“Ideologia de gênero”: ofensiva reacionária, pânico e cruzada moral no México (2016)

Edméia Aparecida Ribeiro

Resumo


Uma ofensiva reacionária, ancorada em princípios como o da moral e valores da família tem tocado os imaginários sociais, incendiado debates, disseminado visões de mundo e produzido pânico moral. Trata-se do discurso antigênero, reconhecido pela locução “ideologia de gênero”, concepção bastante expressiva em documentos publicados por movimentos que se organizam em torno da defesa da “família natural” e que buscam mobilizar indivíduos devotos e leigos. O México, desde o ano de 2016, em função do envio ao Congresso do projeto de lei para aprovação do casamento homossexual, pelo presidente Enrique Peña Nieto (2012-2018), tem vivenciado intensa movimentação de grupos pró família e pró vida, e a internet – redes sociais - se configurou em importante ferramenta para mobilização da cruzada moral contra a questão de gênero. Neste artigo analisamos a produção e divulgação do discurso antigênero a partir das páginas do Facebook de algumas organizações mexicanas pró família, a saber, a ConFamilia (Consejo Mexicano de la Familia) e a Frente Nacional x la Familia, cujas visualizações e compartilhamentos de postagens de conteúdo antigênero atingem um número expressivo de usuários das redes sociais, contribuindo para a formação da inteligibilidade de indivíduos, criando pânico moral e movimentos sociais de caráter reacionário.


Palavras-chave


“Ideologia de gênero”; México; Facebook, ofensiva reacionária; cruzada moral

Texto completo:

PDF

Referências


Referências bibliográficas

ALZAMORA REVOREDO, Oscar. La ideología de género: sus peligros y alcances. Lima: Comisión Ad Hoc de la Mujer; Comisión Episcopal de Apostolado Laical, Conferencia Episcopal Peruana, 1998.

BACZKO, Bronislaw. Imaginação social. In: Enciclopédia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 1985. v. 5. pp. 296-331.

BLANCARTE, Roberto. Historia de la Iglesia católica en México. México: El colégio Mexiquense, Fondo de Cultura Económica, 1992.

BRACKE, Sarah, PATERNOTTE, David. Unpacking the Sin of Gender. In: Religion & Gender: Habemus Gender. Vol. 6, no. 2, 2016. pp. 143–154.

CAREAGA -PEREZ, Gloria. Moral Panic and Gender Ideology in Latin America. In: Religion & Gender: Habemus Gender. Vol. 6, no. 2, 2016. pp. 251-255.

COUTROT, Aline. Religião e política. In: RÉMOND, René (org.). Por uma história política. 2. ed. Trad. Dora Rocha. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

FAVIER, Anthony. La r´eception catholique des ´etudes de genre. In: Hall – archives ouvertes. Lille, France. Set. 2012. Disponível em: . Acesso em: 08 mar. 2017.

_______. Les catholiques et le genre: Une approche historique. In: La vie des ideés. França, nº 25, mars 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2018.

FRANCO, Stella Maris Scatena. Gênero em debate: problemas metodológicos e perspectivas historiográficas. In: VILLAÇA, Mariana; PRADO, Maria Ligia Coelho (orgs.). História das Américas: fontes e abordagens historiográficas. São Paulo: Humanitas: CAPES, 2015.

_______. Do arco-íris à monocromia: o Movimento Escola Sem Partido e as reações ao debate sobre gênero nas escolas. In: MACHADO, Andreá Roberto de A.; TOLEDO, Maria Rita de Almeida (orgs.). Golpes na História e na Escola: o Brasil e a América Latina nos séculos XX e XXI. São Paulo: Cortez: ANPUH SP, 2017. Pp. 233-246.

FURLANI, Jimena. Existe “Ideologia de gênero”? Agência Patrícia Galvão, 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2017.

GARBAGNOLI, Sara. Le Vatican contre la dénaturalisation de l’ordre sexuel: structure et enjeux d’un discours institutionnel réactionnaire. In: Synergies Italie, n°10, 2014. pp. 145-167.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. “Ideologia de Gênero”: uma categoria de mobilização política. In: SILVA, Márcia Alves da (org.). Gênero e diversidade: debatendo identidades. São Paulo: Perse, 2016.

LOAEZA, Soledad. La restauración de la iglesia católica en la transición mexicana. México, D.F.: El Colegio de México, Centro de Estudios Internacionales, 2013.

MACHADO, Carla. Pânico moral: para uma revisão do conceito. In: Interacções: sociedade e as novas modernidades. Nº 7, 2004. Pp. 60-80.

MISKOLCI, Richard, CAMPANA, Maximiliano. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. In: Revista Sociedade e Estado. Vol. 32, nº 3, Set/dez/2017. Pp. 725 -747.

O’LEARY, Dale. A agenda de Gênero: Redefinindo a Igualdade. (Condensado da obra de Dale O’Leary, “The Gender Agenda”). 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2017.

PISCITELLI, Adriana. Gênero: história de um conceito. In: ALMEIDA, Heloisa Buarque de; SZWAKO, José Eduardo (orgs.). Diferenças, igualdade. São Paulo: Berlendis & Vertecchia, 2009.

_______. Recriando a (categoria) mulher? In: ALGRANTI, Leila Mezan (Org.). A prática feminista e o conceito de gênero. Textos Didáticos, n. 48. Campinas: IFCH/Unicamp, 2002.

RÉMOND, René. Uma história presente. In: RÉMOND, René (org.). Por uma história política. 2. ed. Trad. Dora Rocha. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003, pp. 13-36.

SCOTT, Joan W. Usos e abusos do gênero. In: Projeto História. São Paulo, n. 45, p. 327-351, dez. 2012.

_______. Gênero: uma categoria útil de análise histórica? Educação e Realidade. Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

_______. História das Mulheres. In: BURKE, Peter. A escrita da História: novas perspectivas. São Paulo: Unesp, 1992, pp. 63-95.

SILVEIRA, Emerson Sena da; AVELLAR, Valter. Questões metodológicas da pesquisa sobre religião na internet. In: SILVEIRA, Emerson Sena da; AVELLAR, Valter (orgs.). Espiritualidade e sagrado no mundo cibernético: questões de método e vivências em ciências da religião. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

SORJ, Bernado; FAUSTO, Sergio (comp.). Activismo político en tiempos de internet. São Paulo: Edições Plataforma Democrática, 2016.

THOMPSON, Kenneth. Sobre el concepto de pánicos morales. Unq.edu [blog]. 1 abr. 2015. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2019v12n24p488

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS