Identidade de Eliane: a face potiguara, a máscara indígena e o eco de vozes silenciadas

Rejane Seitenfuss Gehlen

Resumo


A leitura analítica de Metade cara, metade máscara, de Eliane Potiguara toma como leitmotiv a constituição identitária da mulher indígena que se vale da escrita como instrumento de luta em favor dos direitos do seu povo. Tal como sugerido no título, a obra revela dados biográficos de uma subjetividade que toma o conhecimento ancestral como esteio em torno do qual são revelados os diversos ângulos da face indígena brasileira contemporânea. Os textos apresentados ao longo da obra rompem as fronteiras dos gêneros textuais e traduzem para a linguagem escrita uma poética que tem na oralidade sua marca maior, aspecto que se coloca como ponto de estudo ao longo do artigo. A condição da mulher é também analisada à luz de alguns pressupostos teóricos, especialmente considerando a significação no contexto em que uma voz indígena feminina busca espaço no cenário da literatura brasileira atual.


Palavras-chave


Identidade; Literatura indígena; Oralidade

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Maria Inês. Desocidentada: experiência literária em terra indígena. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz.. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. Encontros. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2008.

CORNEJO-POLAR, Antonio. O condor voa: Literatura e Cultura Latino-Americanas. Trad. Ilka Valle de Carvalho. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000.

FERNANDES, Frederico. A voz e o sentido: poesia oral em sincronia. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

GUATTARI, F. As três ecologias. Campinas: Papirus, 1993.

HAESBAERT, R. Des-territorialização e identidade: a rede -gaúcha no Nordeste. Niterói: EDUFF,1997.

HAVELOCK, Eric. A equação oralidade-cultura escrita: uma fórmula para a mente moderna. In: OLSON, David; TORRANCE,Nancy (Orgs.). Cultura escrita e oralidade. São Paulo: Ática, 1995.

MACHADO, Irene. Voz e valor na construção da textualidade. In: FERREIRA, Jerusa Pires (Org.). Oralidade em tempo & espaço: colóquio Paul Zumthor. São Paulo: Educ, FAPESP, 1999.

MATTOS, Claúdia Neiva de. A canção da serpente:poesia dos índios kaxinawá. In: ANDRADE, Ana Luiza; CAMARGO, Maria Lúcia de B; ANTELO, Raúlç (Orgs.). Leituras do ciclo. Florianópolis: ABRALIC; Chapecó: Grifos, 1999.

PAGEAUX, Daniel-Henri. Musas na encruzilhada: ensaios de literatura comparada. Frederico Westphalen, RS: URI; São Paulo/SP: Hucitec; Santa Maria/RS:UFSM, 2011.

POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara.São Paulo: Global, 2004.

POTIGUARA, Eliane. Minha pedra verde. Anais do Seminário Nacional de Estudos Literários (SENAEL), Seminário de Estudos Literários da Região Sul (SELIRS), Seminário Internacional de Estudos Literários (SINEL) : literatura e territorialidade. Organizadores: Franciele da Silva Nascimento...(et al.). Frederico Westphalen : URI, 2011.

SANTOS, M. O retorno do território. In: SANTOS, M.; SOUZA, M. A. A.; SILVEIRA, M. L. (Orgs.). Território: globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec/Anpur, 1996.

TETTAMANZY, Ana Lucia. De palmeiras e colibris ou de como a voz guarani vem se tornando letra. In: EWALD, Felipe (et al.). Cartografias da voz: poesia oral e sonora, tradição e vanguarda. São Paulo: Letra e Voz, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428