O (não)lugar do indígena na "Literatura Brasileira": por onde começar a inclusão?

Roselene Berbigeier Feil

Resumo


Repensar a literatura brasileira, inserindo a produção do índio no rol de textos canonizados, implica não aceitar que, na verdade, o que se tem no Brasil é nada mais que uma literatura lusófona. Ao enaltecer a literatura indígena não se pretende dar um valor apenas para compensar um sentimento de dívida, mas de dar visibilidade a algo que existe há muito tempo, inclusive antes da chegada da escrita ao território do que hoje é chamado Brasil. O exercício que se há de fazer é para a valorização da literatura indígena, seja ela oral ou escrita, em língua autóctone ou em língua portuguesa, como objetos estéticos e culturais singulares, percebendo o que essa literatura tem de específica e de universal ao mesmo tempo. Também os indígenas concordam que se a escrita for imprescindível ela deve ser um recurso, contanto que eles obtenham um espaço: “o índio fala, o índio pensa. Então, vamos passar na escrita, pra que a sociedade entenda melhor o povo indígena”.


Palavras-chave


Indígena; Literatura Brasileira; Identidade; Resistência; Inclusão

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, José de. O guarani. 20. Ed. São Paulo: Ática, 1996 (Bom Livro).

ALENCAR, José de. Iracema. 24. Ed. São Paulo: Ática, 1991. (Bom Livro).

ANDRADE, Oswald. Erro de português. In: Poesias reunidas. 5. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

ARARIPE JÚNIOR. Obra crítica. Rio de Janeiro: Casa de Rui Barbosa, 1958-1970. 5.v.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. 2. Ed. São Paulo: Ed. UNESP/Hucitec, 1990.

BANDEIRA, Manuel. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1983.

BERND, Zilá. O elogio da crioulidade: o conceito de hibridação a partir dos escritores francófonos do Caribe. In: ABDALA JUNIOR, Benjamin (org.). Margens da cultura: mestiçagens, hibridismo e outras misturas. São Paulo: Boitempo, 2004.

BICALHO, Charles A. Koxuk: a imagem do yâmîy na poética maxakali. Belo Horizonte: UFMG. 229 p. Tese (doutorado) – Literatura Brasileira: literatura e expressão da alteridade Faculdade de Letras da UFMG, Belo Horizonte, 2010 (inédita).

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1970.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira (momentos decisivos). 2. Ed. São Paulo: Martins, 1964. v.2.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1965.

COUTINHO, Afrânio (dir.). A literatura no Brasil. 2. Ed. Rio de Janeiro: Sul-Americana, 1968-1971. 6.v.

COUTINHO, Afrânio (org.). Caminhos do pensamento crítico. Rio de Janeiro: Ed. Americana, 1974. Vol. I.

FREIRE, José R. B. Cinco ideias equivocadas sobre s índios (2002). Disponível no endereço: http://www.taquiprati.com.br/arquivos/pdf/Cinco_ideias_equivocadas_sobre_indios_palestraC ENESCH.pdf. Acesso em: 23 jul. 2011.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC ed., 1989.

GOLDEMBERG, Déborah. A concepção do I Sarau de Poéticas Indígenas por uma antropóloga escritora. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p. 42-60, jan./jun. 2009.

GOLDEMBERG, Déborah & CUNHA, Rubelise da. Literatura Indígena Contemporânea: o encontro das formas e dos conteúdos na poesia e prosa do I Sarau de Poéticas Indígenas. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 117-148, jan./jun. 2010.

MARINHO, Emmanuel. Caixa de poemas. 3. Ed. Dourados, MS: O autor, 2001.

MATOS, Cláudia Neiva. Textualidades indígenas no Brasil. In: FIGUEIREDO, Eurídice (org.). Conceitos de literatura e cultura. Juiz de Fora: UFJF, 2005.

RISÉRIO, Antônio. Textos e tribos – poéticas extraocidentais nos trópicos brasileiros. Rio de Janeiro: Imago, 1993. (Série Diversos).

ROMERO, Sílvio. História da Literatura Brasileira. 6. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1960. 5.v.

VERÍSSIMO, José. Estudos de literatura brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia. 1977.

VERÍSSIMO, José. História da Literatura Brasileira. 5.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1969.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428