“Que sendo de uma indispensável necessidade para a confecção do exército, em que consiste a manutenção e a defesa dos meus reinos”: Notas sobre a nova forma de se fazer recrutas no Império Português (Século XVIII)

Ana Paula Wagner, Bruno César Pereira

Resumo


O presente artigo propõe analisar um ato oficial da Coroa portuguesa, o Alvará com Força de Lei publicado em 24 de fevereiro de 1764. Este documento buscava alterar as formas de recrutamento para as Tropas Regulares, uma das três forças que compunham a esfera militar do Império Português no período. Além destas novas determinações da Coroa, ainda destacaremos neste texto, entre os artigos do Alvará, as preocupações em delimitar o perfil dos recrutas que ocupariam esta força militar, bem como a existência de estratégias utilizadas por homens em idade militar de se eximir de sentar-praça.

Palavras-chave


História Militar

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARÁ com força de lei de 7 de julho de 1764, em que se da a ampliação e declaração ao antecedente de 24 de fevereiro de 1764 sobre as recrutas dos regimentos. In: SYSTEMA ou Collecção dos Regimentos Reas. Lisboa: Francisco Luiz Ameno, [1764a]. t. 5, p. 327-330. Disponível em: http://www. governodosoutros.ics.ul.pt/. Acesso em: 22 set. 2018.

ALVARÁ com força de lei em que se dá nova forma de se fazer recrutas, de 24 de fevereiro de 1764. In: SYSTEMA ou Collecção dos Regimentos Reas. Lisboa: Francisco Luiz Ameno, [1764b]. t. 5, p. 205-213. Disponível em: http://www. governodosoutros.ics.ul.pt/. Acesso em: 22 set. 2018.

ALVARÁ de 6 de setembro de 1765, em que se estabelecem as penas, com que devem ser punidos os desertores das Tropas e os que lhes derem asilo. In: SYSTEMA ou Collecção dos Regimentos Reas. Lisboa: Francisco Luiz Ameno, [1765]. t. 5, p. 337-340. Disponível em: http://www.governodosoutros.ics.ul.pt/. Acesso em: 22 set. 2018.

ALVARÁ de Declaração de, e ampliação da lei de 24 de fevereiro de 1764, em que sua majestade ordena, que os mancebos desocupados, que depois da publicação da dita lei houverem casado, e por este motivo pretenderem ser escusos de servir nos Regimentos Pagos, sejam contudo sujeitos as sortes, e as recrutas, 15 de outubro de 1764. In: SYSTEMA ou Collecção dos Regimentos Reas. Lisboa: Francisco Luiz Ameno, [1764c]. t. 5, p. 331-332. Disponível em: http://www. governodosoutros.ics.ul.pt/. Acesso em: 22 set. 2018.

COMUNICADO de 13 de Setembro de 1764, em que se manda tirar do alistamento do recrutamento os estudantes de latim, grego e retórica, e proceder contra os Oficiais que tais alistamentos praticaram. In: SUPPLEMENTO a colecção de legislação portugueza do Desembargador Antônio Delgado da Silva, anno de 1763 a 1790. Lisboa: Typ. De Luiz Corrêa da Cunha, 1844. p. 47. Disponível em: http://www.governodosoutros.ics.ul.pt/. Acesso em: 22 set. 2018.

COSTA, Ana Paula Pereira. Estratégias sociais e a construção da autoridade: uma análise das práticas de reprodução social dos oficiais dos Corpos de Ordenança na busca pelo mando. MNEME: Revista de Humanidades, Fortaleza, v. 7, n. 18, p. 461-509, 2005. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/mneme/article/ view/332 Acesso em: 5 abr. 2019.

COSTA, Ana Paula Pereira. Organização militar, poder de mando e mobilização de escravos armados nas conquistas: a atuação dos corpos de ordenanças em Minas colonial. Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 11, p. 109-161, 2006. Disponível em: https://www.revistas2.uepg.br/index.php/rhr/article/view/2233 Acesso em: 5 abr. 2019.

