Vozes que contam: narrativas orais e históricas dos imigrantes de Paragominas-PA

Aida Suellen Galvão Lima, José Guilherme de Oliveira Castro

Resumo


Qual a importância das narrativas orais na construção da história de um lugar? Com pesquisas realizadas no bairro Centro, em Paragominas-PA, por meio das narrativas orais de seus moradores, pretende-se analisar o papel do imigrante pioneiro na construção histórica da cidade. De forma mais específica, pela análise das narrativas orais contadas por eles, busca-se discutir de que forma essas narrativas podem conter elementos históricos que as tornem importantes e passíveis de serem registradas no âmbito dos estudos históricos oficiais. E nesse aspecto, percebe-se que, em estudos históricos e oficiais, as narrativas orais perdem seus caracteres relevantes nos registros, porém deve-se levar em consideração que as memórias narradas também são formas históricas, além de práticas essenciais em qualquer sociedade; capazes de estabelecer vínculos, registros, construir identidades coletivas e reafirmar o próprio pertencimento no novo lugar escolhido.


Palavras-chave


Memória; Narrativas Orais; História; Imigrante

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTI, Verena. História Oral na Alemanha: semelhanças e dessemelhança na constituição de um mesmo campo. Rio de Janeiro: CPDOC, 1996.

BOSI, Ecléa. Memória e Sociedade: lembrança de velhos. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 1987.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. Tradução de Paulo Rouanet e Jeanne Marie Gagnebin. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BENJAMIN, Walter. O narrador: consideração sobre a obra de Nicolai Leskov. In: Obras Escolhidas: Magia e Técnica, Arte e Política - Ensaio sobre leitura e história de cultura. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BOSI, Alfredo (Org.). Tempo e História. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas híbridas: estratégicas para entrar e sair da modernidade. Tradução de Heloísa Pezza Cintrão, Ana Regina Lessa. São Paulo: Editora Gêneses, 2003 (ensaio latino americanos).

DE CERTEAU, Michel. A Invenção do Cotidiano. Tradução de Ephraim Ferreira Alves e Lúcia Endlich Orth. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

FENELON, Déa Ribeiro; CRUZ, Heloísa Faria; PEIXOTO, Maria do Rosário da Cunha. In: Muitas Memórias Outras Histórias. São Paulo: Olho d’Água, 2004.

FERREIRA, Marieta de Moraes. Memórias da história. Nossa História. São Paulo: Vera Cruz/Biblioteca Nacional, 2002.

GUSDORF, George. Mito e Metafísica. Tradução de Hugo di Primio Paz. São Paulo. Convívio. 1980.

GROSSI, Yonne; FERREIRA, Amauri. Razão narrativa: significado e memória. História Oral (4). São Paulo: ABHO, 2001.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006.

LEAL, Glaucia Lygia Rabello. Paragominas: a realidade e o pioneirismo. Belém: Alves, 2000.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Tradução de Irene Ferreira et al. 5. ed. Campinas, SP: UNICAMP, 2003.

NORA, Pierre. Entre a Memória e a História: a problemática dos lugares. Tradução de Yara Aun Khoury. São Paulo: Projeto História. 1997.

PINTO, Júlio Pimentel. Todos os passados criados pela memória. In: LEIBING, Annette; BENNINGHOFF-LÜHL, Sibylle (Orgs.). Devorando o tempo: Brasil, o país sem memória. São Paulo: Mandarim, 2001.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade Social. Rio de Janeiro: Estudos Históricos, v. 5, n. 10, 1992.

SAMUEL, R. Teatros da memória. In: Projeto História 14. Cultura e representação. São Paulo: Educ, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428