Permanência e ressonância de vozes em A chegada de Lampião no inferno

Marcos Paulo Torres Pereira

Resumo


Este estudo tem por objetivo, com base nos conceitos operacionais empregados por Paul Zumthor para a análise de produções literárias do medievo, debater como memória e identidade se cristalizam na ressonância e na permanência de vozes presentes no cordel A Chegada de Lampião no Inferno, de José Pacheco. Como ato poético, a obra emprega à sua tessitura um aspecto performático que corporifica a oralidade da qual é imanente como meio de expressão e de alteridade e como presença identitária e de mentalidade.


Palavras-chave


Mentalidade; Identidade; Oralidade

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Márcia. História de cordéis e folhetos. Campinas: Mercado de Letras; Associação de Leitura do Brasil, 1999.

ALIGHIERI, Dante. A Divina Comédia. Tradução de Cristiano Martins. São Paulo: Universidade de São Paulo/ Itatiaia, 1976.

BORNHEIM, Gerd Alberto. O conceito de tradição. In: Tradição e contradição. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1987.

CASCUDO, Luís da Câmara. Literatura Oral no Brasil. 3. ed. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1984.

FRANCO JÚNIOR, Hilário. O fogo de Prometeu e o escudo de Perseu. Reflexões sobre mentalidade e imaginário. Signum. São Paulo: Associação Brasileira de Estudos Medievais, no. 5, 2003, p. 73-116.

JOLLES, André. Formas Simples. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, 1976.

LAMAS, Duce Martins. “A música na cantoria nordestina”. In: DIEGUES JUNIOR, Manuel et al. Literatura Popular em Verso – Estudos. Rio de Janero: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1973. Tomo I.

LÓTMAN, Iúri. La semiosfera II: semiótica de la cultura, del texto, de la conducta y del espacio. Madrid: Frónesis, 1998.

MÈLICH, Joan-Carles. Memoria y Esperanza. Universidad de Extremadura, 1999.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. In: Projeto história (10), dezembro, p.7-29. São Paulo: Editora da PUC-SP, 1993.

RAMALHO, Zé. 20 anos antologia acústica. BMG, 2000.

SPERBER, Suzi Frankl . Ficção e Razão: uma retomada das formas simples. São Paulo: Aderaldo & Rothschild: Fapesp, 2009.

SPINA, Segismundo. A cultura literária medieval. São Caetano do Sul: Ateliê Editorial, 1997.

SOLER, Luís. As raízes árabes na tradição poético-musical do sertão nordestino. Recife: Editora Universitária/UFPE, 1978.

WECKMANN, Luis. La herencia medieval del Brasil. México: Fondo de Cultura Económica, 1993.

ZAIDAN, Assad. Letras e História: mil palavras árabes na língua portuguesa. São Paulo: Escrituras Editora; EDUSP, 2010.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz: a literatura medieval. Tradução de Amalio Pinheiro, Jerusa Pires. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à Poesia Oral. Tradução de Jerusa Pires Ferreira, Maria Lúcia Diniz Pochat e Maria Inês de Almeida. São Paulo: Hucitec, 1997.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. 2. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

ZUMTHOR, Paul. Falando de idade média. Tradução de Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Perspectiva, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428