Leituras compartilhadas de três autores da literatura indígena: uma experiência sobre alteridade e a descolonização do currículo

Samuel Frison

Resumo


O presente artigo relata uma experiência de leitura compartilhada envolvendo os educadores de uma escola da Rede Municipal de Ensino de São Paulo. A prática pedagógica teve como objetivo aprofundar as discussões sobre a importância da escola como um espaço para a formação de leitores, a descolonização do currículo e a compreensão das alteridades indígenas. O projeto ocorreu durante o Agosto Indígena e investigou as possibilidades de descolonização do currículo a partir da literatura infantil e juvenil de autoria de três expoentes da cultura indígena: Daniel Mundukuru, Kaká Werá Jecupé e Yaguarê Yamã. As obras compartilhadas tratam de temas da ancestralidade e da cosmogonia, proporcionando a observação da recepção destes pelos leitores e ouvintes. O resultado da experiência culminou no aprofundamento das discussões sobre as questões éticas e estéticas que contemplam o respeito à cultura indígena e o desvelamento de novos saberes ainda não contemplados pelo currículo escolar, baseados numa perspectiva ecológica (SANTOS), cósmica (MORIN) e dialética (FREIRE).


Palavras-chave


Leitura; Literatura Indígena; Descolonização; Currículo.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei 11.645, de 10 de março de 2008.

Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em 15 ago. 2015.

COLOMBRES, Adolfo. Celebración del lenguaje – Hacia uma teoria intercultural de la literatura. Buenos Aires: Ediciones del Sol, 1997. Série Antropológica.

DECLARAÇÃO das Nações Unidas sobre os direitos dos Povos Indígenas. Disponível em: http://www.un.org/esa/socdev/unpfii/documents/DRIPS_pt.pdf Acesso em: 03 ago. 2015.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. 26 ed. Rio de Janeiro: Terra e Paz, 1989.

GASCHÉ, Jorge. Qué son saberes o conocimientos indígensa y qué hay que entender por diálogo? In: Memórias, diálogo de saberes. 1º Encuentro Amazónico de Experiencias de Leticia. Amazonia: Universidad Nacional de Colombia, 2010.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva e Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

JECUPÉ, Kaká Werá. A terra dos mil povos. São Paulo: Peirópolis, 2002.

LARROSA, Jorge. Notas sobre o saber da experiência e a experiência. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, n. 19, jan-abr. 2002. Disponível em:. Acesso em: 14 jun. 2015.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2000.

MUNDURUKU, Daniel. Histórias que eu li e gosto de contar. São Paulo: Callis, 2011.

PETIT, Michèle. A arte de ler – ou como resistir à adversidade. Tradução de Celina Olga de Souza. São Paulo: Editora 34, 2009.

PRATT, Mary Louise. Transculturação e auto-etnografia: Peru 1615/1980. Tradução de JOÃO CATARINO. In: SANCHES, Manuela Ribeiro (Org.) Deslocalizar a Europa: Antropologia, Arte, Literatura e História na Pós-Colonialidade. Lisboa: Cotovia, 2005.

SANTOS, Boaventura. SANTOS, Boaventura de Sousa. Gramática do tempo: para uma nova cultura política. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

YAMÃ, Yaguarê. Puratig, o remo sagrado. São Paulo: Peirópolis, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428