O lugar do portunhol selvagem em uma história do conhecimento linguístico

Gabriela Souto Alves

Resumo


Este trabalho inscreve-se em uma perspectiva que visa se afastar da ideia de universalização/totalidade em relação ao conhecimento linguístico, localizando um objeto de pesquisa e oportunizando a ele um caminho metodológico. O objeto desta discussão científica é o portunhol selvagem como manifestação artística de resistência e movimento cultural, de modo que o conceito de língua mobilizado não se dará em relação a um sistema normativo e estrutural; mas quanto à esfera do materialismo histórico e da Análise de Discurso, que tem em sua concepção o fato de as línguas serem também processos sociais, as quais se estabelecem discursivamente pela sua relação com a história no processo de constituição dos sujeitos e dos sentidos. O fato de o portunhol selvagem ser escrito pelo viés de resistência artístico-literária é a questão teórica desenvolvida. A partir disso, a questão metodológica é a análise de um corpus que envolve discursos sobre este movimento cultural, oriundos do poeta Douglas Diegues. Com isso, objetiva-se reconhecer aspectos de defesa desta língua e do caráter artístico-literário da resistência discursiva.


Palavras-chave


Portunhol selvagem. História do conhecimento linguístico. Resistência. Douglas Diegues

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428