Minas de letras: agentes e proposições analíticas acerca da “cultura dos escritos” em Minas Gerais, 1750-1834

Álvaro de Araujo Antunes

Resumo


Práticas, representações, suportes, formas, textos, intertextualidades, contextos... A história social e cultural da escrita, em diversos caminhos, vem ganhando destaque como tema de investigação nas últimas décadas. O presente artigo apresenta alguns resultados de pesquisas que versam sobre dois grupos de agentes envolvidos na “cultura dos escritos” em Minas Gerais, na segunda metade do século XVIII e início do século XIX. Em um primeiro momento, busca definir as potencialidades analíticas do que compreende por “cultura dos escritos”. Na sequência, aquilata a presença de “agentes das letras”, nomeadamente advogados e professores, que atuaram em Mariana, entre os anos de 1750 e 1834. Os resultados apresentados sugerem como provável a hipótese de que as Minas Gerais, pela sua riqueza e relevância administrativa, não foi terreno estéril ao cultivo do escrito.

Palavras-chave


América portuguesa; Minas Gerais; Cultura dos escritos; Letrados; Professores

Texto completo:

PDF

Referências


ALGRANTI, Leila Mezan. Honradas e devotas: mulheres da colônia; condição feminina nos conventos e recolhimentos do sudeste do Brasil, 1750-1822. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: Edunb, 1993.

ALMADA, Márcia. Das artes da pena e do pincel: caligrafia e pintura em manuscritos no século XVIII. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

ALMEIDA, Carla Maria Carvalho de. Ricos e pobres em Minas Gerais: produção e hierarquização social no mundo colonial, 1750-1822. Belo Horizonte: Argumentvm, 2010.

ANDRADE, Francisco Eduardo. Entre a roça e o engenho: roceiros e fazendeiros em Minas Gerais na primeira metade do século XIX. Viçosa: Editora UFV, 2008.

ANGELO, Fabrício Vinhas Manini. Herdeiros: o papel da família na educação das futuras gerações nos Termos de Sabará e de Ouro Preto (1721–1780). 2017. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

ANTONIL, André João. Cultura e opulência por suas drogas e minas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2007.

ANTUNES, Álvaro de Araujo. Administração da Justiça nas Minas Setecentistas. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage; VILLALTA, Luiz Carlos. As minas setecentistas. Belo Horizonte: Autêntica: Companhia do Tempo, 2007. p. 169-190.

ANTUNES, Álvaro de Araujo. Injuriosas palavras: dimensões da cultura do escrito nos pasquins afixados em Calambau, Minas Gerais, no ano de 1798. In: BORGES, Eduardo José Santos; FLEXOR, Maria Helena Ochi; SEVERS, Suzana Maria de Sousa Santos (org.). Poderes, identidades e sociedade na América Portuguesa (séculos XVI - XVII). São Paulo: Alameda, 2017. v. 1, p. 120-135.

ANTUNES, Álvaro de Araujo. As paralelas e o infinito: uma sondagem historiográfica acerca da história da justiça na América portuguesa. Revista de História, São Paulo, n. 169, p.21-52, 2013.

ANTUNES, Álvaro de Araujo. Espelho de cem faces: o universo relacional de um advogado setecentista. São Paulo: Annablume, 2004.

ANTUNES, Álvaro de Araujo. Fiat justitia: os advogados e a prática da justiça em Minas Gerais (1750-1808). 2005. Tese (Doutorado em História Sociocultural) - Universidade de Campinas, Campinas, 2005.

ANTUNES, Álvaro de Araujo. First lines of schooling: regius and private teachers in Brazil, 1759 1843. SISYPHUS – Journal of Education, Lisboa, v. 4, n. 5, p. 120- 143, 2016.

ANTUNES, Álvaro de Araujo. O inventário crítico das ausências: a produção historiográfica e as perspectivas para a História da Educação na América portuguesa. História e Cultura, Franca, v. 4, n. 2, p. 100-117, 2015.

ANTUNES, Álvaro de Araujo. Ver-me-ás folhear os grandes livros e decidir os pleitos: a leitura desvelada nos processos judiciais. Convergência Lusiada, Rio de Janeiro, v. 19, p. 33-46, 2002.

ANTUNES, Álvaro de Araujo; SILVEIRA, Marco Antonio. Deixando de ser fronteira: território, população e conflito na conquista e colonização de Guarapiranga. Varia História, Belo Horizonte, v. 35, n. 69, p.857-893, 2019.

