Reflexões sobre Macunaíma, de Mário de Andrade, à luz do conceito de pensamento liminar

Francine Bystronski Puchalski

Resumo


O objetivo deste trabalho é realizar uma análise parcial de Macunaíma (1928), de Mário de Andrade, sob a perspectiva de alguns temas tratados por Mignolo em Histórias locais, projetos globais (2003). A proposta é pensar de que forma uma obra da literatura brasileira reflete os dilemas da condição “subalterna” e “marginal” de países da América Latina, como o Brasil, diante do paradigma do pensamento eurocêntrico. Considerando os conceitos de pensamento liminar, de modernidade e colonialidade (MIGNOLO, 2003), esta análise se dará em duas etapas. Inicialmente serão feitas considerações sobre como o enredo retrata as tensões entre o colonizado (brasileiro) e o colonizador (europeu), levando em conta a narrativa contestadora dos padrões tradicionais e a linguagem adotada na obra. Em seguida se fará uma análise do capítulo intitulado “Carta pras icamiabas”, percebendo como a escolha da expressão linguística revela uma resistência epistêmica à linguagem convencional do português europeu, e de como são satirizadas e negadas as disposições civilizatórias de uma lógica racionalizadora. Dessa forma, busca-se compreender a abordagem de Mignolo juntamente com as questões levantadas em Macunaíma sobre a afirmação das formas de pensamento latino-americanas/brasileiras, resistentes a um único modelo (ocidental) de conhecimento.


Palavras-chave


Macunaíma. Pensamento liminar. Literatura Brasileira. Linguagem

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428