Dissonância cultural? o trabalho em Brasília

Marcia de Melo Martins Kuyumjian

Resumo


Utilizamos a imagem da orquestra para considerar o sentido de dissonância e suas variações na complexidade do entendimento da Brasília informal, ao investigarmos o
trabalho e suas manifestações a partir do viés cultural. Consideramos que no cotidiano do trabalho, percepção e sensibilidade se alinham para redimensionar a dissonância como um arranjo da diversidade do fazer e pensar em sociedade. É essa dissonância que permite mesclar diferentes tipos de trabalho que, embora estratificados e numa escala de valores bem demarcada pelos setores hegemônicos, nos oferece a dinâmica social, incrustada na história e nas formas como a socialidade imprime sua marca no que é popular. Dionisíaca é a vida experimentada no universo do trabalho informal, também um desconcerto, um arranjo sonoro que vibra em outra escala. É o lugar da ipseidade, da narrativa que toma outro lugar de fala e dá margem a estratégias de interação, de liberdade e de ação dos atores jogadores. É a identidade de si. Assim, o termo informalidade traz em si um desconforto, mas também revela que os espaços da cidade de Brasília são lugares praticados, onde experiências e solidariedade são reativadas diuturnamente. Para tanto, escolhemos enfatizar as falas e as imagens que emergem dos trabalhadores informais que ocupam diferentes espaços da cidade. Resultado de pesquisa com o apoio do CNPq, iniciada em 2007, na qual foram entrevistados mais de 40 trabalhadores e organizado um arquivo com quase 2 mil fotos.


Palavras-chave


Trabalho informal; Brasília; Dissonância cultural; Identidade; Pesquisa.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2011v4n7p341



Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS