Pour un autre moyen age au Brésil: a perspectiva decolonial na busca de uma episteme para a compreensão dos medievalismos brasileiros

Marcelo Santiago Berriel

Resumo


Este artigo propõe uma aproximação entre os estudos de medievalismo e os estudos decoloniais. No âmbito das pesquisas dos medievalismos brasileiros, sugere-se que os estudos de medievalismo (oriundos da tradição anglófona) sejam adaptados com um paradigma epistemológico originariamente brasileiro. O artigo baseia-se na perspectiva decolonial presente em outras áreas e, em seguida, exemplifica como o estudo dos medievalismos brasileiros podem se beneficiar de duas posturas epistemológicas decoloniais: o empirismo radical e o perspectivismo. Conclui-se que a conhecida influência da historiografia francesa entre os medievalistas brasileiros não é suficiente para a compreensão dos medievalismos brasileiros contemporâneos, além disso, esta reforça a lógica da colonialidade em nossos trabalhos, ao passo que a perspectiva decolonial evita a dependência de uma narrativa euro-referenciada e promove um entendimento mais condizente com a realidade brasileira.  


Palavras-chave


Medievalismo; Teoria da História; Historiografia; Estudos Decoloniais

Texto completo:

PDF

Referências


ALTSCHUL, Nadia. Postcolonialism and the study of the middle ages. History Compass, [Pennsylvania], v. 6, n. 2, p. 588-606, 2008. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1478-0542.2008.00510.x. Acesso em: 15 mar. 2020.

ALTSCHUL, Nadia; DAVIS, Kathleen (org.). Medievalisms in the postcolonial

world: the idea of “the middle ages” outside Europe. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2009.

AMALVI, Christian. Idade Média. In: LE GOFF, Jacques; SCHMITT; Jean-Claude (org.). Dicionário analítico do ocidente medieval. São Paulo: Editora Unesp, 2017. v. 1, p. 599-616.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, maio/ago. 2013.

BASCHET, Jérôme. A civilização feudal: do ano mil à colonização da América. São Paulo: Editora Globo, 2006.

BIDDICK, Kathleen. The shock of medievalism. Durham: Duke University Press, 1998.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. A Inconstância da alma selvagem: e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2014. E-book em formato MOBI.

D’ARCENS, Louise (org.). The cambridge companion to medievalism. Cambridge: Cambridge University Press, 2016. E-book em formato MOBI.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Lisboa: Editora Ulisseia, 1965. E-book em formato MOBI.

GANIM, John. Medievalism and orientalism: three essays on literature, architecture and cultural identity. Londres: Palgrave Macmillan, 2005.

HADDOCK-LOBO, Rafael. A Gira macumbística da filosofia. Revista Cult [online], São Paulo, ed. 254, p. 21-25, 2020. Dossiê: filosofia e macumba. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/a-gira-macumbistica-da-filosofia/. Acesso em: 10 mar. 2020.

HUOT, Sylvia. Postcolonial fictions in the roman de perceforest: cultural identities and hybridities. Woodbridge: Brewer, 2007.

KABIR, Ananya Jahanara; WILLIAMS, Deanne (org.). Postcolonial approaches to the european middle ages: translating cultures. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

MATTHEWS, David. Medievalism: a critical history. Cambridge: D. S. Brewer, 2017.

MIGNOLO, Walter; PINTO, Julio Roberto de Souza. A Modernidade é de fato

universal?: emergência, desocidentalização e opção decolonial. Civitas, Porto Alegre, v. 15, n. 3, p. 381-402, jul./set. 2015. Dossiê: América Latina como lugar de enunciação.

RIBEIRO, Renato Janine. O risco de uma nova ortodoxia. Revista USP, São Paulo, n. 23, p. 6-13,1994.

ROSA, Maria de Lurdes. Fazer e pensar a história medieval hoje: guia de estudo, investigação e docência. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2017.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas: Exu como educação. Revista Exitus, Santarém, v. 9, n. 4, p. 262 – 289, out./dez. 2019.

STUDIES in medievalism. Studies in Medievalism, Towson, ©2020. Disponível em: http://medievalism.net/?page_id=55. Acesso em: 20 abr. 2020.

UHLIG, Marion. Quand “Postcolonial” et “Global” riment avec “Médiéval”: sur

quelques approches théoriques anglo-saxonnes. Perspectives médiévales: Revue d’épistémologie des langues et littératures du Moyen Âge, Paris, n. 35, 2014. Dossiê: Tendances actuelles de la critique en médiévistique. Disponível em: http://journals.openedition.org/peme/4400. Acesso em: 1 maio 2019.

UTZ, Richard. Medievalism, a manifesto. Kalamazoo: Arc Humanities Press, 2017. E-book em formato MOBI.

WARREN, Michelle. Creole medievalism: colonial france and Joseph Bédier’s middle ages. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2020v13n26p68

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA