Senso comum, samba e discurso popular

Ricardo Azevedo

Resumo


Em tempos de excessiva valorização do indivíduo e da “expressão individual e singular”, tempos da “vanguarda”, da “última moda” e do “conhecimento de ponta”, a noção de “senso comum” costuma ser sistematicamente desprezada e tratada como mera obviedade ou redundância. A crença em tais premissas naturalmente resultam num certo discurso que poderia ser chamado de “moderno, hegemônico e escolarizado”. Os objetivos desse artigo são: 1) colocar em discussão essas premissas; 2) demonstrar que, ao contrário, o “senso comum” corresponde a um insubstituível acervo de conhecimento humano; e 3) demonstrar, através de algumas letras de samba, como o referido acervo pode ser visto como um verdadeiro recurso no âmbito do discurso popular.


Palavras-chave


Formas literárias populares; Cultura popular; Música popular; Oralidade; Literatura comparada

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. “O narrador”. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política – Obras escolhidas. Trad. Sérgio Rouanet. São Paulo:Brasiliense, 1993.

BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é folclore. São Paulo: Brasiliense, 1982.

CHICO BUARQUE. Letra e música. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

CUVILLIER, Armand. Pequeno dicionário da Língua Filosófica. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1961.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Trad. Vera Bueno. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994.

FROTA, Wander Nunes. Auxílio luxuoso: Samba símbolo nacional, geração Noel Rosa e indústria cultural. São Paulo: Anna Blume, 2003.

GEERTZ, Clifford. O saber local. 7. ed. Trad. Vera Mello Joscelyne. Petrópolis:Vozes, 1999.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GOODY, Jack. Domesticação do pensamento selvagem. Trad. Nuno Luís Madureira. Lisboa:Editorial Presença, 1988.

JOLLES, André. Formas simples. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, 1976.

LALANDE, André.Vocabulário técnico e crítico da filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

PERLS, Fritz. A abordagem gestáltica e testemunha ocular da terapia. Rio de Janeiro: Psyche/Zahar Editores, 1981.

SEARLE, John R. Mente, cérebro e ciência. Lisboa:Edições 70, 1984.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428