ANTUNES, Álvaro de Araujo; SILVEIRA, Marco Antonio. Reparação e desamparo: o exercício da justiça através das notificações (Mariana, Minas Gerais, 1711- 1888). Topoi, Rio de Janeiro, v. 13, n. 25, p. 25-44, jul./dez. 2012.

ARAUJO, Ana Cristina. A cultura das luzes em Portugal: temas e problemas. Lisboa: Livros Horizonte, 2003.

BLUTEAU, Dom Raphael. Vocabulário português e latino, áulico, anatômico... .Coimbra: Coleção de Artes da Companhia de Jesus, 1728.

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BOUGNOUX, Daniel. Introdução às ciências da comunicação. Tradução Maria Leonor Loureiro. Bauru-SP: EDUSC, 1999.

BURKE, Peter. Cultura popular na idade moderna. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

CALMON, Pedro. Espirito da sociedade colonial. São Paulo: Companhia da Editora Nacional, 1935.

CARDOSO, Tereza Fachada Levy. Aulas Régias no Brasil. In: STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Camara (org.). História e memórias da educação no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2004. v.1.

CARRARA, Ângelo Alves. Minas e currais: produção e mercado interno de Minas Gerais, 1674 -1807. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2007.

CERTEAU, Michel de. A cultura no plural. Tradução Enid Abreu Dobránszky. São Paulo: Papirus, 1993.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

CHARTIER, Roger. Inscrever e apagar: cultura escrita e literatura, séculos XIXVIII. Tradução Luzmara Curcino Ferreira. São Paulo: Editora Unesp, 2007.

CHAVES, Cláudia Maria das Graças; PIRES, Maria do Carmo (org.). Casa de vereança. Ouro Preto: Editora da UFOP, 2008.

CHERVEL, André. La culture scolaire: une approche historique. Paris: Belin, 1998.

COMÉNIO, João Amós. Didática magna: tratado da arte universal de ensinar tudo a todos. Tradução Joaquim Ferreira Fomes. 5. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2006.

“DADOS sobre a instrução publica, 1814”. Revista do Arquivo Público Mineiro. Belo Horizonte, v.7, p.989-1017, v.7, jul./dez. 1902.

FALCON, Francisco. História cultural: uma visão sobre a sociedade e a cultura. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2002.

FAORO, Raimundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 10. ed. São Paulo: Globo: Publifolha, 2000.

FONSECA, Thais Nivia de Lima. Educação na América Portuguesa: sujeitos, dinâmicas, Sociabilidades. História: questões e debates, Curitiba, n. 60, p.15-38, 2014.

FONSECA, Thais Nivia de Lima. O ensino régio na capitania de Minas de gerais 1772-1814. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

FONTAINE, Laurence. L’activité notoriale. Annales, Paris, v. 48, n. 2, p. 475-483, 1993.

FREIRE, Francisco Joseph. Secretário portuguez ou methodo de escrever cartas por meio de uma instrução preliminar, regras de secretaria. Lisboa: Tipografia Rolandiana, 1787.

FURTADO, Júnia Ferreira. Homens de negócio: a interiorização da metrópole e do comércio nas Minas setecentistas. São Paulo: Hucitec, 1999.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. História das culturas do escrito: tendências e possibilidades de pesquisa. In: MARINHO, Marildes; CARVALHO, Gilcinei T. (org.). Cultura escrita e letramento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. P.65-95.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira; BATISTA, Antônio Augusto Gomes. Oralidade e escrita: uma revisão. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 128, p.403-432, 2006.

GINZBURG, Carlo. O extermínio dos judeus e o princípio da realidade. In: MALERBA, Jurandir. A história escrita: teoria e história da historiografia. São Paulo: Contexto, 2006. P.211-232.

GOODY, Jack; WATT, Ian. Las consecuencias de La cultura escrita. In: GOODY, Jack (comp.). Cultura escrita en sociedades tradicionales. Traduccion de Gloria Vitale, Patrícia Wilsson. Barcelona: Gedisa Editorial, 1996. p.39-82.

GOODY, Jack. (comp.). Cultura escrita en sociedades tradicionales. Traduccion de Gloria Vitale, Patrícia Wilsson. Barcelona: Gedisa Editorial, 1996.

GORGULHO, Talitha Maria Brandão. A educação como herança nas elites coloniais de três comarcas da capitania de Minas Gerais: Rio das Velhas, Rio das Mortes e Vila Rica (1756-1810). 2020. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020.

GOUVEIA, Antônio Camões. Estratégias de interiorização da disciplina. In: MATTOSO, José (org.). História de Portugal: o antigo regime. Lisboa: Editorial Estampa, 1993. p.415-449.

HAVELOCK, Eric. Equação oralidade – cultura escrita: uma fórmula para a mente moderna. In: OLSON, Divid; TORENCE, Mancy. Cultura escrita e oralidad. Tradução de Valer Lellis Siqueira. São Paulo: Ática, 1995. p.17-34.

HESPANHA, Antonio Manuel. Sábios e rústicos: a violência da razão jurídica. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, v.25/26, p.31-60, 1988.

HOLANDA, Sergio Buarque. História geral da civilização brasileira: administração, economia, sociedade. 3. ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1973.

HUNT, Lynn. A nova história cultural. Tradução Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

JULIO, Kelly Lislie.“Os têm tratado e educado” : as mulheres e suas ações para a manutenção da família e a educação de menores no termo de Vila Rica, MG (1770– 1822). 2017. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

LAGE, Ana Cristina Pereira. Vale de lágrimas: mulheres recolhidas no sertão de Minas Gerais na segunda metade do século XVIII. Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 19, n. 2, p. 312-326, 2014.

LE GOOF, Jacques. História e memória. Tradução Bernardo Leitão. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1994. p. 535-549.

MAGALHÃES, Justino. O Mural do tempo: manuais escolares em Portugal. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa: Editora Colibri, 2011.

MANDEL, Ladislas. O poder da escrita. Tradução Constância Egrejas. São Paulo: Rosari, 2011.

MARCUSCHI, Luiz Antonio. Da fala para a escrita: atividade de retextualização. 9. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2008.

MARTINS, Roberto. Crescendo em silêncio: a incrível economia escravista de Minas Gerais no século XIX. Belo Horizonte: Instituto Cultural Amilcar Martins: Associação Brasileira de Pesquisa em História Econômica, 2018.

MARTINS, Wilson. A palavra escrita: história do livro, da imprensa e da biblioteca. 3.ed. São Paulo: Editora Ática, 2002.

MAXWELL, Kenneth. A devassa da devassa: a Inconfidência Mineira; BrasilPortugal: 1750-1808.Tradução João Maia. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

OLSON, Divid; TORENCE, Mancy. Cultura escrita e oralidad. Tradução Valer Lellis Siqueira. São Paulo: Ática, 1995.

ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita: a tecnologização da palavra. Tradução Enid Abreu Dobransky. Campinas: Papirus, 1998.

PALLARES-BURKE, Maria Lúcia; BURKE, Peter. Entrevista com Jack Goody. Horizontes antropológicos, Porto Alegre, v. 10, n. 22, p.329-345, 2004.

PAULA, Leandro Silva de. O papel dos tutores na educação e na inserção social de órfãos no Termo de Mariana (1790–1822). 2016. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. 24. ed. São Paulo: Brasiliense, 1996.

RICOUER, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução Alain Francoise. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

ROCHA, José Joaquim. Geografia histórica da Capitania de Minas Gerais: descrição geográfica, topográfica, histórica e política da Capitania de Minas Gerais; Memória Histórica da Capitania de Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1995.

RUSSEL-WOOD, Anthony John. O governo local na América portuguesa: um estudo de divergência cultural. Revista de Histórica, São Paulo, v. 55, n. 109, p. 25-79, 1977.

SILVEIRA, Marco Antônio. O universo do indistinto. São Paulo: Hucitec, 1997.

SOUZA, Laura de Mello. Desclassificados do ouro: poder e miséria no século XVIII. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

SOUZA, Laura de Mello. Norma e conflito: aspectos da história de Minas no século XVIII. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1999.

SOUZA, Laura de Mello. O sol e a sombra: política e administração do Império Português no século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

SUBTIL, José. Os poderes do Centro. In: MATOSO, José (org.). História de Portugal: o antigo regime. Lisboa: Editorial Estampa, 1993. v. 4.

TORRES, João Camillo de Oliveira. História de Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora Bernardo Alvares, [19--]. v. 2.

VARTULI, Silvia Maria Amâncio Rachi. Por mãos alheias: usos sociais da escrita na Minas Gerais colonial. 2014. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

VILLALTA, Luiz Carlos; MORAIS, Christianni; MARTINS, João Paulo. As reformas pombalinas e a instrução (1759-1777). In: FALCON, Francisco José Calazans; RODRIGUES, Cláudia (org.). A “época pombalina” no mundo luso-brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, 2015.p.453-498.

VIÑAO FRAGO, Antônio. Por uma historia de la cultura escrita: observaciones y reflexiones. Signo – Revista de História de La Escrita, Alcalá Henares, n. 3, p. 41-68, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2020v13n25p621

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS