Sobre contar e ouvir verdades e mentirinhas: considerações sobre narrativas a partir de livros infantis e brincadeiras em uma sala de aula

Guilherme Fians

Resumo


Neste artigo, busco discutir as narrativas orais elaboradas por crianças principalmente a partir de um diálogo com as narrativas escritas por adultos, mas voltadas para crianças – como as de livros infantis e histórias de contos de fadas. Para isso, desenvolvo algumas das narrativas, brincadeiras e questionamentos com os quais entrei em contato por meio de uma etnografia realizada com crianças entre três e sete anos de idade em uma escola no Rio de Janeiro. Com base nos relatos obtidos no trabalho de campo, apresento ainda algumas das discussões levantadas na sala de aula, sobre as distinções entre quais narrativas são “de verdade” e quais são “de mentirinha”, delineando um breve diálogo entre essa distinção tal como operada pelas crianças e tal como conceptualizada por aqueles que são tidos como os primeiros pensadores da antropologia.


Palavras-chave


Narrativas orais infantis; Literatura infantil; Brincadeiras e jogos; Etnografia; Escola;

Texto completo:

PDF

Referências


ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Tradução de Dora Flaksman. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1981.

BAG, Mario. Mitos e lendas do folclore do Brasil. São Paulo: Paulinas, 2013. Coleção Mito e Magia.

BATESON, Gregory. Steps to an ecology of mind: collected essays in anthropology, psychiatry, evolution and epistemology. New York: Ballantine Books, 1972.

BENJAMIN, Walter. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. Tradução de Marcus Vinicius Mazzari. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2002.

Clastres, Pierre. A sociedade contra o estado: investigações de antropologia política. Tradução de Bernardo Frey. Revisão de Miguel Serras Pereira. Porto: Edições Afrontamento, 1979.

COLE, Babette. Mamãe botou um ovo! São Paulo: Editora Ática, 2006.

CORSARO, William. A reprodução interpretativa no brincar ao “faz de conta” das crianças. Educação, sociedade e culturas. n. 17, 2002.

CORSARO, William. “We’re friends, right?”: inside kid’s culture. Washington, D.C.: Joseph Henry Press, 2003.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Volume 4. Tradução de Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, 1997.

DELUMEAU, Jean. História do medo no Ocidente, 1300-1800: uma cidade sitiada. Tradução de Maria Lucia Machado. Tradução de notas de Heloísa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

DUGNANI, Patricio. Beleléu. São Paulo: Paulinas, 2012.

FERNANDES, Camila. Ficar com: Parentesco, Criança e Gênero no Cotidiano. 2011. Dissertação (Mestrado em Antropologia) — PPGA-UFF. Niterói.

FIANS, Guilherme. Entre crianças, personagens e monstros: uma etnografia de brincadeiras infantis. Rio de Janeiro: Ponteio Edições, 2015.

HETZEL, Beatriz; Massarani, Mariana. Toda criança gosta... Rio de Janeiro: Manati, 2007.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens. O jogo como elemento da cultura. Tradução de João Paulo Monteiro. Revisão de Mary Amazonas Leite de Barros. São Paulo: Editora Perspectiva, 2000.

INGOLD, Tim. Caminhando com dragões: Em direção ao lado selvagem. In: Steil, Carlos Alberto; Carvalho, Isabel Cristina de Moura (Orgs.). Cultura, percepção e ambiente: diálogos com Tim Ingold. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2012.

Coleção Antropologia Hoje. LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Tradução de Gilson César Cardoso de Sousa. Salvador: Edufba; Bauru: Edusc, 2012.

LÉVI-STRAUSS, Claude. A ilusão arcaica. In: As estruturas elementares do parentesco. Tradução de Mariano Ferreira. Petrópolis: Vozes, 1982.

LÉVY-BRUHL, Lucien. The “soul” of the primitive. Chicago: Henry Regnery Company, 1971.

POUILLON, Jean. Remarques sur le verbe ‘croire’. In: Izard, Michel & Smith, Pierre (Orgs.). La fonction symbolique: essais d’anthropologie. Paris: Gallimard, 1979.

ROLLAND, Claudine. Os dinossauros. Rio de Janeiro: Salamandra, 2003. Coleção Criança Curiosa.

TOREN, Christina. Anthropology as the whole science of what it is to be human. In: Fox, Richard; King, Barbara (Orgs.). Anthropology beyond culture. Oxford: Berg, 2002.

TOREN, Christina.Como sabemos o que é verdade? O caso do mana em Fiji. Mana – estudos de antropologia social, vol. 12, n. 2, 2006.

TOREN, Christina. An anthropology of human development: what diffe-rence does it make? In: Fogel, Alan; King, Barbara; Shanker, Stuart (Orgs.). Human development in the twenty-first century: a dynamic systems approach to the life sciences. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

TYLOR, Edward B. Primitive culture — vol. 1. London: John Murray, 1920.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428