Aspectos da cultura popular em Histórias de Alexandre, de Graciliano Ramos: uma recepção problemática

Rosalia Rita Evaldt Pirolli

Resumo


Neste artigo, iremos propor uma análise do livro Histórias de Alexandre, de Graciliano Ramos, publicado em 1944 e republicado posteriormente sob o título de Alexandre e outros heróis, a partir de certas aproximações possíveis com a cultura popular. Em um primeiro momento, iremos delinear o percurso da recepção dessa obra, atravessada por uma série de preconceitos motivados por uma visão estreita de cultura popular, considerada na época como uma produção rústica, inculta (BURKE, 2010). Tal visão relegou essa publicação, até recentemente, a uma espécie de limbo crítico. Em seguida, apontaremos o papel da cultura popular na composição do livro, que se apropria de elementos característicos de compêndios e de coletâneas de folclore e de narrativas populares, abundantes na passagem entre os séculos XIX e XX. Além disso, aspectos da cultura popular também participam na organização narrativa de Histórias de Alexandre, pois o autor coloca em cena uma personagem, que procura emular, registrar e perpetuar o narrador nato proposto por Benjamin (1994).


Palavras-chave


Cultura popular; Histórias de Alexandre; Graciliano Ramos; Recepção; Narrador.

Texto completo:

PDF

Referências


ABEL, Carlos. Graciliano Ramos: cidadão e artista. Brasília: Editora UNB, 1999.

AS CELEBRIDADES, SUAS MANIAS E PREDILEÇÕES. A Noite. Rio de Janeiro: 19 de dez. 1944. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.

AYALA, Marcos; AYALA, Maria Ignez. Cultura popular no Brasil. São Paulo: Ática, 1995.

BENJAMIN, Walter. O narrador – Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BURKE, Peter. A cultura popular na Idade Moderna. Tradução de Denise Bottmann. Rio de Janeiro: Cia das Letras, 2010.

CANDIDO, Antonio. Ficção e confissão: ensaios sobre Graciliano Ramos. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

CRISTÓVÃO, Fernando. Graciliano Ramos: estruturas e valores de um modo de narrar. Rio de Janeiro: Editoria Brasília, Mec, 1975. FARIA, Octavio. Graciliano Ramos e o sentido humano. In: BRAYNER, Sônia (Org.) Graciliano Ramos. Coleção Fortuna crítica, v. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

HUNT, Peter. Crítica, teoria e literatura infantil. Tradução de Cid Knipel. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

LINS, Osman. O mundo recusado, o mundo aceito e o mundo enfrentado. In: RAMOS, Graciliano. Alexandre e outros heróis. 2. ed. São Paulo: Record, 1982.

LIVRO DO DIA. A manhã. Rio de Janeiro: 23 de mai. 1944. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2016.

MONTEIRO FILHO, Edmar. O major esquecido: Histórias de Alexandre, de Graciliano Ramos. 2013. Dissertação (Mestrado em Teoria e História Literária) – Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP, Campinas, SP.

MOURÃO, Rui. Estruturas: Ensaios sobre o romance de Graciliano. Curitiba: Editora UFPR, 2003.

NOVAES COELHO, Nelly. Solidão e luta em Graciliano. In: BRAYNER, Sônia (Org.) Graciliano Ramos. Coleção Fortuna crítica, v. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

RAMOS, Graciliano. Alexandre e outros heróis. São Paulo: Record, 2011.

SALLA, Thiago. O fio da navalha: Graciliano Ramos e a revista Cultura Política. 2010. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação, USP, São Paulo, SP.

VIEIRA, José Geraldo. A dioptria de Alexandre. In: RAMOS, Graciliano. Alexandre e outros heróis. São Paulo: Martins, 1969, p. 9-22.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428