COSTA. Fernando Dores. Os problemas do recrutamento militar no final do século XVIII e as questões da construção do Estado e da Nação. Análise Social, Lisboa, v. 30, n. 1, p. 121-155, 1995. Disponível em: http://analisesocial.ics.ul.pt/ Acesso em: 7 abr. 2019.

COSTA. Fernando Dores. Milícias e sociedade. In: HESPANHA, António Manuel (coord.). Nova história militar de Portugal: séculos XVI-XVII. Lisboa: Círculo de Leitores, 2004a. v. 2, p. 68-101.

COSTA. Fernando Dores. Guerra no tempo de Lippe e de Pombal. In: HESPANHA, António Manuel (coord.). Nova história militar de Portugal: séculos XVI-XVII. Lisboa: Círculo de Leitores, 2004b. v. 2, p. 331-350.

COTTA, Francis Albert. Os terços de homens pardos e pretos libertos: mobilidade social via postos militares nas Minas do século XVIII. MNEME: Revista de Humanidades, Fortaleza, v. 3, n. 6, p. 71-95, 2002. Disponível em: https:// periodicos.ufrn.br/mneme/article/view/158 Acesso em: 5 abr. 2019.

COTTA, Francis Albert. O sistema militar corporativo na América portuguesa. In: CONGRESSO INTERNACIONAL ESPAÇO ATLÂNTICO DO ANTIGO REGIME: PODERES E SOCIEDADES, 2005, Lisboa. Actas [...]. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 2005. p. 1-29. Disponível em: http://cvc.institutocamoes.pt/eaar/ coloquio. Acesso em: 5 abr. 2019.

DECRETO sobre os desertores das tropas, de 6 de setembro de 1765. In: SYSTEMA ou Collecção dos Regimentos Reas. Lisboa: Francisco Luiz Ameno, [1765]. t. 5, p. 342-343. Disponível em: http://www.governodosoutros.ics.ul.pt/. Acesso em: 22 set. 2018.

HESPANHA, António Manuel (coord.). A administração militar. In: HESPANHA, António Manuel (coord.). Nova história militar de Portugal: séculos XVI-XVII. Lisboa: Círculo de Leitores, 2004b. v. 2, p. 169-176.

HESPANHA, António Manuel (coord.). Nova história militar de Portugal: séculos XVI-XVII. Lisboa: Círculo de Leitores, 2004a. v. 2.

INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. O governo dos outros: imaginários políticos no império português. Lisboa: Universidade de Lisboa, 2019. Disponível em: http://www.governodosoutros.ics. ul.pt/?menu=inicio. Acesso em: 5 jun. 2019.

LIPPE, Schaumbourg. Regulamento para o exercício e disciplina dos Regimentos de Infantaria dos Exércitos de sua Majestade Fidelíssima: feita por ordem do mesmo senhor por sua alteza o Conde Reynante Schaumbourg Lippe, Marechal General. Lisboa: Impresso na Secretaria de Estado, 1763. Disponível em: http://www.ghtc. usp.br/server/Lusodat/pri/02/pri02691.htm. Acesso em: 8 abr. 2019.

MARTINHEIRA, José Joaquim Sintra. Os documentos d’el Rei. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, ano 42, n. 2, p. 131-146, 2006.

MELLO, Christiane Figueiredo Pagano de. Fazer soldados poder tremendo! não os fazer, maior ainda. In: JORNADA SETECENTISTA, 7., 2007, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: [UFPR], 2007. p. 37-43. Disponível em: http://www.humanas.ufpr.br/ portal/cedope/jornadas/vii-jornada-setecentista-2007/. Acesso em: 9 ago. 2019.

MELLO, Christiane Figueiredo Pagano de. Os corpos de ordenança e auxiliares: sobre as relações militares e políticas na América Portuguesa. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 45, p. 39-56, 2006. Disponível em: https://revistas.ufpr. br/historia/article/view/7944. Acesso em: 7 abr.2019.

MELLO, Christiane Figueiredo Pagano de. Forças militares no Brasil Colonial: corpos de auxiliares e de ordenanças na segunda metade do século XVIII. Rio de Janeiro: E-Papers, 2009.

