O fedor da América profunda: Rodolfo Kusch e o dilaceramento em Josefina Plá (1903-1999)

Maria Josele Bucco Coelho

Resumo


A expressão América profunda foi proposta por Rodolfo Kusch, um intelectual argentino radicado na puna, região do altiplano andino, no ano de 1962. É usada para designar o sentimento do humano que brota desde a perspectiva dos saberes dos povos originários implícitos e “vividos cotidianamente en la calle o en el campo” (KUSCH, 2000a). O termo é retomado desde então para designar a convicção de que há uma continuidade da vivência cultural desses povos originários nas Américas que nos impulsiona a empreender “una aventura que está al margen de nuestra cultura oficial” (ISHIZAWA, 2007). A América profunda faz referência, portanto, à conjunção dos elementos primevos que - pese a todo o processo colonizador – irrompem no cotidiano das grandes cidades, conformando uma visão de mundo que nos faz tomar consciência “de que algo nos impide de ser totalmente occidentales aunque nos los propongamos” (KUSCH, 2000a). Partindo de tais pressupostos, este trabalho objetiva esquadrinhar como a escritora Josefina Plá (1903- 1999) plasma esteticamente esses elementos americanistas a partir da análise do conto A Caacupe.


Palavras-chave


Conto contemporâneo. Literatura paraguaia. Decolonialidade. Josefina Plá. Estética do dilaceramento.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428