Vozes do folheto: uma prática de leitura e um caso de poética

Maria Ignez Novais Ayala, Rosangela Vieira Freire

Resumo


A literatura popular em versos nordestina, hoje conhecida como literatura de cordel, é abordada em suas relações com a oralidade. Na maioria dos casos, os poemas narrativos são guardados na memória, recorrendo-se à leitura dos textos, quando a memória falha. Tanto os iletrados, quanto os que lêem os poemas e os memorizam configuram-se como homens-livros e mulheres-livros que elegem certas histórias e com elas se identificam a ponto de emprestar seu corpo como invólucro destes títulos. Há algumas pessoas que são verdadeiras bibliotecas vivas desta literatura, reais representantes do patrimônio imaterial brasileiro. Esta é uma pesquisa em andamento sobre o assunto, que vem somando experiências esparsas ao longo de décadas de observação, registros sonoros e audiovisuais.


Palavras-chave


Cultura; Patrimônio imaterial; Culturas orais; Literatura popular; Literatura de cordel

Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, A. A. O trabalho e a fala. São Paulo: Kairós; FUNCAMP, 1982.

AYALA, Maria Ignez Novais. No arranco do grito. São Paulo: Ática, 1988.

CALASANS, José. Canudos na literatura de cordel. São Paulo: Ática, 1984.

CHARTIER, Roger. Os desafios da escrita. São Paulo: Editora da UNESP, 2002.

CUNHA, Euclides. Caderneta de campo. São Paulo: Cultrix, 1975.

MARANHÃO, Liêdo. O Folheto popular: sua capa e seus ilustradores. Recife: Massagana, 1981.

TERRA, Ruth B. L. Literatura de folhetos: persistência de uma forma de comunicação popular. In: ENCONTRO BRASILEIRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, 9., 1980, 7 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428