MOREIRA, Luiz Guilherme Scaldaferri; LOUREIRO, Marcello José Gomes. A nova história militar e a América Portuguesa: balanço historiográfico. In: POSSAMAI, Paulo (org.). Conquistar e defender: Portugal, países baixos e Brasil – estudos de história militar na idade moderna. São Leopoldo: Oikos, 2012. p. 13-32.

PEREIRA FILHO, Jorge da Cunha Pereira. Tropas militares luso-brasileiras nos séculos XVIII e XIX. Boletim do Projeto “Pesquisa Genealógica Sobre as Origens da Família Cunha Pereira”, [S. l.], v. 3, n. 12, p. 46-80, 1998.

PEREIRA, Bruno César. As forças militares em Sena (África Oriental Portuguesa) em meados do século XVIII. In: ENCONTRO ANUAL DE INICIAÇÃO CIENTIFICA – UNICENTRO, 25.,2016, Irati. Anais [...]. Irati: UNICENTRO, 2016. p. 1-4.

POSSAMAI, Paulo (org.). Conquistar e defender: Portugal, países baixos e Brasil – estudos de história militar na idade moderna. São Leopoldo: Oikos, 2012.

RESOLUÇÃO de 1 de outubro de 1764. Na qual S. Majestade manda participar a todos generais comandantes das províncias, a todos os governados das praças principais delas, a todos os coronéis dos regimentos de meus exércitos, a todos os Capitães-mores das vilas, e comarcas do reino, e a todos os corregedores, provedores, ouvidores, e Juízes de Fora das cabeças das comarcas, sobre o importante negócio das recrutas do meu exército. In: SYSTEMA ou Collecção dos Regimentos Reas. Lisboa: Francisco Luiz Ameno, [1764]. t. 5, p. 330-331. Disponível em: http://www.governodosoutros.ics.ul.pt/. Acesso em: 22 set. 2018.

SANTOS, Antonio Cesar de Almeida. Vadios e política de povoamento na América Portuguesa, na segunda metade do século XVIII. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, v. 27, n. 2, p. 7-30, 2001. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs. br/ojs/index.php/iberoamericana/article/view/24432. Acesso em: 8 abr. 2019.

SILVA, Bruno Cezar Santos da. A reforma nas tropas auxiliares na Capitania da Paraíba (1750-1777). In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 26., 2011, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ANPUH, 2011. Disponível em: http://www.snh2011. anpuh.org/resources/anais. Acesso em: 25 jun. 2019. p. 1-17.

SILVA, Kalina Vanderlei P. da. Dos criminosos, vadios e outros elementos incômodos: uma reflexão sobre o recrutamento e as origens sociais dos militares coloniais. Locus, Juiz de Fora, v. 8, n. 1, p. 79-92, 2002. Disponível em: https:// locus.ufjf.emnuvens.com.br/locus. Acesso em: 22 set. 2018.

SILVA, Kalina Vanderlei P. da. O miserável soldo & a boa ordem da sociedade colonial: militarização e marginalidade na capitania de Pernambuco dos séculos XVII e XVIII. 2001. Tese (Doutorado em História) - Fundação de Cultura Cidade de Recife, Recife, 2001.

COMISSÃO DE FAMILIARES DE MORTOS E DESAPARECIDOS POLÍTICOS. Dossiê ditadura: mortos e desaparecidos políticos no Brasil – 1964- 1985. São Paulo: Imprensa Oficial, 2009.

COMISSÃO PELOS DESAPARECIDOS POLITICOS BRASILEIROS - FAMILIARES, AMIGOS E EX-MILITANTES DA AÇÃO POPULAR MARXISTA-LENINISTA.Onde estão?: desaparecidos políticos brasileiros. São Paulo: Edição dos autores, 1983.

DIAS, Reginaldo Benedito. Histórias da AP: estudos sobre as disputas pelos sentidos da história da Ação Popular. Curitiba: Prismas, 2017. FALA de Bolsonaro sobre desaparecido na ditadura causa repúdio até de aliados. Folha de S. Paulo, São Paulo, ano 99, n. 32.990, p. A4, 30 jul. 2019.

FALCÃO divulga nota e diz que vai reunir conselho. Folha de S. Paulo, São Paulo, ano 54, n. 16.768. p. 3, 7 fev. 1975.

FILGUEIRAS, Otto; LACERDA, Tessa. Perfil de Gildo Macedo Lacerda. In: DUARTE, Betinho (org.). Rua viva: o desenho da utopia. Belo Horizonte: Edição do autor, 2004. p. 257-266.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas. São Paulo: Expressão Popular: Perseu Abramo, 2014. GUERRA, Cláudio. Memórias de uma guerra suja. Rio de Janeiro: Topbooks, 2012.

GUISONI, Divo (org.). O Livro negro na memória daqueles que o fizeram. São Paulo: Anita Garibaldi, 2014.

INFORMAÇÃO 111. SISA, Rio de Janeiro, 16 mar. 1970. Disponível em: https:// www.comissaodaverdade.pe.gov.br/uploads/r/arquivo-publico-estadualjordao-emerenciano/c/c/e/cce432df385d8bb97b3a63386a5435569136428eb200 692bac1939297d5b62f1/38ad54e5-74c8-4d9d-af96-30e3c660a0abBR_AN_BSB_ VAZ_091_0111_OK_Aeroporto.pdf. Acesso em: 25 maio 2020.

LIMA, Haroldo; ARANTES, Aldo. História da AP: da JUC ao PC do B. São Paulo: Alfa-Omega, 1984.

MINISTRO do STF arquiva ação do presidente da OAB contra Bolsonaro. Folha de S. Paulo, São Paulo, ano 99, n. 33.018, p. A9, 27 ago. 2019.

MORTE de pai de presidente da OAB foi causada pelo Estado, atesta comissão. Folha de S. Paulo, São Paulo, ano 99, n. 32.990, p. A6, 30 jul. 2019.

NOVOS CRIMES. Libertação. São Paulo, ano 4, n. 36, p. 7, 29 fev. 1972. PEREIRA, Duarte. [Sem título]. [S. l.], 7 ago. 2019. 1 mensagem eletrônica.

PERNAMBUCO. Comissão Estadual da Memória e Verdade Dom Helder Câmara. Neutralização de Jair Ferreira de Sá. Pernambuco: Arquivo Público, [197?]. Disponível em: https://www.comissaodaverdade.pe.gov.br/index.php/ neutralizacao-de-jair-ferreira-de-sa. Acesso em: 25 maio 2020.

PERNAMBUCO. Secretaria da Casa Civil. Comissão estadual da memória e verdade Dom Helder Câmara: relatório final. [S. l.: s. n.], 2017. v. 1.

RIDENTI, Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. São Paulo: Edunesp, 1993. SÁ, Jair Ferreira. O sentimento de perda e revolta. In: ASSIS, Chico; TAVARES, Cristina; FILHO, Gilvandro; BRANDÃO, Glória; DUARTE, Jodeval. Onde está meu filho. Recife: Cepe, 2011. p. 73-74.

SÃO PAULO (Estado). Comissão da Verdade Rubens Paiva. Relatório. [São Paulo: s. n.], 2013. t. 3. Audiências Públicas da Comissão da Verdade do Estado de São Paulo.

SOARES, Inês Virgínia Prado. Novas perspectivas para a arqueologia da repressão e da resistência no Brasil depois da Comissão Nacional da Verdade. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, v. 8, n. 2, p. 177-194, dez. 2014.

SOUZA, Herbet et. al. Memórias do exílio. Lisboa: Livramento, 1978.

TELES, Janaina. D. Paulo: o arcebismo que enfrentou a ditadura e denunciou seus crimes ao mundo. Ponte, [São Paulo], 19 dez. 2016. Disponível em: https://ponte. org/dom-paulo-o-arcebispo-que-enfrentou-a-ditadura-e-denunciou-seuscrimes-ao-mundo/. Acesso em: 25 maio 2020




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2020v13n25p50

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS