A roda, a criança e a história: composições da autoria infantil

Karin Cozer de Campos, Gilka Girardello

Resumo


Este artigo busca discutir o conceito de autoria infantil, tomando como referência um repertório de narrativas orais produzidas no contexto de uma pesquisa que envolveu rodas de narração de histórias com crianças entre cinco e seis anos de idade, que estudavam no primeiro ano do ensino fundamental de uma escola pública. O objetivo era conhecer e compreender os processos de produção narrativa das crianças no espaço escolar e, assim, pensar sobre como estimulá-las a contar histórias em tal ambiente. A partir, principalmente, da teoria bakhtiniana, abordou-se a relação dialógica na linguagem estabelecida na roda de histórias. Exemplo disso são algumas produções narrativas orais que evidenciam o eu e o outro nos enunciados das crianças, que aqui são compreendidos como enlaces do texto infantil com o mundo da vida. Evidencia-se, também, que a palavra do outro serviu de referência para as produções orais das crianças, o que nos leva a enfatizar que a criança, no momento de contar uma história na roda, cria e recria as suas produções orais para defini-las como as suas histórias e assim instituir a sua autoria.


Palavras-chave


Autoria infantil; Criança; Produção narrativa; Roda de histórias;

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail (Volochínov). Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de Michel Lahud. São Paulo: Hucitec, 2002.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARTHES, Roland. Introdução à análise estrutural da narrativa. In: Análise estrutural da narrativa. Tradução de Maria Zélia Barbosa Pinto. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes Limitada, 1972.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Obras escolhidas. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

EGAN, Kieran. Por que a imaginação é importante na educação? In: FRITZEN, Celdon; CABRAL, Gladir (Orgs). Infância: imaginação e educação em debate. Campinas, SP: Papirus, 2007. (Coleção Ágere).

GREENE, Maxine. Multiculturalism, community and the arts. In: DYSON, Anne Haas; GENISHI, Celia. The need for story. New York: Teacher College Press, 1994.

JOBIM E SOUZA, Solange. Infância e linguagem: Bakhtin, Vygotsky e Benjamin. Campinas, São Paulo: Papirus, 2006.

KEARNEY, Richard. Narrativa. Revista educação e realidade. Porto Alegre, v. 37, n.2, maio/ago, 2012.

PERRONI, Maria Cecília. Desenvolvimento do discurso narrativo. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

TFOUNI, Leda Verdiani. A dispersa?o e a deriva na constituic?a?o da autoria e suas implicac?o?es para uma teoria do letramento. In: SIGNORINI, Ine?s (Org.). Investigando a relac?a?o oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001. p. 77-94.

VOLOSHINOV, V. N. Discourse in life and discourse in art (concerning sociological poetics). In: VOLOSHINOV, V. N. Freudianism. A marxist critique. New York Academic Press, 1976. Texto russo publicado em 1926. Tradução de Cristóvão Tezza para uso didático.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428