Provérbios: "a voz do povo" e intertexto das literaturas africanas

Cristina Mielczarski dos Santos

Resumo


Este texto “Provérbios: ‘voz do povo’ e intertexto das Literaturas Africanas” tem como objetivo refletir sobre a importância da recuperação e preservação das formas proverbiais, no que diz respeito ao âmbito do cotidiano, assim como ao âmbito das Literaturas Africanas. Para tanto, obedece-se ao seguinte percurso: primeiramente, na introdução discute-se algumas definições a respeito dos provérbios. Dá-se continuidade abordando o emprego das formas no cotidiano social e político. A seguir, por intermédio de três escritores moçambicanos, a saber: Ungulani Ba Ka Khosa, Paulina Chiziane e Mia Couto, demonstra-se como os provérbios, representantes da oralidade e da tradição, permeiam as obras de forma metafórica e poética,evidenciando o intertexto.


Palavras-chave


Provérbios; Intertexto; Literaturas Africanas; Narrativa Moçambicana

Texto completo:

PDF

Referências


ACHEBE, Chinua. A flecha de Deus. Tradução de Vera Queiroz da Costa e Silva. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

AGUESSY, Honorat. Visões e percepções tradicionais. In: AGUESSY, Honorat. Introdução à cultura africana. Lisboa: Edições 70, 1977.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama barroco alemão. Tradução, apresentação e notas de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CAVACAS, Fernanda. Mia Couto: Pensatempos e Improvérbios. Lisboa: Mar Além e Instituto Camões, 2000.

CHIZIANE, Paulina. Niketche: uma história de poligamia. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

CHIZIANE, Paulina. O sétimo juramento. Lisboa: Caminho, 2008.

CHIZIANE, Paulina. As andorinhas. Belo Horizonte: Nandyala, 2013.

CHIZIANE, Paulina. Ventos do apocalipse. Lisboa: Caminho, 1999.

COUTO, Mia. Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

COUTO, Mia. Terra Sonâmbula. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

COUTO, Mia. Estórias Abensonhadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

COUTO, Mia. Vozes anoitecidas. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

FONSECA, Maria Nazareth Soares; CURY, Maria Zilda Ferreira. Mia couto: espaços ficcionais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

HAMPATÉ BÂ, Amadou. A tradição viva. In: KI-ZERBO (Editor). História geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. Brasília: UNESCO, 2010.

HOUAISS, Antônio: VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

LEITE, Ana Mafalda Leite. Oralidades e escritas pós-coloniais: estudos sobre literaturas africanas. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012.

JORGE, Guilhermina. Algumas reflexões em torno das expressões idiomáticas enquanto elementos que participam na construção de uma identidade cultural. Lisboa: Colibri, 2001.

KHOSA, Ungulani Ba Ka. Ualalapi. Belo Horizonte: Nandyala, 2013.

MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. São Paulo: Cultrix, 2004.

MOREIRA, Terezinha Taborda. O vão da voz: a metamorfose do narrador na ficção moçambicana. Belo Horizonte: PUCMinas, 2005.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Tradução de Dora Rocha Flaksman. Rio de Janeiro: Estudos Históricos, 1989. v. 2, n.3.

ROSÁRIO, Lourenço do. A narrativa africana de expressão oral: transcrita em português. Luanda: Angolê, 1989.

ROSÁRIO, Lourenço do. A oralidade através da escrita na voz africana. In: Literaturas africanas de língua portuguesa. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1987.

ZOUNMÉNOU, Marcellin Vidjennagni. Conhecimento Indígena e Tradições Orais em Zulu (África do Sul) e Gun (Benim). In: Paulin Hountondji (Org.). O antigo e o moderno na África Contemporânea. Portugal: Pedago, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428