Em prol da moralidade e da disciplina: os Oficiais do Culto da Marinha Imperial entre 1822 e 1865

Sergio Willian de Castro Oliveira Filho

Resumo


Com a Independência do Brasil, formalmente teve início o lento processo de constituição das instituições nacionais, dentre as quais a Marinha do Brasil. A estruturação administrativa e de pessoal da Armada Imperial brasileira não se deu de modo rápido, na medida em que, passadas quatro décadas de sua independência, o Brasil ainda vivenciava um lento e conturbado processo de formação enquanto Estado-Nação. Nas primeiras décadas após a independência variadas transformações administrativas ocorreram na estrutura da Marinha Imperial Brasileira, inclusive no que dizia respeito ao pessoal. Contudo, a função de Capelão da Armada recebeu pouca atenção das autoridades navais no que concernia à efetivação de um Corpo Eclesiástico dotado de uma clara regulamentação que visasse a sua profissionalização. O objetivo do presente artigo é discutir a atuação dos Oficiais do Culto da Armada Imperial e os discursos a respeito das atribuições destes religiosos, disseminados pela imprensa ou em relatórios ministeriais, no período compreendido entre a década de 1820 e o princípio da de 1860.

Palavras-chave


Capelães; Marinha do Brasil; Império do Brasil; Moralização; Regulamentação

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Marcelo Coelho. A Religião na caserna: o papel do capelão militar. 2006. Dissertação (Mestrado) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2006.

BELCHIOR, Luna Halai. A religião nacional: a experiência brasileira em Joaquim Caetano Fernandes Pinheiro. 2018. Dissertação (Mestrado) – UFOP, Ouro Preto, 2018.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Decreto nº 747, de 24 de Dezembro de 1850. Approva o Regulamento para a Repartição Ecclesiastica do Exercito. Brasília: Câmara dos Deputados, 1850. Publicação Original, Coleção de Leis do Império do Brasil – 1850. v. 1, pt. II, p. 428.

BRASIL. [Ministério da Marinha]. Almanak do Ministério da Guerra. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1868

BRASIL. [Ministério da Marinha]. Almanak do Ministério da Marinha. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1858a.

BRASIL. [Ministério da Marinha]. Consultas do conselho naval: sala das sessões do conselho naval em 26 de setembro de 1865: consulta nº 1024. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1870. v. 7.

BRASIL. Ministério da Marinha. Relatório apresentado à Assemblea Geral Legislativa na primeira sessão da nona legislatura pelo Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Marinha, Zacarias de Goes e Vasconcellos. Rio de Janeiro: Typographia do Diário de A & L Navarro, 1853.

BRASIL. Ministério da Marinha. Relatório apresentado à Assemblea Geral Legislativa na segunda sessão da nona legislatura pelo Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Marinha, José Maria da Silva Paranhos. Rio de Janeiro: Typographia do Diário de A & L Navarro, 1854.

BRASIL. Ministério da Marinha. Relatório apresentado à Assemblea Geral Legislativa na primeira sessão da décima legislatura pelo Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Marinha, José Maria da Silva Paranhos. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1857.

BRASIL. Ministério da Marinha. Relatório apresentado à Assemblea Geral Legislativa na segunda sessão da décima legislatura pelo Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Marinha, José Antonio Saraiva. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1858b.

BRASIL. Senado Federal. Decreto nº 411-A de 05 de Junho de 1845. Revoga o decreto número 304 de 2 de junho de 1843, e manda por em execução o regulamento para o corpo dos imperiais marinheiros. Brasília: Senado Federal, 1845. . Coleção de Leis do Império do Brasil de 31/12/1845. v. 1, col. 1, p. 28.

DIÁRIO Fluminense, Rio de Janeiro, 16 jun. 1825.

DORES, Manoel Moreira da Paixão e. Diário do capelão da esquadra imperial comandada por Lord Cochrane, Frei Manoel Moreira da Paixão e Dores. In. BRASIL. Biblioteca Nacional. Anais. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do Ministério da Educação, 1940. v. 60. p. 178-258.

FERREIRA, Francisco. Declarações. Diário do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 7 dez.1824.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT. Michel. Microfísíca do poder. 22 ed. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1979.

JEHA, Silvana Cassab. A galera heterogênea: naturalidade, trajetória e cultura dos recrutas e marinheiros da Armada Nacional e Imperial do Brasil c. 1822-c.1854. 2011. Tese (Doutorado) - PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2011.

METELLA, José Pedro. Declarações. Diário do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 14 nov. 1826.

O DESPERTADOR. Rio de Janeiro, 14 abr.1840.

PINHEIRO, Joaquim Caetano Fernandes. Os capellães da Armada. Diário do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 9 jul. 1854.

QUINSON, Marie-Therese. Dicionário cultural do cristianismo. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

REGIMENTO Provisional, para o serviço e disciplina das Esquadras e navios da Armada Real. Lisboa: Oficcina de Antonio Rodrigues Galhardo - Impressor do Conselho do Almirantado, 1796.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2020v13n25p102

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA