“Tais livros não são e nem podiam ser da suplicante”: concepções acerca das mulheres e o mundo da escrita nas Minas colonial

Kelly Lislie Julio

Resumo


Durante o período colonial, existia uma recomendação de que o acesso das mulheres à leitura e à escrita deveria ser breve, apenas para auxiliá-las nos afazeres domésticos. Isso porque elas deveriam ser preparadas para os papéis de esposa, mãe e dona de casa. O artigo objetiva analisar tal consenso. Assim, discute o ideal feminino e o tipo de educação que deveriam receber e a concepção referente à relação das mulheres com o mundo da escrita. Buscando problematizar essas questões, ressalta o contato com as letras vivenciado por Teodora Maria da Conceição, moradora de Vila Rica, exposto numa sentença cível de ação de sevícias, de 1808. Ela foi condenada por castigar excessivamente seus escravos e teve que se desfazer deles e pagar as despesas do processo. Para tanto, apresentou uma livraria contendo 128 volumes, entre títulos civis e canônicos. Entretanto, tal forma de pagamento não foi aceita, pois as autoridades entenderam que os livros não poderiam ser de Teodora. Os dados presentes na sentença refletem as concepções sobre o ideal feminino e a educação projetada para as mulheres. No que concerne às letras, demonstra que havia um entendimento de que a posse dos livros implicava certa formação que Teodora, conforme as autoridades, não possuía.

Palavras-chave


Educação; Minas Gerais; Mulheres; Livraria; Ideal feminino

Texto completo:

PDF

Referências


ALGRANTI, Leila Mezan. Honradas e devotas: mulheres da colônia: condição feminina nos conventos e recolhimentos do Sudeste do Brasil, 1750–1822. Brasília: UnB; Rio de Janeiro: J. Olympio, 1993.

ANTUNES, Álvaro de Araujo. Fiat Justitia: os advogados e prática da justiça em Minas Gerais (1750–1808). 2005. Tese (Doutorado em História) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

BLUTEAU, Rafael. Vocabulario portuguez & latino, aulico, anatomico, architectonico bellico, botânico, etc. Coimbra: Colégio das Artes da Companhia de Jesus, 1712. Disponível em: http://www.brasiliana.usp.br/pt-br/dicionario/edicao/1. Acesso em: 24 Fev. 2014.

CHARTIER, Roger (org.). Práticas da leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.

CHARTIER, Roger. História cultural: entre práticas e representações. 2. ed. Lisboa: Difel, 2002.

FONSECA, Thais Nivia de Lima e. Circulação e apropriação de concepções educativas: pensamento ilustrado e manuais pedagógicos no mundo lusobrasileiro colonial (séculos XVIII–XIX). Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 32, n. 3, p. 167-185, jul./set. 2016.

FONSECA, Thais Nivia de Lima e. Concepções e práticas de educação em Minas Gerais colonial: reflexões em base em fontes de Pesquisa. In: FONSECA, Thais Nivia de Lima e (org.). História da educação em Minas Gerais: da colônia à república. Uberlândia: EDUFU, 2019. v.1.

FURTADO, Júnia Ferreira. O livro da capa verde: o Regimento Diamantino de 1771 e a vida no Distrito Diamantino no período da Real Extração. São Paulo: Annablume, 1996.

JULIO, Kelly Lislie. “Os têm tratado e educado” – as mulheres e suas ações para a manutenção da família e a educação de menores no termo de Vila Rica, MG (1770– 1822). 2017. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

MAGALHÃES, Justino Pereira de. Ler e escrever no mundo rural do antigo regime: um contributo para a história da alfabetização e da escolarização em Portugal. Braga: Serviço de Publicações: Instituto de Educação da Universidade do Minho, 1994.

MORAIS, Christianni Cardoso de. Posses e usos da cultura escrita e difusão da escola: de Portugal ao Ultramar, Vila e Termo de São João Del Rei, Minas Gerais (1750–1850). 2009. Tese (Doutorado em História) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

ORDENAÇÕES FILIPINAS. Código Filipino, ou, Ordenações e Leis do Reino de Portugal: recompiladas por mandato d’el-Rey D. Philipe I. 14. ed. Brasília: Senado Federal: Conselho Editorial, 2012. 4 t.

PAIVA, Eduardo França. Escravos e libertos nas Minas Gerais do século XVIII: estratégias de resistência através dos testamentos. São Paulo: Annablume, 1995

PAULA, Leandro Silva de. O papel dos tutores na educação e inserção social dos órfãos no Termo de Mariana (1790–1822). 2016. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

RIBEIRO, Arilda Ines Miranda. Mulheres educadas na colônia. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes de; VEIGA, Cynthia Greive (org.). 500 Anos de Educação no Brasil. 2. ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2015. p. 79-94.

RIBEIRO, Arilda Ines Miranda. Vestígios da educação feminina no século XVIII em Portugal. São Paulo: Arte & Ciência, 2002.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou Da Educação (1762). Tradução de Roberto Leal Ferreira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999. (Paideia).

SCHWARTZ, Stuart B. Escravos, roceiros e rebeldes. Tradução de Jussara Simões. Bauru: Edusc, 2001.

SENTENÇA Cível de ação de Sevícias a favor do advogado João da Silva Mourão contra Teodora Maria da Conceição. Brasília: HMINC/IBRAM, 1808. Códice 731, auto 7600. Manuscrito.

SILVA, Solange Maria da. Estratégias e práticas educativas dos negros na comarca do Rio das Velhas, século XVIII. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

VARTULI, Sílvia Maria Amâncio Rachi. Por mãos alheias: usos sociais da escrita na Minas Gerais colonial. 2014. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

VERNEY, Luís Antonio. Verdadeiro método de estudar. Valença: Oficina de Antonio Balle, 1746. Disponível em: http://purl.pt/118. Acesso em: 8 nov. 2013.

VILLALTA, Luiz Carlos. Reformismo ilustrado, censura e prática de leitura: usos do livro na América Portuguesa. 1999. Tese (História) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

VILLALTA, Luiz Carlos. Ler, escrever, bibliotecas e estratificação social. In: RESENDE, Maria Efigênia de;

VILLALTA, Luiz Carlos (org.). História de Minas Gerais: as minas setecentistas 2. Belo Horizonte: Autêntica: Companhia do Tempo, 2007.p. 289-311.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2020v13n25p649

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS