Registros do capitão David: memória e performance na inscrição do Candombe da Lapinha

Ridalvo Felix de Araujo

Resumo


Os registros de Seu David, capitão do Candombe da Lapinha (MG), são palimpsestos tecidos pela grafia do performer de uma tradição transmitida pelas narrativas e cantos dançados.2 Neles o discurso memorialista evidencia-se nas narrativas como mais uma possibilidade de registro acerca dessa expressão afro-brasileira de matriz banto,3 bem como do seu surgimento na tradição do Rosário, em Minas Gerais, e formas de efetivação ritualística. Nesse ensaio, propomos uma análise da narrativa fundacional da tradição do Candombe e de alguns cantos que se intercalam nos manuscritos do capitão, considerando, para tanto, algumas reflexões teóricas, quais sejam: discurso memorialístico, história, narrador tradicional benjaminiano e poéticas orais. É importante destacar que essa articulação teórica faz-se, fundamentalmente, com base nos estudos de performance. Portanto, além da escrita, a mídia áudio visual é um artefato imprescindível para a apreciação da narrativa fundacional.


Palavras-chave


Narrativas orais/escritas; Candombe; Discurso memorialístico; Performance

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIM, Walter. O narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIM, Walter. Magia e técnica, arte e política. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994, p.197-221.

BOSI, Ecléa. Memória-sonho e memória-trabalho. In: BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velho. São Paulo: T. A. Queiroz, 1979.

BRANDÃO, Vanessa Ribeiro. Performance como ressignificação do mito. In: ALEXANDRE, Marcos Antônio Alexandre; BARBOSA, Tereza Virgínea Ribeiro (Orgs.). Mito e performance. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2011.

CASCUDO, Luís da Câmara. Literatura oral no Brasil. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1984. CASTRO, Yeda Pessoa. Falares africanos na Bahia: um vocabulário afro-brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 2005.

DERIVE, Jean. Literarização da oralidade, oralização da literatura nas culturas africanas. Tradução de Neide Freitas. In: DERIVE, Jean. Oralidade, literarização e oralização da literatura. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2010. p. 7-26. (Cadernos Viva Voz).

FINNEGAN, Ruth. Drum language and literature. In: Oral literature in Africa. London and New York: Oxford University Press, 1970. p. 481-499.

MARTINS, Leda Maria. Afrografias da memória: o reinado do Rosário no Jatobá. Belo Horizonte: Mazza Edições, 1997.

MARTINS, Leda Maria. Performances do tempo espiralar. In: RAVETTI, Graciella; ARBEX, Márcia (Orgs.). Perfomance, exílio, fronteiras: errâncias territoriais e textuais. Belo Horizonte: POSLIT/UFMG, 2002. p. 69-91.

PEREIRA, Edimilson de Almeida. Os tambores estão frios: herança cultural e sincretismo religioso no ritual de candombe. Juiz de Fora/Belo Horizonte: Funalfa Edições/ Mazza Edições, 2005.

QUEIROZ, Sônia (Org.). A tradição oral. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2006.

SCHECHNER, Richard. O que é performance. Tradução de Dandara . Estudos da Performance, Rio de Janeiro, v.11, n.12, p. 25-50, 2003.

WHITE, Hayden. O texto histórico como artefato literário. In: WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. Tradução de Alípio Correia de Franco Neto. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1974, p. 97-116.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz – a “literatura” medieval. Tradução de Amálio Pinheiro e Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. Tradução de Jerusa Pires Ferreira, Maria Lúcia, Diniz Pochat e Maria Inês de Almeida. 2. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

ZUMTHOR, Paul. Performance, leitura, recepção. Tradução de Jerusa Pires Ferreira, Suely Fenerich. 2. ed. São Paulo: COSACNAIFY, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428