Decolonizar o sujeito: por uma poética do estar na diferença

Diego Lock Farina

Resumo


Na esfera das recentes perspectivas teóricas dos estudos decoloniais, o presente artigo busca relacionar o impacto da noção estruturalista da morte do sujeito com a atual luta pela reafirmação de identidade e visibilidade de parte de grupos sociais ou povos até então excluídos nos termos ainda há pouco concebidos como literatura e expressão estética em geral. Nesse sentido, a partir de Ernesto Laclau, Gilles Deleuze, Rodolfo Kusch e Ailton Krenak, projeta-se uma outra e combativa espécie de poética do estar na diferença, engajada na dissolução das hegemonias metafísicas ocidentais no discurso do ser, que acabam por criar cada vez mais partes do sem partes. A aposta numa postura no mundo e, como consequência, numa literatura que traz no seu devir a mudança e a reorganização dos lugares de fala, atualizando o conceito de inscrição na arte, tem como objetivo levar à máxima potência a desterritorialização das configurações preestabelecidas do universal e do particular. Decolonizar a palavra, nesse intuito, é também democratizar como realidade as distribuições do sensível do nosso tempo e espaço, pensando sempre, na vida intensa que existe no movimento, mais em envolver do que desenvolver.


Palavras-chave


Diferença; Poética do estar; Decolonial; Multiplicidade; Identidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. O prazer do texto. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2015.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Introdução: Rizoma. In: Mil Platôs – capitalismo e esquizofrenia. v. 1. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34, 2011.

KLINGER, Diana Irene. Escritas de si, escritas do outro: autoficção e etnografia na narrativa latino-americana contemporânea. 2006. Tese (Doutorado em Letras) - UERJ Rio de Janeiro, RJ.

KRENAK, Ailton. Eu e minhas circunstâncias. In: Encontros. Rio de Janeiro, Azougue, 2015.

KUSCH, Rodolfo. América profunda. In: Obras completas: pocket. Rosário: Fundación A. Ross, 2007.

LACLAU, Ernesto. Universalismo, particularismo e a questão da identidade. In: Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

LACLAU, Ernesto. Por que os significantes vazios são importantes para a política? In: Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011a.

MEMMI, Albert. Situação do colonizado. In: Retrato do colonizado precedido de retrato do colonizador. Tradução de Marcelo Jacques de Moraes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

SARLO, Beatriz. Prólogo a Graciela Speranza. In: Primera Persona. Conversaciones con quince narradores argentinos. Buenos Aires: Norma, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428