Equilibristas, viajantes, princesas e poetas: performances orais e escritas de crianças narradoras

Luciana Hartmann

Resumo


Estudos em diferentes áreas vêm demonstrando a importância da produção narrativa na infância, tanto em termos do desenvolvimento cognitivo e de articulação da linguagem da criança, quanto na socialização e organização de suas experiências, reais e imaginadas. Neste artigo parto de narrativas registradas durante pesquisa etnográfica, realizada no ano de 2013 em três turmas de 5º ano do ensino fundamental de uma escola pública de Brasília-DF, para discutir as diferentes estratégias utilizadas pelos alunos para expressarem e compartilharem suas experiências através de performances orais e escritas.


Palavras-chave


Crianças narradoras; Narrativas orais; Infância; Performance narrativa;

Texto completo:

PDF

Referências


ALDERSON, Priscilla. As crianças como pesquisadoras: os efeitos dos direitos de participação sobre a metodologia de pesquisa. Educação e sociedade. Campinas, v. 26, n. 91, 2005, pp. 419- 442.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. 2. ed. Tradução de Dora Flasksman. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BAUMAN, Richard. Verbal art as performance. Rowley, Mass: Newbury House Publishers, 1977.

BAUMAN, Richard. A poética do mercado público: gritos de vendedores no México e em Cuba. Ilha – Revista de antropologia. Florianópolis, PPGAS/UFSC, v. 11, nºs 1 e 2, 2010, pp. 17-39.

BAUMAN, Richard; BRIGGS, Charles. Poética e performance como perspectivas críticas sobre a linguagem e a vida social. Ilha – Revista de antropologia. Florianópolis, PPGAS/UFSC, v. 8, n. 1 e 2, 2006 (2008), pp. 185-229.

BELMONT, N. Poétique du conte – essai sur le conte de tradition orale. Paris: Gallimard, 1999.

BETTELHEIM, Bruno. A Psicanálise dos contos de fadas. Tradução de Arlene Caetano. 20. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

BORGES DE MEDEIROS, Andréa. Crianças e narrativas: modos de lembrar e compreender o tempo na infância. Cadernos Cedes. Campinas, v. 30, n. 82, 2010, pp. 325-338.

BRUNER, Jerome. Actual minds, possible worlds. London: Harvard University Press, 1986.

BRUNER, Jerome. Pourquoi nous racontons-nous des histoires? Paris: Éditions Retz, 2002.

BURKE, Kenneth.. Literature as equipment for living. In: The philosophy of literary form. New York: Vintage Books, [1937] 1957.

COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

CORSARO, William A. Sociologia da infância. 2. ed. Tradução de Lia G. R. Reis. Porto Alegre: Artmed, 2011.

ENGEL, Susan. The stories children tell: making sense of the narratives of childhood. New York: Freeman and company, 1995.

FERNANDES, Frederico. A voz e o sentido – poesia oral em sincronia. São Paulo: Ed. da UNESP, 2007.

FRANÇOIS, Frédéric. Crianças e narrativas – maneiras de sentir, maneiras de dizer... Tradução e adaptação de Ana Lúcia T. Cabral e Lélia E. Melo. São Paulo: Humanitas, 2009.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Tradução de Fanny Wrobel. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989.

HYMES, Dell. Breakthrough into performance. In: BEN-AMOS, Dan; GOLDSTEIN, Kenneth S. (Orgs.) Folklore – performance and communication. Paris: Mouton, 1975.

JACKSON, Michael. The politics of storytelling – variations on a theme by Hannah Arendt. Conpenhagen, Museum Tusculanum Press, 2013.

JAKOBSON, Roman. Linguística e poética In: Linguística e comunicação. Tradução de Izidoro Bilkstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1974.

JAVEAU, Claude. Criança, infância(s): que objetivo dar a uma ciência social da infância? Educação e sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, 2005, pp. 379-389.

KAPCHAN, Deborah A. Common ground: keywords for the study of expressive culture - Performance. Journal of American folklore, v. 108, n. 430, 1995, pp. p. 479-507.

LANGDON, E. Jean. Performance e preocupações pós-modernas em antropologia. Antropologia em primeira mão. Florianópolis: PPGAS/UFSC, n. 11, 1996.

LAUNEY, Nicole; PLATIEL, Suzy. Vitalité du conte : à l’école du conte oral, en Guyane - Ou comment s’appuyer sur la tradition orale pour développer la sociabilité et les structures mentales des enfants. Synergies France, n° 7 – 2010, pp. 137-144.

MACEDO, Lídia; SPERB, Tânia M. O desenvolvimento da habilidade da criança para narrar experiências pessoais: uma revisão da literatura. Estudos de psicologia. Natal, v. 12, n. 3, 2007, pp. 233-241.

MALLAN, Kerry. Children as storytellers. Portsmouth, New Hampshire: Heinemann, 1992.

MARCONDES, Marina. A criança é performer. Educação & realidade. Porto Alegre, v. 35, n. 2, 2010, pp. 115-137.

MATTINGLY, Cheryl. Therapeutic emplotment. Social science and medicine. v. 38, n. 6, 1994.

MATO, Daniel. Narradores en Acción - problemas epistemologicos, consideraciones teoricas y observaciones de campo en Venezuela. Caracas: Academia Nacional de la Historia/Fundacion Latino, 1992.

PASSEGGI, M. C.; FURLANETTO, E. C.; DE CONTI, L.; CHAVES, I. E. M. B.; GOMES, M. O.; GABRIEL, G. L.; ROCHA, S. M. Narrativas de criança sobre as escolas da infância: cenários e desafios da pesquisa (auto)biográfica. Educação. Santa Maria, v. 39, n. 1, 2014, pp. 85-104.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante - cinco lições sobre a emancipação intelectual. Tradução de Lilian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

RAYOU, Patrick. Crianças e jovens, atores sociais na escola. Como os compreender? Educação e sociedade. Campinas, v. 26, n. 91, 2005, pp. 465-484.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa. Tradução Marina Appenzeller. Campinas/SP: Papirus, 1995.

SARMENTO, M.J. Imaginário e culturas da infância. Cadernos de educação, Pelotas, v. 12, n. 21, 2003, pp. 51-69.

SCHECHNER, Richard. O que pode a performance na educação. Revista educação & realidade. Porto Alegre: v. 35, n. 2, 2010, pp. 23-35.

SKLIAR, Carlos. A educação e a pergunta pelos Outros: diferença, alteridade, diversidade e os outros “outros”. Ponto de vista. Florianópolis, n. 05, 2003, pp.37-49.

SOARES, N. F.; SARMENTO, M. J.; TOMÁS, C. Investigação da infância e crianças como investigadoras: metodologias participativas dos mundos sociais das crianças. Nuances: estudos sobre educação – ano XI, v. 12, n. 13, 2005, pp. 49-64.

SOUZA, Glaúcia R. R. de. Uma viagem através da poesia: vivências em sala de aula. Tese (Doutorado em Letras), Programa de Pós-Graduação em Letras, UFRGS, 2007.

VASCONCELLOS, V. M. R. de. Apresentação: infâncias e crianças visíveis. In: VASCONCELLOS, V. M. R. de; SARMENTO, M. J. (Orgs.). Infâncias (in)visíveis. Araraquara/SP: Junqueira & Marin, 2007.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz. Tradução de Amálio Pinheiro e Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: EDUC, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428