A tradição popular nordestina na obra Auto da Compadecida de Ariano Suassuna

Elen Karla Sousa da Silva, Sebastião Marques Cardoso

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo investigar a cultura popular nordestina, em especial as marcas da tradição oral na obra Auto da Compadecida de Ariano Suassuna. Notadamente híbrido, o texto do autor se identifica majoritariamente aos espetáculos de circo e à tradição popular, por sua maneira de apresentar os acontecimentos. Nesta obra, a moral católica aparece em primeiro plano, dialogando com o estilo quinhentista português de Gil Vicente e com as tradições locais e regionalistas do folclore brasileiro. Os instrumentos culturais mais relevantes na peça são as crendices e a literatura de cordel da realidade regional brasileira, mais precisamente da realidade regional nordestina. Acredita-se que as lendas, mitos, contos populares e fábulas não fazem parte apenas do exótico no mural da literatura brasileira. Indagaremos, assim, se a grandiosidade do conteúdo comunicativo que percorre a narrativa deve-se à transposição de elementos da cultura popular brasileira presentes nas diferentes personagens e descrições do texto. Para o alcance desses propósitos, utilizaremos o aporte teórico de Ortiz (1992); Cascudo (1982; 1988); Vassalo (1993), Canclini (1983); Hall (2000), Antonio Candido (2010), entre outros.


Palavras-chave


Ariano Suassuna; Cultura; Literatura Brasileira; Literatura oral;

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. Histórias de cordéis e folhetos. Campinas: Mercado das Letras/Associação de Leitura do Brasil, 1999.

CANCLINI, Néstor Garcia. As culturas populares no capitalismo. Tradução de Cláudio N. P. Coelho. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas híbridas - estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. São Paulo: EDUSP, 1997.

CÂNDIDO, Antônio. Literatura e sociedade. 11. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2010.

CÂNDIDO, Antônio. A personagem de ficção. 11. ed. São Paulo: Perspectiva, 2009.

CASCUDO, Luís da Câmara. Contos tradicionais do Brasil. Rio de Janeiro, Ediouro, s.d. CASCUDO, Luís da Câmara. Literatura oral no Brasil. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1987.

CASTRO, Telma Cristina Jesus de. A memória cultural nas recriações de Auto da Compadecida e Farsa da Boa Preguiça sob o viés da polifonia de Bakhtin. 2010. Dissertação de mestrado - Departamento de Letras, Artes e Cultura, Universidade Federal de São João delRei, São João del-rei/MG.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina D. Cartografias dos estudos culturais: uma introdução latinoamericana. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

FLORY, Suely Fadul Villibor. e MORAIS, Patrícia Irina Loose de. De textos e receptores: o Auto da Compadecida, de Suassuna a Arraes, do teatro à minissérie. São Paulo: Arte & Ciência, 2005.

GÓES, Lúcia Pimentel. Introdução à literatura infantil e juvenil. São Paulo: Pioneira, 1984.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A. 2000.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Liv Sovik (Org). Tradução Adelaine La Guardia Resende. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: representação da UNESCO no Brasil, 2003.

MAGALDI, Sábato. Panorama do teatro brasileiro. 6. ed. São Paulo: Global, 2008.

MOREIRA, Lúcia C. M. de Miranda. Invenção de Orfeu – uma teoria poética para linguagem poética. Tese (Doutorado em Letras). FCL – Assis, UNESP, 2002. ORTIZ, Renato. Românticos e folcloristas: cultura popular. São Paulo: Ed. Olho d´água,1992.

REVISTA PREÁ. Revista de Cultura do Rio Grande do Norte, ISSN 1679-4176, Ano III, nº14, Setembro/ Outubro de 2005.

SANTIAGO, Silviano. Situação de Ariano Suassuna. In: SUASSUNA, Ariano. Seleta em prosa e verso. Rio de Janeiro: José Olympio, 1974.

SUASSUNA, Ariano, Auto da Compadecida. Rio de Janeiro: Pocket Ouro, 2008.

VASSALO, Lígia, O Sertão medieval: origens europeias do teatro de Ariano Suassuna. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1993.

ZUMTHOR, P. Performance, recepção, leitura. Tradução de Jerusa Pires. Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: EDUC, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428