As narrativas orais e a formação do leitor

Nilo Carlos Pereira de Souza

Resumo


Quem estuda a literatura oral no âmbito educacional lida diretamente com o processo de formação de leitor. No presente trabalho busco refletir sobre essa confluência, partindo de alguns questionamentos que envolvem o ato de narrar: qual a importância das narrativas orais para o homem? Como as narrativas orais contribuem na formação de um sujeito leitor? Em que implica a passagem da oralidade à escrita? As narrativas orais podem provocar mudanças significativas na concepção de leitor e de leitura que atualmente predomina nas escolas. É possível dizer que o processo de formação de leitor encontra-se comprometido quando se esquecem alguns princípios fundamentais que se encontram no ato de narrar. Há muitas coisas por trás de uma narração que se mantém fora dos pressupostos educacionais, pois se encontra no campo do mito e da performance. Se as narrativas orais permanecem circulando fora dos espaços escolares, é porque ainda exerce um papel fundamental na formação do indivíduo e para a sociedade – um potencial pouco aproveitado na educação escolar.


Palavras-chave


Narrativas Orais; Mito; Formação de Leitor;

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Irandé. Aula de Português: encontro e interação. São Paulo: Parábola, 2003.

AUSTIN, J. L. How to do things with words. 2. ed. Oxford: Oxford University Press, 1976.

AZCUY, Eduardo A. “Prefácio”. In: PAZ, Noemi. Mitos e ritos de iniciação nos contos de fadas. Tradução de Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Cultrix/Pensamento, 1995.

BAJARD, Elie. Ler e dizer. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. Tradução de Mário Laranjeira. São Paulo: Brasiliense, 1988.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BOSI, Ecléa. O Tempo Vivo da Memória: Ensaios de Psicologia Social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BRAZIL, David. The communicative value of intonation in English. Birmingham: English language research, 1985.

BRELAZ, Walmir M. O Massacre de Eldorado do Carajás – um caso de violação do princípio da dignidade da pessoa humana. 2006. 226 f. Dissertação (Mestrado) – Unama. Belém, [s/n]. 2006.

BURNS, Edward McNall. História da civilização ocidental. Tradução de Lourival Gomes Machado, Lourdes Santos Machado e Leonel Vallandro. Porto Alegre: Ed. Globo, 1968.

CASCUDO, Luís da Câmara. Literatura oral no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio; Brasília: INL, 1972.

CRYSTAL, D. Dicionário de Linguística e Fonética. Tradução de Maria Carmelita Pádua Dias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

CRUIKSHANK, Julie. Tradição oral e história oral: revendo algumas questões. In: FERREIRA, Marieta de Moraes e AMADO, Janaína (Orgs.). Usos e abusos da História Oral. 4. ed. Rio de Janeiro: FGU, 2001.

DIJK, Teun A. Van. Cognição, Discurso e Interação. São Paulo, Contexto. 1992.

FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína (Orgs.). Uso e abuso da história oral. 4. ed. Rio de Janeiro: FGU, 2001.

FOUCAULT, Michel. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Tradução de Inês Autran D. Barros. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989.

ILIBAGIZA, Immaculée. Sobrevivi para contar. Tradução: Sônia Sant’Anna – Rio de Janeiro: Objetiva, 2008.

LEVINAS, Emmanuel. Totalidade e infinito. Tradução de José Pinto Ribeiro. Portugal, Lisboa: Edições 70, 1988.

MARCUSCHI, Luís Antônio. A oralidade e o ensino de língua: uma questão pouco falada. In: DIONÍSIO, Ângela Paiva e BEZERRA, Maria Auxiliadora (Orgs.). O livro didático de português: múltiplos olhares. Rio de Janeiro: Lucerna, 2001.

NEVES, Maria Helena de Moura. Que gramática se usa na escola? Norma e uso na língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2004.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François et al. São Paulo: Ed. da Unicamp, 2007.

WEIL, Pierre; TOMPAKOW, Roland. O corpo fala: a linguagem silenciosa da comunicação não-verbal. 56. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. Tradução de Jerusa Pires Ferreira, Maria Lúcia Diniz Pochat e Maria Inês de Almeida. São Paulo: Hucitec; EDUC, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428