Da poesia e seus intérpretes em "Cara-de-Bronze"

Alessandra Bittencourt Flach

Resumo


Neste artigo, analisa-se o conto “Cara-de-Bronze”, de Guimarães Rosa, que pertence ao volume No Urubuquaquá, no Pinhém, de Corpo de baile. O objetivo é demonstrar como o autor representa a figura do contador de histórias e confere a ele a responsabilidade de organizar o discurso que se forma a partir de seu contato com a poesia que emerge da relação com o cotidiano. Nota-se que, quando o contador de histórias propõe-se a narrar, mais do que fazer o relato de suas aventuras, ele interfere na capacidade perceptiva de seus interlocutores. Dessa forma, evidencia-se a característica transformadora das narrativas em situações de oralidade. Ao mesmo tempo, o autor concilia, em um mesmo grau de elaboração e significação, as histórias de tradição oral e aquelas provenientes de uma tradição escrita. Como resultado, tem-se uma produção híbrida, que aponta para as múltiplas possibilidades de ritualização da palavra através da performance do contador de histórias.


Palavras-chave


Guimarães Rosa; Performance; Oralidade.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Boitatá
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428