Semelhanças e diferenças entre conventos e recolhimentos femininos da América Portuguesa

Ana Cristina Pereira Lage

Resumo


Os conventos e recolhimentos femininos que existiram na América Portuguesa devem ser considerados como instituições educativas, pois, no interior desses espaços, acontecia o aprendizado de leituras, escritas, trabalhos manuais etc. No levantamento realizado de pesquisas existentes sobre a temática e documentos do Arquivo Histórico Ultramarino detecta-se que existiu um número superior de recolhimentos em relação aos conventos, uma vez que o primeiro tipo soma 23 e o segundo seis instituições (sendo três recolhimentos que se transformaram em conventos). Pretendo buscar a compreensão da definição conceitual de convento e recolhimento para o período estudado. Para além das especificidades, é necessário observar as semelhanças e diferenças entre essas instituições, bem como partir do princípio de que é importante perceber uma totalidade e trabalhar com um jogo de escalas para comparar e compreender as diversas intencionalidades da busca feminina por esses espaços. Os conventos se tornaram zonas de recepção de mulheres pertencentes às famílias mais abastadas com o propósito da prática religiosa, enquanto os recolhimentos propiciavam o ingresso de mulheres de diversos grupos sociais e, com o passar do tempo, cada vez mais vinculadas às práticas educativas escolares.

Palavras-chave


Instituições femininas; Conventos; Recolhimentos; Práticas educativas; América portuguesa

Texto completo:

PDF

Referências


ALGRANTI, Leila Mezan. Honradas e devotas: mulheres da colônia – condição feminina nos conventos e recolhimentos do Sudeste do Brasil, 1750-1822. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999.

ALGRANTI, Leila Mezan. Os estatutos do recolhimento das macaúbas (norma e contravenção: os bispos de Mariana e o cotidiano das reclusas): Minas Gerais (1748-1850). Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 161, n. 408, p. 221-251, 2000.

ALGRANTI, Leila Mezan. Livros de devoção, atos de censura: ensaios de história do livro e da leitura na América Portuguesa (1750-1821). São Paulo: HUCITEC, 2004.

ALMEIDA, Suely Creusa Cordeiro de. O sexo devoto: normatização e resistência feminina no Império Português (XVI-XVIII). 2003. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003. Disponível em: https:// repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7383. Acesso em: 20 set. 2018.

AZEREDO COUTINHO, D. José Joaquim da Cunha. Estatutos do recolhimento Nossa Senhora da Glória do lugar de Boa Vista de Pernambuco. Lisboa: Typographia da Academia Real das Siencias, 1798.

AZZI, Riolando; REZENDE, Maria Valéria. A vida religiosa feminina no Brasil colonial. In: AZZI, Riolando (org.). A vida religiosa no Brasil: enfoques históricos. São Paulo: Edições Paulinas, 1983. p. 24-60.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulário portuguez e latino: áulico, anatômico, architectonico. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1728. 8 v.

CARTA de Gomes Freire de Andrade para Diogo de Mendonça Corte Real em que especialmente lhe agradece a proteção que prestara a Jacinta de S. José para a fundação do seu convento. Rio de Janeiro: AHU- (Eduardo de Castro e Almeida), 1756a. 017-1, cx. 83, doc. 19341 (1).

CARTA de Maria de Jesus, ao rei D. José I, solicitando esmola para a casa de recolhimento de mulheres. Paraíba: AHU, 1754. 014, cx.17, doc.1385(1).

CARTA do Arcebispo eleito D. Fr. Manuel de Santa Ignez para Francisco X. de Mendonça Furtado, na qual se refere à ordem régia que mandará suspender a admissão de noviças nos conventos das religiosas da Bahia, a respeito dos quais lhe dá diversas informações. Bahia: AHU- (Eduardo de Castro e Almeida), 1764. Caixa 35, doc. 6554-6555.

CARTA do Bispo D. Fr. Antônio do Desterro para Diogo de Mendonça Corte Real sobre a fundação do Convento de Religiosas da Ordem de N. Sa. do Carmo, da reforma de Santa Teresa. Rio de Janeiro: AHU- (Eduardo de Castro e Almeida), 1756b. 017-1, cx.84, doc. 19469 (1).

CARTA do Vice Rei conde dos Arcos para Fr. José de S. Bernardo, acerca da abertura, em fevereiro próximo, do Recolhimento de S. Raimundo Nonato. Bahia: AHU- (Eduardo de Castro e Almeida), 1759. 005, Cx.25, n.4770-4771.

CARTA particular de Jacinta de S. José para Gomes Freire de Andrade em que especialmente se refere á conclusão do seu convento. Rio de Janeiro: AHU- (Eduardo de Castro e Almeida), 1757. 017-1, cx. 88, doc. 20292 (1).

CONSULTA do conselho ultramarino ao rei D. João V sobre o requerimento do padre da Companhia de Jesus, Gabriel Malagrida, pedindo licença para fundar um recolhimento para donzelas pobres na capitania de Pernambuco. Pernambuco: AHU, 1745. 015, cx.62, doc. 5292(1).

DIAS, Paula Barata. Para uma compreensão da clausura monástica e emparedamento enquanto fenômenos históricos e religiosos. Medievalista online, Lisboa, n. 18, p. 1-32, jul. 2015. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo. php?script=sci_abstract&pid=S1646-740X2015000200008. Acesso em: 15 out. 2017.

DIRETÓRIO em forma de regra e de estatutos, porque se hão de governar as convertidas e mais recolhida do Recolhimento de S. Raymundo Nonato e de Santa Maria Magdalena, fundado em o Bairro das Mercês, extramuros da Cidade da Bahia. Bahia: AHU- (Eduardo de Castro e Almeida), [19--]. 005, cx.28, d.5235(1).

DOSSE, François. História do tempo presente e historiografia. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 5-22, jan./jun. 2012.

FERREIRA, Adínia Santana. A reclusão feminina no Convento da Soledade: as diversas faces de uma experiência (Salvador – século XVIII). 2006. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade de Brasília, Brasília, 2006. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/6638. Acesso em: 20 jan. 2020.

GANDELMAN, Luciana Mendes. Mulheres para um império: órfãs e caridade nos recolhimentos femininos da Santa Casa da Misericórdia (Salvador, Rio de Janeiro e Porto – século XVIII). 2005. Tese (Doutorado em História) - UNICAMP, Campinas, 2005. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/ REPOSIP/279860/1/Gandelman_LucianaMendes_D.pdf Acesso em: 10 mar. 2017.

JABOATÃO, Antonio de Santa Maria. Novo Orbe Seráfico Brasílico ou crônica dos frades menores da província do Brasil. Rio de Janeiro: Typ. Brasiliense de Maximiano Gomes Ribeiro, 1858. v. 1. Reimpressão do Instituto Histórico e Brasileiro.

LAGE, Ana Cristina Pereira. Conexões vicentinas: particularidades políticas e religiosas da educação confessional em Mariana e Lisboa oitocentistas. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

LAGE, Ana Cristina Pereira. Vale de lágrimas: mulheres recolhidas no sertão de Minas Gerais na segunda metade do século XVIII. Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 19, n. 2, p. 312-326, 2014. Disponível em: https://www.revistas2. uepg.br/index.php/rhr/article/view/7093. Acesso em: 30 mar. 2020.

LAGE, Ana Cristina Pereira. Documento, interpretação e representação: os anos iniciais da Casa de Oração do Vale de Lágrimas, Vila de Minas Novas, 1754. Revista de História e Historiografia da Educação, Curitiba, v. 3, n. 7, p. 9-28, jan./abr. 2019a. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/rhhe/article/view/66152. Acesso em: 30 mar. 2020.

LAGE, Ana Cristina Pereira. Religião católica e instituições educativas na capitania de Minas Gerais. In: FONSECA, Thaís Nívia de Lima e (org.). História da educação em Minas Gerais: da Colônia à República. Uberlândia: EDUFU, 2019b. p. 131-152. v. 1.

LECLERCQ, Jean. Il monachesimo femminile nei secoli XII e XIII. In: SOCIETÀ INTERNAZIONALE DI STUDI FRANCESCANI. Movimento religioso femminile e francescanesimo nel secolo XIII: atti del. VII Convegno Internazionale. Assisi: Società Internazionale di Studi Francescani, 1980. p. 61-99

LE GOFF, Jacques. Uma longa idade média. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

LITTLE, Lester A. Monges e religiosos. In: LE GOFF, Jacques; SCHMIDT, JeanClaude. Dicionário temático do ocidente medieval. Bauru: EDUSC, 2002. v. 2, p. 225-241.

MAGALHÃES, Justino Pereira de. Tecendo nexos: história das instituições educativas. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2004.

MARTINS, William de Souza. Devoção, status e busca de autonomia: o convento de Nossa Senhora da Conceição da Ajuda no Rio de Janeiro (c.1750). Clio Revista de Pesquisa Histórica, Recife, v. 29, n. 2, p. 1-20, 2011. Disponível em: https:// periodicos.ufpe.br/revistas/revistaclio/article/view/24224. Acesso em: 20 jul. 2016.

MEDEIROS, Thiago Gomes. Entre cartas e escritos: a trajetória do Padre Gabriel Malagrida e o Seminário jesuíta da Parahyba (séculos XVII e XVIII). 2017. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/11881/1/ Arquivototal.pdf. Acesso em: 15 mar. 2020.

MONSERRATE, Úrsula Luísa de. Memorias da Fundação do Convento das Ursulinas na cidade da Bahia. 23 set. 1745. Acervo Biblioteca Nacional. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_manuscritos/mss1483703/ mss1483703.pdf. Acesso em: 30 mar. 2020.

MORUJÃO, Isabel. Por trás das grades: poesia conventual feminina em Portugal (séculos XVI-XVIII). Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2013.

MOTA, Ana Claudia de Ataide Almeida. Documentos avulsos do convento da Lapa (Salvador, Bahia, sécs. XVIII e XIX): edição e estudo. 2011. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-19102011- 125754/publico/2011_AnaClaudiadeAtaideAlmeidaMota.pdf. Acesso em: 20 abr. 2016.

MOURA FILHA, Maria Berthilde de Barros Lima e. De Filipéia à Paraíba: uma cidade na estratégia de colonização do Brasil: séculos XVI-XVIII. 2004. Tese (Doutorado em História da Arte) - Universidade do Porto, Porto, 2004.

NASCIMENTO, Anna Amélia Vieira. Patriarcado e religião: as enclausuradas clarissas do Convento do Desterro da Bahia. Salvador: Conselho Estadual de Cultura, 1994.

PROVISÃO do rei D. João V ordenando que Arcebispo da Bahia dê seu parecer quanto à licença que solicita João de Miranda Ribeiro para poder edificar a sua custa um convento de religiosas na capela que instituiu com o título de Nossa Senhora da Lapa. Bahia: AHU- (avulsos), 1731. 005, cx.39, D.3507.

REQUERIMENTO da diretora do recolhimento de Nossa Senhora do Desterro da cidade do Rio de Janeiro à rainha D. Maria I solicitando terceira e quarta via do alvará de 11 de outubro de 1777 que lhe permite fundar um mosteiro da ordem de Nossa Senhora do Carmo e reforma de Santa Teresa. Rio de Janeiro: AHU- (avulsos), 1778. 017, cx. 108, doc. 9041 (1).

REQUERIMENTO da regente e mais irmãs do Recolhimento do arraial da Chapada no termo de Minas Novas, solicitando confirmação no sentido de erigirem capela dedicada a Santa Ana. Minas Gerais: AHU, 1780. cx. 116, doc. 39.

REQUERIMENTO da Regente e Recolhidas do Recolhimento de Nossa Senhora da Conceição de Macaúbas solicitando mercê à Rainha. Minas Gerais: AHU, 1785. Caixa 123, doc. 97.

REQUERIMENTO do missionário da Companhia de Jesus padre Gabriel Malagrida ao rei D. João V solicitando confirmação de um recolhimento que edificou junto a Igreja da Soledade na cidade da Bahia. Bahia: AHU –(avulsos), 1740. 005, cx.68, d. 5742.

REQUERIMENTO do Padre Ignácio dos Santos e Araújo, residente na Villa de Santo Amaro da Purificação, no qual pede licença para fundar naquela vila um Recolhimento de mulheres arrependidas. Bahia: AHU- (Eduardo de Castro de Almeida), 1807. 005. cx. 151, doc. 30177.

REVEL, Jacques (org.). Jogos de escalas: a experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1998.

RODRIGUES, Maria José Lobato. Educação feminina no recolhimento do Maranhão: o redefinir de uma instituição. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2010. Disponível em: https:// tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/181. Acesso em: 10 jan. 2018.

SILVA, Antonio Moraes. Diccionario da língua portuguesa. 2. ed. Lisboa: Typografia Lacerdina, 1813. 2 v. Recompilado dos vocabulários impressos ate agora, e nesta segunda edição novamente emendado e muito acrescentado, por Antonio de Moraes Silva.

SILVA, Ivani Almeida Teles da. “Porta Adentro”: formação e vivências das recolhidas do Santo Nome de Jesus de 1716 a 1867. 2011. Dissertação (Mestrado em Estudos Interdisciplinares sobre Gênero, Mulher e Feminismo) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ ri/6280/1/disserta%C3%A7%C3%A3o_final.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Punida e insubmissa: escândalo no Convento da Lapa em Salvador. Clio Revista de Pesquisa Histórica, Recife, v. 25, n. 1, p. 11-30, 2007.

TORRES, Moisés Romanazzi. Considerações sobre a condição da mulher na Grécia Clássica (sécs. V e IV a.C.). Revista Mirabilia, Barcelona, v. 1, n. 1, p.49- 55, dez. 2001. Disponível em: http://www.raco.cat/index.php/Mirabilia/article/ view/283713. Acesso em: 13 jan. 2018.

TRINDADE, Carolina Antonia Silva. Escolarizar para civilizar: o recolhimento de Nossa Senhora dos Humildes em Santo Amaro da Purificação – Bahia, século XIX. 2018. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal Bahia, Salvador, 2018. Disponível em: http://repositorio.ufba.br:8080/ri/bitstream/ri/28104/1/ Disserta%C3%A7%C3%A3o_Carolina%20Antonia%20Silva%20Trindade_FINAL. pdf. Acesso em: 20 set. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2020v13n25p671

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS