, Clifford. Obras e vidas: o antropólogo como autor. Tradução Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2001.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Tradução Maria Célia Santos Raposo. 8 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

GUIMARÃES, César. A singularidade como figura lógica e estética no documentário. Alceu, v.7, n.13, jul.-dez., 2006, p.38-48.

LABOV, William; WALETZKY, Joshua. Narrative analysis : oral version of personal experience. In : HELM, June. Essays on the verbal and visual arts. Seattle : University of Washington Press, 1967, p.12-44.

LANGDON, Ester Jean. A fixação da narrativa: do mito para a poética de literatura oral. Horizontes Antropológicos: Antropologia e Performance, Porto Alegre, ano 5, n. 12, p. 13-36,jul./dez. 1999,

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso literário. Tradução Adail Sobral. São Paulo: Contexto, 2006.

MAINGUENEAU, Dominique. O contexto da obra literária: enunciação, escritor, sociedade. Tradução Marina Appenzeller. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428