Das bruxas medievais às benzedeiras atuais: a oralidade como manutenção da memória na arte de curar - uma pesquisa exploratória

Yls Rabelo Câmara, Carlos Sanz Mingo, Yzy Maria Rabelo Câmara

Resumo


Neste artigo analisamos como a oralidade pode dar continuidade a práticas ancestrais. Iniciamos o estudo do tema referindo-nos às bruxas medievais, refletidas nas atuais benzedeiras, cuja arte de curar através da palavra e de um modus faciendi próprio vem perpetuando uma prática social que remonta à infância da humanidade. Para embasar nossas considerações, nos fundamentamos em investigadores da área como Conceição (2008), Rosário et al. (2014), Theotonio (2011) e Silva (2009) e ilustramos esta pesquisa exploratória analisando uma benzedeira da cidade de Tianguá, no Ceará, com quem fizemos uma entrevista semiestruturada e três observações participativas. Concluímos que a oralidade é um fator inestimável de preservação da memória quando o tema é o curandeirismo e que é mister conservarmos a tradição da benzedura, que pouco a pouco se vai perdendo, por desestimada que é na urbanidade pós-moderna em que vivemos, invisível para a mídia e preterida pela literatura, que a exclui.


Palavras-chave


Bruxas; Oralidade; Benzedeiras; Memória.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, João Tadeu de; CORREIA, Heloise Maria de Riquet. Curadores tradicionais no Ceará: inserção social, perfil terapêutico e contribuição para a saúde pública. 26ª Reunião Brasileira de Antropologia, Porto Seguro, Bahia, Brasil, 12p, jun., 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016.

BARSTOW, Anne Lewellyn. La caza de brujas: historia de um holocausto. Girona: Tikal Ediciones, 1991.

BECHTEL, Guy. Las cuatro mujeres de Dios: la puta, la bruja, la santa y la tonta. Barcelona: Ediciones B, S.A, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Medicina Natural e Práticas Complementares – PMNPC. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

BURKE, Peter. Hibridismo cultural. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2003.

CARNEIRO, Cristina Helena. Bruxas e feiticeiras em novelas de cavalaria do ciclo arturiano: reverso da figura feminina? Dissertação de Mestrado em Letras, Maringá, 2006.

CASANOVA, Eudaldo; LARUMBE, María Ángeles. La serpiente vencida: sobre los orígenes de la misoginia en lo sobrenatural. Zaragoza: Prensas Universitarias de Zaragoza, 2005.

CONCEIÇÃO, Alaíze dos Santos. Ser rezadeira: experiências e práticas culturais de participantes da Medicina popular - Gov. Mangabeira – Recôncavo Sul da Bahia (1950-1970). Revista Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder, p. 1-7, 2008.

CUNHA , Lidiane Alves da. Saberes e Religiosidades de Benzedeiras. Anais dos Simpósios da ABHR, v. 13, p. 1-6, 2012.

ELLIS, P. B. Celtic Women. Women in Celtic Society and Literature. London: Constable and Company Ltd., 1995.

EVANS-PRITCHARD, Edward Evan. Witchcraft,Oracles and Magic among the Azande. London: Clarendon Press, 1976.

FRANÇA, Maria da Conceição Fernandes de; SANTOS, Pedro Fernando dos. Saberes que Curam: a Benzedura como Tradição Popular. Revista Includere, v. 2, n. 2, p. 256-258, 2016.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais LTDA, 1990.

MAINKA, P. J. A bruxaria nos tempos modernos – sintoma de crise na transição para a modernidade. História: Questões e Debates, v. 37, n. 2, p. 111-142, 2002. MARCUSCHI, Luiz Antônio. Fala e escrita. Pernambuco: CEEL, 2007.

MENON, M. C. Da bruxa na literatura brasileira do século XIX. XI Congresso Internacional da ABRALIC – Tessituras, Interações, Convergências – USP, p. 1-9, 2008.

OSÓRIO, A. Bruxas modernas: um estudo sobre identidade feminina entre praticantes de wicca. Campos, v. 5, n. 2, p.157-172, 2004.

PARADISO, S. R. Mulher, bruxas e a literatura inglesa: um caldeirão de contra discurso. Revista Cesumar, v.16, n. 1, p.189-202, 2011.

ROSÁRIO, Maria do; SÁ, Lenilde Duarte de; KLÜPPEL, Berta Lúcia Pinheiro. Reza e Tecnologia Leve no Diálogo entre os Saberes Científicos e Populares. Cadernos de Pesquisa em Ciência da Religião, n. 23, p. 96-112, 2014.

SANTOS, Francimário Vitor dos. O ofício das rezadeiras como patrimônio cultural: religiosidade e saberes de cura em Cruzeta, na região do Seridó Potiguar. Revista CPC, São Paulo, n. 8, p. 6-35, 2009.

SILVA, Claudia Santos da. Rezadeiras: Guardiãs da Memória. V ENECULT – Quinto Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Faculdade de Comunicação UFBA, p. 1-16, 2009.

THEOTONIO, Andrea Carla Rodrigues. Práticas de rezas: oralidade e cultura no cotidiano das rezadeiras. In: ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA, 13., 2011, Guarabira, PB. Anais Eletrônicos... Guarabira, PB. p. 1-7, 2011. Disponível em: http://www.anpuhpb.org/anais_xiii_eeph/textos/ST%2011%20-%20Andrea%20Carla%20Rodrigues%20Theotonio%20TC.PDF. Acesso: 27 set. 2016.

ZORDAN, Paola Basso Menna Barreto. Bruxas: figuras de poder. Revista Estudos Feministas, v.13, n. 2, p. 331-341, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428