Decolonizar o sujeito: por uma poética do estar na diferença

Diego Lock Farina

Resumo


Na esfera das recentes perspectivas teóricas dos estudos decoloniais, o presente artigo busca relacionar o impacto da noção estruturalista da morte do sujeito com a atual luta pela reafirmação de identidade e visibilidade de parte de grupos sociais ou povos até então excluídos nos termos ainda há pouco concebidos como literatura e expressão estética em geral. Nesse sentido, a partir de Ernesto Laclau, Gilles Deleuze, Rodolfo Kusch e Ailton Krenak, projeta-se uma outra e combativa espécie de poética do estar na diferença, engajada na dissolução das hegemonias metafísicas ocidentais no discurso do ser, que acabam por criar cada vez mais partes do sem partes. A aposta numa postura no mundo e, como consequência, numa literatura que traz no seu devir a mudança e a reorganização dos lugares de fala, atualizando o conceito de inscrição na arte, tem como objetivo levar à máxima potência a desterritorialização das configurações preestabelecidas do universal e do particular. Decolonizar a palavra, nesse intuito, é também democratizar como realidade as distribuições do sensível do nosso tempo e espaço, pensando sempre, na vida intensa que existe no movimento, mais em envolver do que desenvolver.


Palavras-chave


Diferença. Poética do estar. Decolonial. Multiplicidade. Identidade

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Boitatá
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428